CNECV concorda com sinalética para doentes infetados desde que não sejam revelados dados confidenciais 

por Teresa Mendes | 13.07.2016

Proposta tem como objetivo diminuir o risco de transmissibilidade intra-hospitalar das infeções
O Conselho Nacional de Ética e Ciências da Vida (CNECV) entende, num parecer publicado na sua página online, que «não existe objeção ética ao uso de sinalética» nos quartos ou unidades de tratamento de doentes infetados, desde que não sejam revelados dados de saúde confidenciais. 

O parecer surge na sequência do pedido enviado pela Direção do Programa de Prevenção e Controlo de Infeção e resistências aos Antimicrobianos (PPCIRA), da Direção-Geral de Saúde, sobre a necessidade de sinalética no quarto ou unidade de tratamento do doente com infeção adquirida em ambiente hospitalar, no sentido de alertar os profissionais de saúde que lhe prestam cuidados, assim como os familiares e os visitantes para as medidas de carácter preventivo recomendadas, com o objetivo de diminuir o risco de transmissibilidade intra-hospitalar das infeções. 

O Conselho Nacional salienta que o uso de uma sinalética de alertas sobre o modo de transmissão de infeções cruzadas, tendo como objetivo diminuir o seu risco de transmissibilidade cruzada, «reforça a adoção de comportamentos preventivos por parte dos profissionais de saúde, das pessoas internadas e dos seus visitantes».

Contudo, sublinha o documento, «a sinalética não dispensa, por parte dos profissionais de saúde, a adoção dos comportamentos recomendados pelas leges artis, nem dispensa a garantia de que serão disponibilizadas condições adequadas a cada caso, por parte dos responsáveis clínicos e de gestão».

O CNECV adverte que a informação associada ao tipo de sinalética usada nos quartos ou unidades de tratamento de doentes infetados «não pode, em circunstância alguma, revelar dados de saúde confidenciais das pessoas internadas» 

Por outro lado, adverte o CNECV, a informação associada ao tipo de sinalética usada «não pode, em circunstância alguma, revelar dados de saúde confidenciais das pessoas internadas». 

O parecer pode ser consultado aqui

16tm28l
13 de Julho de 2016
1628Pub4f16tm28L

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

15.11.2019

Existem enormes disparidades na disponibilização dos fármacos inovadores

Há hospitais portugueses que chegam a demorar até quatro meses a disponibilizar medicamentos inovado...

por Teresa Mendes | 15.11.2019

 Lítio pode reverter os danos da radiação após o tratamento de tumores cere...

É sabido que as crianças que receberam radioterapia para um tumor cerebral podem vir a desenvolver p...

por Teresa Mendes | 15.11.2019

 Apifarma celebra 80 anos com a presença da ministra da Saúde

As associações Alzheimer Portugal, de Apoio aos Traumatizados Crânio-Encefálicos e Suas Famílias, de...

por Teresa Mendes | 15.11.2019

«Esperança» é a protagonista da nova campanha da Pulmonale

O cancro do pulmão é um dos tumores malignos que mais mata. Contudo, é também um dos que mais tem be...

por Teresa Mendes | 14.11.2019

«A maior urgência do país não pode fechar», diz bastonário

Após uma visita esta quarta-feira ao hospital de Santa Maria, o bastonário da Ordem dos Médicos (OM)...

por Teresa Mendes | 14.11.2019

Infarmed alarga leque de fármacos com limitações à exportação

O Infarmed atualizou esta quarta-feira a lista de medicamentos abrangidos pela notificação prévia de...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.