ARS Algarve inicia projeto inovador na área de Oncologia em janeiro

por Teresa Mendes | foto de "DR" | 17.12.2015

Novo centro de triagem oncológico pretende reduzir tempo de resposta à primeira consulta
 
A Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve, através do seu Agrupamento de Centros de Saúde (Aces) Central, em colaboração com o Centro Hospitalar do Algarve (CHA), vão juntar-se para implementar um projeto inovador na área da Oncologia, nesta região, informa o Portal da Saúde.

«O objetivo é reduzir o tempo de resposta à primeira consulta, aumentar a satisfação dos utentes e melhorar o estadiamento no diagnóstico», revela a informação. 

As soluções apresentadas pelas três entidades passam pela «criação de um Centro de Triagem Oncológico no CHA, um canal de entrada no hospital com “rosto humano” que vai garantir a previsibilidade de resposta e o acesso à informação por todos os intervenientes», e «pela implementação de um processo de acompanhamento integrado oncológico».

Numa fase inicial deste projeto, que decorrerá no início de 2016, «vamos abranger o Agrupamento de Centros de Saúde Central (Concelhos de Faro, Loulé, Olhão, Albufeira e São Brás de Alportel) com tendência a ir alargando o projeto aos restantes serviços de toda a Região», realçou João Moura Reis, presidente do conselho diretivo da ARS Algarve na apresentação pública da iniciativa projeto. 

«Trata-se de uma reformulação da parte da assistência prestada pelas equipas multidisciplinares envolvidas nestas situações, que continuarão a prestar os mesmos serviços que já têm, mas com uma melhor organização.

Os utentes vão ter acesso a uma primeira consulta no prazo máximo de uma semana, após a deteção dos primeiros sinais da doença», explicou o dirigente.

Segundo João Moura Reis, «os utentes vão ter acesso a uma primeira consulta no prazo máximo de uma semana, após a deteção dos primeiros sinais da doença» Novo centro de triagem oncológico pretende reduzir tempo de resposta à primeira consulta 

O projecto foi apresentado publicamente, no dia 10 de dezembro de 2015, no âmbito do «V Workshop Boas Práticas de Governação - Caminhos para a Humanização», organizado pela  Novartis, em Oeiras.
Trata-se de um projeto inédito a nível nacional, da ARS Algarve, que tem como objetivos melhorar a organização e a comunicação entre os cuidados de saúde primários e hospitalares, reduzir o tempo de marcação da primeira consulta de oncologia, aumentar a satisfação dos utentes e melhorar o estadiamento no diagnóstico da neoplasia.

Visa-se ainda « aumentar o grau de confiança do utente nos serviços com um seguimento integrado em todas as fases da doença».

Mais informações disponíveis aqui

15tm51r 
17 de Dezembro de 2015
1551Pub5f15TM51R

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

19.06.2019

Texto da nova Lei de Bases da Saúde fica sem referências às PPP

O grupo de trabalho que discute a nova Lei de Bases da Saúde no Parlamento chumbou esta terça-feira...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Na saúde não chega fazer muito... tem que se fazer bem»

«O sistema de saúde é complexo e não pode ser objeto de intervenções pouco pensadas, sujeitas a imed...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pinto conta com mais de 100 candi...

São mais de 100 as candidaturas recebidas pelo comité da 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pi...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Beyond Cervical Cancer» é o mote do «HPV Clinical Cases»

A MSD Portugal está a promover o «HPV Clinical Cases», uma iniciativa que tem como objetivo «reunir,...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

Aumento da mortalidade materna e infantil são reflexo da falta de especiali...

A Ordem dos Médicos (OM) defende a necessidade de alterar urgentemente a forma e os prazos dos concu...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

 Candidaturas ao Prémio Nacional de Saúde 2019 abertas até 30 de junho

Decorrem, até 30 de junho, as candidaturas Prémio Nacional de Saúde 2019.<br /> Este galardão atrib...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.