Celecoxib e AINE, mesmo risco cardiovascular

17.10.2016

Estudo SCOT
No estudo SCOT, conduzido nos cuidados primários de três países europeus (Reino Unido, Dinamarca e Holanda), em doentes com osteoartrose e artrite reumatóide e sem doença cardiovascular conhecida, a substituição de AINE (diclofenac ou ibuprofeno) por celecoxib não trouxe qualquer benefício aos doentes.
Os eventos cardiovasculares foram raros e semelhantes entre os dois grupos.

«O nosso estudo sugere que, para doentes sem história de doença cardiovascular, é provavelmente seguro prescrever muitos dos AINE disponíveis», disse a investigadora Isla Mackenzie (Universidade de Dundee, Escócia, Reino Unido), ao heartwire. «A decisão de utilizar estes fármacos dependerá sempre da relação risco-benefício em termos de controlo dos sintomas e possíveis riscos de eventos adversos».

No ensaio clínico (n = 7297), cujos resultados foram publicados online no passado dia 4 pelo European Heart Journal, 249 doentes sofreram 278 eventos cardiovasculares (hospitalização por enfarte do miocárdio não-fatal ou outra síndrome coronária aguda, AVC não-fatal ou morte cardiovascular) – 1,4 por 100 doentes-anos tratados com celecoxib e 1,10 por 100 doentes-anos tratados com AINE (análise por intenção de tratar). Mais de metade dos doentes do grupo celecoxib abandonou o tratamento contra 30,2% do grupo AINE.

«O nosso estudo sugere que, para doentes sem história de doença cardiovascular, é provavelmente seguro prescrever muitos dos AINE disponíveis», disse a investigadora Isla Mackenzie 

No grupo celecoxib, 23,3% referiram falta de eficácia e 17,3% eventos adversos vs 0,7% e 14,1%, respetivamente. Ocorreram mais eventos adversos não-graves no grupo celecoxib (22% vs 16,1% com AINE).
Na análise por protocolo, morreram 35 doentes do grupo celecoxib e 41 do grupo AINE.

Por intenção de tratar, estes números foram de 99 e 111, respetivamente.

«A estratégia de reduzir a prescrição de AINE levou a que muitos doentes passassem a tomar opiáceos.
Nos EUA, isto criou muitos problemas. Os AINE parecem seguros, pelo menos nos doentes sem doença cardiovascular», disse o investigador principal do estudo, Thomas MacDonald (Universidade de Dundee), ao heartwire.

16JPO43B
17 de Outubro de 2016
1642Pub2f16JPO43B

E AINDA

19.06.2019

Texto da nova Lei de Bases da Saúde fica sem referências às PPP

O grupo de trabalho que discute a nova Lei de Bases da Saúde no Parlamento chumbou esta terça-feira...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Na saúde não chega fazer muito... tem que se fazer bem»

«O sistema de saúde é complexo e não pode ser objeto de intervenções pouco pensadas, sujeitas a imed...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pinto conta com mais de 100 candi...

São mais de 100 as candidaturas recebidas pelo comité da 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pi...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Beyond Cervical Cancer» é o mote do «HPV Clinical Cases»

A MSD Portugal está a promover o «HPV Clinical Cases», uma iniciativa que tem como objetivo «reunir,...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

Aumento da mortalidade materna e infantil são reflexo da falta de especiali...

A Ordem dos Médicos (OM) defende a necessidade de alterar urgentemente a forma e os prazos dos concu...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

 Candidaturas ao Prémio Nacional de Saúde 2019 abertas até 30 de junho

Decorrem, até 30 de junho, as candidaturas Prémio Nacional de Saúde 2019.<br /> Este galardão atrib...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.