CNECV concorda com sinalética para doentes infetados desde que não sejam revelados dados confidenciais 

por Teresa Mendes | 13.07.2016

Proposta tem como objetivo diminuir o risco de transmissibilidade intra-hospitalar das infeções
O Conselho Nacional de Ética e Ciências da Vida (CNECV) entende, num parecer publicado na sua página online, que «não existe objeção ética ao uso de sinalética» nos quartos ou unidades de tratamento de doentes infetados, desde que não sejam revelados dados de saúde confidenciais. 

O parecer surge na sequência do pedido enviado pela Direção do Programa de Prevenção e Controlo de Infeção e resistências aos Antimicrobianos (PPCIRA), da Direção-Geral de Saúde, sobre a necessidade de sinalética no quarto ou unidade de tratamento do doente com infeção adquirida em ambiente hospitalar, no sentido de alertar os profissionais de saúde que lhe prestam cuidados, assim como os familiares e os visitantes para as medidas de carácter preventivo recomendadas, com o objetivo de diminuir o risco de transmissibilidade intra-hospitalar das infeções. 

O Conselho Nacional salienta que o uso de uma sinalética de alertas sobre o modo de transmissão de infeções cruzadas, tendo como objetivo diminuir o seu risco de transmissibilidade cruzada, «reforça a adoção de comportamentos preventivos por parte dos profissionais de saúde, das pessoas internadas e dos seus visitantes».

Contudo, sublinha o documento, «a sinalética não dispensa, por parte dos profissionais de saúde, a adoção dos comportamentos recomendados pelas leges artis, nem dispensa a garantia de que serão disponibilizadas condições adequadas a cada caso, por parte dos responsáveis clínicos e de gestão».

O CNECV adverte que a informação associada ao tipo de sinalética usada nos quartos ou unidades de tratamento de doentes infetados «não pode, em circunstância alguma, revelar dados de saúde confidenciais das pessoas internadas» 

Por outro lado, adverte o CNECV, a informação associada ao tipo de sinalética usada «não pode, em circunstância alguma, revelar dados de saúde confidenciais das pessoas internadas». 

O parecer pode ser consultado aqui

16tm28l
13 de Julho de 2016
1628Pub4f16tm28L

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.04.2019

Pneumonia: Mais de 50% dos doentes de risco não são aconselhados a vacinar-...

A pneumonia mata, em média, 23 pessoas por dia nos hospitais portugueses, mais do dobro da média eur...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

Ministério da Saúde pede sindicância à Ordem dos Enfermeiros

A ministra da Saúde, Marta Temido, pediu à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) para realiz...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

 «Suspeição intolerável» 

 A ministra da Saúde, Marta Temido, considera uma «suspeição intolerável» do bastonário da Ordem dos...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

 SESARAM continua a não registar assiduidade dos seus trabalhadores

Uma auditoria do Tribunal de Contas (TC) revelou, esta terça-feira, que o Serviço de Saúde da Região...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Encontro internacional debate futuro do envelhecimento<br />  

A Academia Nacional de Medicina de Portugal (ANMP), o Science Advice for Policy by European Academie...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Manifesto da EFPIA reforça os benefícios das vacinas

«Construir uma Europa mais Saudável» é o título do manifesto criado pela Vaccines Europe, o grupo es...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.