Saldo negativo do SNS agrava-se devido a despesa com medicamentos para a hepatite C e com pessoal

26.05.2015

Execução financeira de abril da Direção-Geral do Orçamento
O Serviço Nacional de Saúde apresentou, em abril, um saldo negativo de 176,9 milhões de euros, o que representa uma deterioração de 12,8 milhões de euros face a igual período de 2014. 

De acordo com a execução financeira da Direção-Geral do Orçamento, registou-se, em termos homólogos acumulados, um aumento de 3,2% na despesa e de 2,9% na receita.

A introdução de novos medicamentos para a hepatite C, bem como um aumento das despesas com pessoal foram os fatores que mais contribuíram para o aumento da despesa, que apresentou mais 90,3 milhões de euros face ao período homólogo.

Já o acréscimo da receita em 77,5 milhões de euros decorre do aumento das transferências provenientes do Orçamento do Estado (101,7 milhões de euros), parcialmente compensado pela diminuição de outras receitas, onde se incluem os rendimentos de propriedade.

Os pagamentos em atraso das entidades públicas registaram uma diminuição de 19 milhões de euros face ao mês anterior, situando-se em 1.476 milhões de euros.

Para esta redução contribuíram sobretudo a Administração Regional e a Administração Local, diz o relatório.

15ML22e
26 de Maio de 2015
1522Pub3f15ML22E

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.05.2019

Apenas um quarto dos médicos consegue conciliar carreira com vida familiar

A grande maioria dos médicos que trabalha no Serviço Nacional de Saúde (73%) não consegue conciliar...

22.05.2019

 Infarmed conclui processos de financiamento para 22 novos fármacos

 A conclusão de processos de financiamento relativos a novos medicamentos (novas substâncias ativas...

22.05.2019

Fundadores do Observatório de Saúde António Arnaut  defendem transparência

O coordenador do Observatório de Saúde António Arnaut (OSAA) defendeu esta terça-feira, em Coimbra,...

por Teresa Mendes | 22.05.2019

 Encargos com as PPP da saúde aumentaram quase 30%

Os encargos líquidos com parcerias público-privadas (PPP) subiram 5% nos primeiros seis meses de 201...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

Taxas de cesariana e de mortalidade materna e perinatal são os temas mais p...

Diogo Ayres de Campos, diretor do Serviço de Obstetrícia do Hospital de Santa Maria (Centro Hospital...

21.05.2019

Porto quer ser «Cidade Sem Sida» até 2020

 A Câmara Municipal do Porto e 22 instituições assinaram esta segunda-feira, dia 20 de maio, o proto...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.