Urgência não pode ser a única porta de entrada nos hospitais

por Teresa Mendes | 21.10.2015

1.º Congresso Nacional da Urgência tenta apontar soluções para os serviços de urgência nacionais
A utilização excessiva dos Serviços de Urgência por doentes sem gravidade «é um dos principais desafios dos internistas nas Urgências, porque coloca em causa a eficiência das vias verdes prioritárias, como trauma, coronária, sépsis  e AVC», afirma o Núcleo de Estudos de Urgência e do Doente Agudo (NEUrgMI) da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI) em comunicado. Este será precisamente um dos temas em debate no 1.º Congresso Nacional da Urgência, que acontece nos próximos dias 24 e 25 de outubro, no Hotel Vida Mar, Funchal.

Maria da Luz Brazão, internista e responsável pela coordenação do congresso afirma que «os poderes públicos continuam a achar que a Urgência é a única porta dos hospitais, em vez de investirem em portas alternativas», acrescentando que «não há solução para este problema que não passe pelo desvio do excesso de afluência para outros serviços».

A coordenadora desta reunião sublinha que «não existe um pensamento estratégico que permita o planeamento e a colocação em prática de operações de direcionamento de doentes afetados por condições epidemiologicamente previsíveis», o que contribui para a sobrelotação dos Serviços de Urgência que marcou o inverno passado e já se fez sentir em Lisboa neste outono.

Para colmatar a falta de planeamento, Maria da Luz Brazão salienta a importância de reabrir os serviços de atendimento permanente (SAP) assim que começar o surto da gripe. 

Por outro lado, os serviços de internamento deverão aumentar a sua dinâmica com vista à utilização acrescida das áreas de ambulatório hospitalar – consultas, unidades de diagnóstico rápido, hospital de dia, unidades de internamento curto – «para acrescentar mais vagas para doentes mais graves, retirando muitos doentes do ambiente da Urgência», acrescenta.

A utilização excessiva dos Serviços de Urgência por doentes sem gravidade será uma dos temas em debate no 1.º Congresso Nacional da Urgência, que acontece nos próximos dias 24 e 25 de outubro, no Hotel Vida Mar, Funchal 

A coordenadora vê este primeiro congresso como uma oportunidade para que os internistas discutam de forma positiva soluções que permitam iniciar uma revolução na vida dos Serviços de Urgência, avançando a responsável que «as conclusões a extrair do congresso serão apresentadas a entidades de direção máxima na área da saúde em Portugal, para que haja uma pressão construtiva sobre os planeadores centrais e institucionais».

O programa pode ser consultado aqui

15tm43l
 21 de Outubro de 2015
1543Pub4f15TM43L

Publicada originalmente em www.univadis.pt

COMENTÁRIOS

José Manuel Antunes

1309 dias atrás

Assunto com vinte anos. E para mais vinte...

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.05.2019

Apenas um quarto dos médicos consegue conciliar carreira com vida familiar

A grande maioria dos médicos que trabalha no Serviço Nacional de Saúde (73%) não consegue conciliar...

22.05.2019

 Infarmed conclui processos de financiamento para 22 novos fármacos

 A conclusão de processos de financiamento relativos a novos medicamentos (novas substâncias ativas...

22.05.2019

Fundadores do Observatório de Saúde António Arnaut  defendem transparência

O coordenador do Observatório de Saúde António Arnaut (OSAA) defendeu esta terça-feira, em Coimbra,...

por Teresa Mendes | 22.05.2019

 Encargos com as PPP da saúde aumentaram quase 30%

Os encargos líquidos com parcerias público-privadas (PPP) subiram 5% nos primeiros seis meses de 201...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

Taxas de cesariana e de mortalidade materna e perinatal são os temas mais p...

Diogo Ayres de Campos, diretor do Serviço de Obstetrícia do Hospital de Santa Maria (Centro Hospital...

21.05.2019

Porto quer ser «Cidade Sem Sida» até 2020

 A Câmara Municipal do Porto e 22 instituições assinaram esta segunda-feira, dia 20 de maio, o proto...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.