O frio, o calor e a legionella

por Cipriano Justo | 27.12.2014

Artigo de Opinião de Cipriano Justo *​


Foi o excesso de óbitos por gripe entre as quinta e décima primeira semana de 2012, foi o excesso de óbitos durante a onda de calor do verão de 2013, foram mais de 300 casos e oito óbitos por legionella nos meses de Outubro e Novembro de 2014, representando, segundo a comunicação social, o terceiro maior surto de sempre por esta bactéria.


Em menos de três anos, os portugueses estiveram expostos a riscos cujas consequências, tanto no excesso de morbilidade como no excesso de mortalidade, podiam ter sido evitados.

No primeiro caso, a uma baixa taxa de cobertura vacinal da população mais susceptível para um vírus da gripe com elevada virulência, associaram-se condições climatéricas particularmente adversas para as quais não foram tomadas as medidas que protegessem antecipadamente aquela população da associação de um elevado risco ambiental, um elevado risco biológico e a vulnerabilidade social dos idosos. Resultado: 6 110 óbitos em excesso.

Onda de calor

Relativamente à onda de calor verificada no Verão de 2013, embora o Ministério da Saúde dispusesse de um plano de contingência, desde Maio desse ano, para prevenir os efeitos sobre a saúde humana –- sobretudo sobre a saúde dos idosos -- de temperaturas elevadas que se prolongassem no tempo, o grau em que esse plano foi aplicado revelou-se tão insuficiente ou tão negligentemente aplicado que teve como consequência pelo menos 1702 óbitos em excesso.

Legionela

Quanto à mais recente ocorrência, o surto de infecção por legionella com epicentro em instalações fabris de Vila Franca de Xira, existem pelo menos dois tipos de acções que estão sob escrutínio: a avaliação da qualidade do ar interior dos locais de trabalho e a avaliação da higiene dos sistemas de ventilação desses espaços.

Padrão de actuação

Em síntese, é legítimo poder inferir-se que estes três acontecimentos configuram um padrão de actuação, a ausência de uma política de prevenção dos riscos para a saúde humana e, particularmente, de higiene e segurança no trabalho. Tudo somado, é igualmente legítimo afirmar-se que, nestes casos, o desprezo pela conhecida lei de Murphy, em três anos, e em Portugal, foi responsável por uma taxa de mortalidade acumulada de 80/100000 habitantes, que vai muito para além de qualquer consideração estatística que se faça do fenómeno.

Considerando que o governo português tem presente a estratégia de Saúde em Todas as Políticas, fixada em 2006, durante a presidência finlandesa da União Europeia, a qual exige uma estreita colaboração intersectorial e um reforço do papel da saúde pública, e considerando também que deve competir ao ministro da Saúde liderar essa estratégia, foi com perplexidade que assistimos no final do passado dia 14 a uma insólita sessão de propaganda dos ministérios da saúde e do ambiente, transmitida em directo pelas televisões, para iludir as medidas preventivas que não foram tomadas em devido por quem tinha a responsabilidade de as promover.


A confiança na rede hospitalar pública não deve justificar o menosprezo pelo que devia ter sido feito a montante


A confiança na rede hospitalar pública não deve justificar o menosprezo pelo que devia ter sido feito a montante. Não é admissível que, simbolicamente, se transmita aos portugueses a mensagem de que os governantes podem ser negligentes porque há sempre um hospital, há sempre uma equipa de profissionais da Saúde pronta a acolher e a tratar quem adoece naquelas circunstâncias, ficando as responsabilidades políticas por estes acontecimentos sempre por apurar.

Sugestão

Deixo, por isso, uma sugestão ao primeiro-ministro.

Realize um, dois, três, os que forem necessários, conselhos de ministros, para tratar de uma política de prevenção dos riscos para a saúde humana, que comprometa todos os ministros, todos os secretários de estado, todos os diretores-gerais, toda a administração pública, todos os agentes económicos.
Vai ver que é bom, é barato e dá a ganhar milhares de anos potenciais de vida.

*Médico

Entretítulos  da responsabilidade da Redacção


1415661C18114JMA48A

E AINDA

por Teresa Mendes | 20.08.2019

Governo autoriza 22,5 milhões para a nova ala pediátrica

Uma Portaria publicada esta segunda-feira no Diário da República autoriza o Hospital de São João a «...

por Teresa Mendes | 20.08.2019

 «Evidence-based nutrition: da prevenção ao tratamento»

«Evidence-based nutrition: da prevenção ao tratamento» é o tema da conferência Evidência Científica...

por Teresa Mendes | 20.08.2019

Celebrados os 40 anos do SNS 

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) foi criado há 40 anos, tornando o acesso a cuidados de saúde «gera...

por Teresa Mendes | 19.08.2019

Hospital de Évora diminui lista de espera para cirurgia em 15%

O Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) diminuiu em 15% o número de doentes em lista de espera...

por Teresa Mendes | 19.08.2019

 Descoberto novo mecanismo na pele sensível à dor

Investigadores do Karolinska Institutet, Suécia, descobriram um novo mecanismo sensorial na pele cap...

por Teresa Mendes | 19.08.2019

IFDC 2019 decorre de 15 a 18 de outubro, em Lisboa

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa), através do seu Departamento de Alimentaçã...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.