Clínicos gerais com 6 anos de exercício vão poder obter grau de MGF

25.05.2015

Projeto de despacho publicado no Boletim de Trabalho e Emprego
Os clínicos gerais que possuam seis anos de exercício efetivo de prestação de cuidados de saúde globais e continuados a inscritos em lista nominativa, e que têm desenvolvido funções próprias da Medicina Geral e Familiar (MGF) vão poder obter, a título excecional, o grau de especialista.

Pelo menos é o que diz o projeto de despacho (http://simuploads.simedicos.pt/075192846.pdf) publicado no Boletim de Trabalho e Emprego. De acordo com o documento, que está agora em apreciação pública, falta ainda aprovar a formação específica extraordinária para que seja atribuído esse grau de especialista em MGF, indicando o documento que esta regulamentação será publicada no prazo de 60 dias após aprovação do despacho.

Para aprovar a formação específica que os clínicos gerais necessitarão para a equiparação, os ministros das Finanças e da Saúde determinam a criação de um grupo de trabalho composto por representantes designados pelas seguintes entidades: Conselho Nacional do Internato Médico (que coordena), Ordem dos Médicos, Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar e Administração Central do Sistema de Saúde.

O Sindicato Independente dos Médicos, que divulga a iniciativa no seu jornal virtual, sublinha que «desde 2011 que os sindicatos médicos tinham este processo negociado com o Ministério da Saúde, apenas não concretizado pelas vicissitudes políticas e legislativas da época» e mostram «alguma preocupação pela não especificação, desde já, em Despacho do programa formativo, pelo esquecimento das unidades ponderadas para as referências à composição quantitativa das Listas de Utentes e pelo ignorar do papel das Coordenações de Internato de MGF».

15ML22a
25 de Maio de 2015
1522Pub2f15ML22A

Publicada originalmente em www.univas.com 

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Economista Márcia Roque é a nova presidente da ACSS

O Conselho de Ministros (CM) desta quinta-feira nomeou a economista Márcia Roque para presidente do...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

 Portugal tem o maior rácio de médicos de MGF por habitante da UE

Portugal é o país da União Europeia (UE) com a maior taxa de especialistas de Medicina Geral e Famil...

18.01.2019

CHUC lança projeto «H2 – Humanizar o Hospital»

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) lança, no próximo dia 24, o projeto «H2 - Huma...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Daniel Ferro substitui Carlos Martins à frente do CHULN

Daniel Ferro, atual presidente do conselho de administração do Hospital Garcia de Orta, vai substitu...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Centro Hospitalar do Oeste está «refém de prestadores de serviço»

O Centro Hospitalar do Oeste (CHO) é a terceira unidade de saúde do país com maior volume de horas c...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Cancro digestivo mata uma pessoa a cada hora em Portugal

O cancro digestivo mata uma pessoa por hora em Portugal, uma doença que tem vindo a aumentar nos últ...

por Teresa Mendes | 16.01.2019

Governo quer melhorar os Serviços de Urgência

O Governo criou um grupo de trabalho para estudar os diferentes modelos organizativos no funcionamen...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.