SNS regista saldo negativo de 28 milhões de euros em junho

por Teresa Mendes | 27.07.2015

Execução orçamental divulgada pela DGO
O Serviço Nacional de Saúde (SNS) registou, em junho, um saldo negativo de 28 milhões de euros, representando uma melhoria de 40,7 milhões de euros face a igual período de 2014.

De acordo com a execução orçamental publicada pela Direção-Geral do Orçamento (DGO) houve um aumento de 1,2% na despesa, bem como de 2,2% na receita.

Segundo o documento, o aumento na despesa ficou a dever-se às compras de produtos farmacêuticos (6,7%), resultado, maioritariamente, da introdução de novos medicamentos para hepatite C, às despesas com pessoal (2,2%), refletindo quer o efeito de base de 2014, que não incorporava ainda o impacto decorrente das decisões do Tribunal Constitucional, quer a reposição de 20% dos cortes salariais no ano de 2015 e aos fornecimentos e serviços externos (0,8%), onde se destacou o aumento em meios complementares de diagnóstico e terapêutica (5%). 

Já o aumento na receita resultou principalmente do acréscimo das transferências provenientes do Orçamento do Estado (3,4%) e, em menor grau, das receitas próprias provenientes das taxas moderadoras (10,4%) e dos jogos sociais (13,4%). Em sentido contrário contribuíram as vendas de bens e serviços correntes (-4,4%) e as outras receitas (-31,5%), onde se incluem os rendimentos de propriedade.

O Serviço Nacional de Saúde registou, em junho, um saldo negativo de 28 milhões de euros

Os pagamentos em atraso das entidades públicas registaram no primeiro semestre de 2015 uma redução de 135 milhões de euros, para a qual contribuíram a Administração Local (-109 milhões de euros), os hospitais EPE (-41 milhões de euros) e a Administração Regional (-16 milhões de euros). 

Em sentido contrário evoluíram os pagamentos em atraso do subsetor da Saúde (+13 milhões de euros) e da Administração Central (+6 milhões de euros).

15tm31a
 27 de Julho de 2015
1531Pub15TM31A


Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

21.09.2018

Fátima Carneiro é a patologista mais influente do mundo

Fátima Carneiro foi eleita a patologista mais influente do mundo.<br /> A professora da Faculdade d...

por Teresa Mendes | 21.09.2018

7.ª Reunião da Vigilância Epidemiológica da Gripe em Portugal

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa), em colaboração com a Direção-Geral da Saú...

por Teresa Mendes | 21.09.2018

 «Acesso à saúde é caro e tem de ser pago», alerta Teodora Cardoso

A presidente do Conselho das Finanças Públicas (CFP) alertou esta quinta-feira para a necessidade do...

por Teresa Mendes | 21.09.2018

Governo vai dar autonomia a um quarto dos hospitais em 2019

Em 2019, o Governo vai dar autonomia a um quarto dos hospitais portugueses, que passarão a poder rec...

por Teresa Mendes | 20.09.2018

 Portugueses têm «importantes lacunas no conhecimento sobre a doença cardio...

Um estudo publicado na mais recente edição da Revista Portuguesa de Cardiologia conclui que existem...

20.09.2018

 CE aprova Keytruda® em combinação com pemetrexedo e quimioterapia como 1.ª...

A MSD anunciou que a Comissão Europeia (CE) aprovou pembrolizumab (Keytruda®) em combinação com peme...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.