CNECV concorda com sinalética para doentes infetados desde que não sejam revelados dados confidenciais 

por Teresa Mendes | 13.07.2016

Proposta tem como objetivo diminuir o risco de transmissibilidade intra-hospitalar das infeções
O Conselho Nacional de Ética e Ciências da Vida (CNECV) entende, num parecer publicado na sua página online, que «não existe objeção ética ao uso de sinalética» nos quartos ou unidades de tratamento de doentes infetados, desde que não sejam revelados dados de saúde confidenciais. 

O parecer surge na sequência do pedido enviado pela Direção do Programa de Prevenção e Controlo de Infeção e resistências aos Antimicrobianos (PPCIRA), da Direção-Geral de Saúde, sobre a necessidade de sinalética no quarto ou unidade de tratamento do doente com infeção adquirida em ambiente hospitalar, no sentido de alertar os profissionais de saúde que lhe prestam cuidados, assim como os familiares e os visitantes para as medidas de carácter preventivo recomendadas, com o objetivo de diminuir o risco de transmissibilidade intra-hospitalar das infeções. 

O Conselho Nacional salienta que o uso de uma sinalética de alertas sobre o modo de transmissão de infeções cruzadas, tendo como objetivo diminuir o seu risco de transmissibilidade cruzada, «reforça a adoção de comportamentos preventivos por parte dos profissionais de saúde, das pessoas internadas e dos seus visitantes».

Contudo, sublinha o documento, «a sinalética não dispensa, por parte dos profissionais de saúde, a adoção dos comportamentos recomendados pelas leges artis, nem dispensa a garantia de que serão disponibilizadas condições adequadas a cada caso, por parte dos responsáveis clínicos e de gestão».

O CNECV adverte que a informação associada ao tipo de sinalética usada nos quartos ou unidades de tratamento de doentes infetados «não pode, em circunstância alguma, revelar dados de saúde confidenciais das pessoas internadas» 

Por outro lado, adverte o CNECV, a informação associada ao tipo de sinalética usada «não pode, em circunstância alguma, revelar dados de saúde confidenciais das pessoas internadas». 

O parecer pode ser consultado aqui

16tm28l
13 de Julho de 2016
1628Pub4f16tm28L

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 16.09.2019

 Profissionais estão a «deixar de acreditar nesta forma única de organizaçã...

Prestes a iniciar o quarto trimestre de 2019, altura em que deveria estar a ser realizada a transiçã...

16.09.2019

 «Queremos que o hospital saia de portas»

O Governo quer alargar a hospitalização domiciliária a todos os hospitais do Serviço Nacional de Saú...

16.09.2019

Bastonária da OE chama Miguel Guimarães para ser ouvido no caso da sindicân...

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE), Ana Rita Cavaco, quer incluir, como testemunhas, o ex-mi...

por Teresa Mendes | 16.09.2019

 1.ª Edição Hot Topics em Hepatologia

Vai decorrer, no dia 11 de outubro, na Ordem dos Médicos, em Vila Real, a 1.ª edição dos Hot Topics...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

Pela primeira vez em seis meses, a dívida à Indústria Farmacêutica diminuiu

Pela primeira vez em seis meses, o valor da dívida dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS)...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

Ordem celebra 80 anos com coleção de fac-similadas de autores médicos

 A Ordem dos Médicos (OM) convida todos os profissionais a vir conhecer, na próxima segunda-feira, d...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

 Literacia em Saúde: DGS lança Manual para capacitação dos profissionais

No âmbito do Plano de Ação para a Literacia em Saúde 2019/2012, a Direção-Geral da Saúde (DGS) lanço...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

 Demitem-se dez chefes de equipa de urgência do Hospital Garcia de Orta

Demitiram-se dez chefes de equipa de urgência do Hospital Garcia de Orta, em Almada, segundo a Socie...

por Teresa Mendes | 12.09.2019

 SPP recomenda aos médicos que reportem os casos suspeitos em Portugal

A Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) recomenda aos médicos que passem a comunicar os casos de...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.