MSD apresenta novos dados da terapêutica Keytruda® na Reunião Anual da American Association for Cancer Research

foto de "DR" | 21.06.2016

Em monoterapia e em combinação terapêutica em diversos tipos de cancro
A MSD anunciou, na Reunião Anual da American Association for Cancer Research (AACR), que decorreu em abril nos Estados Unidos, novos dados relativos à utilização de Keytruda® (pembrolizumab), a terapêutica anti-PD-1 da companhia, em diversos tipos de cancro, tanto em monoterapia como em combinação com outras terapêuticas. 

«Os dados apresentados à AACR reforçam o nosso compromisso em estudar os efeitos da terapêutica com pembrolizumab em diversos tipos de tumor e num conjunto diverso de circunstâncias de modo a desvendar todo o seu potencial para melhorar o controlo da doença a longo-prazo e aumentar a sobrevivência dos doentes oncológicos.

Enquanto líder em Imuno-Oncologia, a MSD continua a acelerar e expandir o seu programa de desenvolvimento clínico com o objetivo de fornecer aos profissionais de saúde os dados necessários para compreender o papel do pembrolizumab numa grande quantidade de cancros», afirma Eric Rubin, vice-presidente e responsável pela Área Terapêutica de Desenvolvimento Oncológico em Fase Precoce nos Laboratórios de Investigação MSD.

De acordo com um press release da companhia, «o programa de investigação clínica do Keytruda® inclui hoje mais de 250 ensaios clínicos em mais de 30 tipos diferentes de tumores, incluindo mais de 100 ensaios clínicos que combinam pembrolizumab com outras terapêuticas».

Para além disso, destaca o comunicado, «mais de 30 ensaios realizados para obtenção do registo que avaliam o potencial de pembrolizumab, em monoterapia e combinação, estão atualmente a recrutar doentes com cancro da bexiga, mama, coloretal, esófago, gástrico, cabeça e pescoço, linfoma de Hodgkin, melanoma, mieloma múltiplo, carcinoma do pulmão de células não pequenas, entre outros, com mais ensaios planeados para outros tipos de cancro».

A MSD anunciou, na Reunião Anual da American Association for Cancer Research (AACR), novos dados relativos à utilização de Keytruda® (pembrolizumab), a terapêutica anti-PD-1 da companhia, em diversos tipos de cancro, tanto em monoterapia como em combinação com outras terapêuticas 

Muitos destes ensaios «estão a ser comparticipados pelo National Cancer Institute dos Estados Unidos da América, através de um acordo de investigação e desenvolvimento cooperativo com a MSD».

16tm25f
21 de Junho de 2016
1625Pub3f16tm25F

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.11.2019

 Luís Filipe Macedo é o novo diretor do Programa para as Doenças Cérebro-ca...

Luís Filipe Macedo, assistente hospitalar graduado sénior em Cardiologia do Centro Hospitalar Univer...

por Teresa Mendes | 18.11.2019

 Cuidados continuados com melhor resposta em 2018

Em 2018 registou-se um reforço no número de lugares de internamento nos cuidados continuados, com um...

por Teresa Mendes | 18.11.2019

 Entregues galardões das 63.ª edição dos Prémios Pfizer

Os avanços nas áreas do autismo e do cancro da mama foram distinguidos na 63.ª edição dos Prémios Pf...

por Teresa Mendes | 18.11.2019

 Ordem e sindicatos contra obrigatoriedade da permanência no setor público

O tema não é novo. No Programa do Governo já estava inscrita a «adoção de novos modelos de organizaç...

15.11.2019

Existem enormes disparidades na disponibilização dos fármacos inovadores

Há hospitais portugueses que chegam a demorar até quatro meses a disponibilizar medicamentos inovado...

por Teresa Mendes | 15.11.2019

 Lítio pode reverter os danos da radiação após o tratamento de tumores cere...

É sabido que as crianças que receberam radioterapia para um tumor cerebral podem vir a desenvolver p...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.