Ao redor do Taj Mahal e o Relatório da Primavera

por Andreia Vieira | 16.06.2015

Um contraste e a necessidade de também «abrir o ângulo»
Uma das imagens mais fortes que retenho na memória é a de um contraste.
O contraste entre um dos monumentos mais belos que já visitei – o Taj Mahal – e a área que o circunda: um terreno baldio imenso, sujo, repleto de desesperança, abandono e lixo.

Esta imagem voltou a ressurgir em mim quando um destes dias vi um artigo que falava precisamente sobre a vizinhança dos maiores monumentos do mundo.
Dizia-se no artigo – ilustrado com fotos adequadas – que «abrir o ângulo pode fazer a diferença».

E aí voltei a encontrar o Taj Mahal exatamente como este é, ou seja, rodeado da fealdade que não aparece nos postais ilustrados. Disto tudo me lembrei hoje, a propósito do Relatório de Primavera 2015, realizado pelo Observatório Português dos Sistemas de Saúde (OPSS).

Porque para percebermos o contexto de uma realidade há que fazer a tal abertura de ângulo e procurar vislumbrar o que reside nas margens do rio magnífico ou nas traseiras do monumento famoso.

Há que perscrutar o sentir das pessoas que habitam o lugar e perceber-lhes as fragilidades e necessidades. Este ano, o Observatório dedicou-se sobretudo às questões do acesso à saúde, sendo que num dos capítulos aborda a situação das «pessoas dependentes no autocuidado». As conclusões a que chega não podem deixar-nos sossegados.

População envelhecida

Numa população envelhecida como a nossa – e em vias de envelhecer ainda mais, com consequências imprevisíveis – ficamos a saber que existem atualmente cerca de 50 mil pessoas acamadas a viver em casa. Quem nunca cuidou de uma pessoa acamada poderá pensar que isto é apenas um número.
Mas não é.

Ficamos a saber que existem atualmente (em Portugal) cerca de 50 mil pessoas acamadas a viver em casa. Quem nunca cuidou de uma pessoa acamada poderá pensar que isto é apenas um número. Mas não é

Como todos os números, este encerra em si um mundo de implicações, a que muito dificilmente se acede a partir de uma secretária ou de uma folha de excel.
Este número significa, por exemplo, que cerca de 50 mil outras pessoas serão cuidadoras daquelas. Vislumbramos aqui, imediatamente, uma espécie de jogo de reflexos de proporções incalculáveis.
Daqueles que é melhor não olhar.
Para não ver.

Nove anos depois de ter sido criada, a Rede Nacional de Cuidados Continuados e Integrados (RNCCI), não dá resposta a mais do que cerca de 30% das necessidades da população. Lê-se no documento que «as estruturas da Rede vocacionadas para prestarem cuidados em casa das pessoas (ECCI) são as que menos têm crescido, as que menos recebem referenciação e as que estão subocupadas em todo o país, apesar de serem mais acessíveis, quer do ponto de vista financeiro, quer de distância.»

  Lê-se ainda que as pessoas que cuidam dos acamados se «percecionam menos competentes no exercício das funções relacionadas com o posicionamento do doente na cama e com a transferência do doente entre a cama e uma cadeira».

Depois das conclusões do recente estudo da OCDE, divulgados como muito favoráveis para a qualidade da saúde em Portugal, o Relatório da Primavera vem ajudar a fazer o que também é necessário: abrir o ângulo

O que é o mesmo que dizer que estes acamados vão ficando, por força das circunstâncias, ainda mais dependentes. Diz-nos o Observatório que há fatores a perturbar a equidade no acesso dos doentes dependentes acamados, «sendo uns referenciados para a RNCCI e outros não». Acrescendo ainda «desigualdades regionais marcadas».

Abrir o ângulo

O envelhecimento da população é o que temos de mais certo em Portugal, a não ser que um milagre da multiplicação – dos bebés, não dos pães – venha a acontecer.

Catedráticos, oradores, especialistas de toda a espécie, alertam-nos diariamente para o problema.

Depois das conclusões do recente estudo da OCDE, divulgados como muito favoráveis para a qualidade da saúde em Portugal, o Relatório da Primavera vem ajudar a fazer o que também é necessário: abrir o ângulo.

Para que se perceba o que está oculto nas traseiras do monumento.

Andreia Vieira

16 de Junho de 2015

1525Ant3f15ABV25A

Pagelas:

 
 

 

E AINDA

por Teresa Mendes | 11.12.2019

 Secretário de Estado louva o que de «bom, ótimo e excelente» se faz no HSM

No 65.º aniversário do Hospital de Santa Maria (HSM), o secretário de Estado da Saúde elogiou o que...

11.12.2019

Médicos e administradores defendem estratégia nacional para a Medicina de P...

Portugal precisa de uma estratégia nacional para a Medicina de Precisão, defendem administradores ho...

por Teresa Mendes | 11.12.2019

 E que tal fazer deste Natal… um «Natal Diferente»?

As associações de estudantes da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL) e da Faculdad...

por Teresa Mendes | 11.12.2019

3.º Fórum do Conselho Nacional de Saúde decorre a 16 de dezembro

O Conselho Nacional de Saúde (CNS) organiza, no próximo dia 16 de dezembro, no Auditório António de...

por Teresa Mendes | 10.12.2019

 Ordem lamenta que ministra esconda realidade do Algarve

Em resposta às declarações da ministra da Saúde, que na passada sexta-feira disse, na sequência dos...

por Teresa Mendes | 10.12.2019

 Risco de queda passa a ser avaliado em todos os doentes internados

Por proposta conjunta do Departamento da Qualidade na Saúde, da Ordem dos Médicos e da Ordem dos Enf...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.