Celecoxib e AINE, mesmo risco cardiovascular

17.10.2016

Estudo SCOT
No estudo SCOT, conduzido nos cuidados primários de três países europeus (Reino Unido, Dinamarca e Holanda), em doentes com osteoartrose e artrite reumatóide e sem doença cardiovascular conhecida, a substituição de AINE (diclofenac ou ibuprofeno) por celecoxib não trouxe qualquer benefício aos doentes.
Os eventos cardiovasculares foram raros e semelhantes entre os dois grupos.

«O nosso estudo sugere que, para doentes sem história de doença cardiovascular, é provavelmente seguro prescrever muitos dos AINE disponíveis», disse a investigadora Isla Mackenzie (Universidade de Dundee, Escócia, Reino Unido), ao heartwire. «A decisão de utilizar estes fármacos dependerá sempre da relação risco-benefício em termos de controlo dos sintomas e possíveis riscos de eventos adversos».

No ensaio clínico (n = 7297), cujos resultados foram publicados online no passado dia 4 pelo European Heart Journal, 249 doentes sofreram 278 eventos cardiovasculares (hospitalização por enfarte do miocárdio não-fatal ou outra síndrome coronária aguda, AVC não-fatal ou morte cardiovascular) – 1,4 por 100 doentes-anos tratados com celecoxib e 1,10 por 100 doentes-anos tratados com AINE (análise por intenção de tratar). Mais de metade dos doentes do grupo celecoxib abandonou o tratamento contra 30,2% do grupo AINE.

«O nosso estudo sugere que, para doentes sem história de doença cardiovascular, é provavelmente seguro prescrever muitos dos AINE disponíveis», disse a investigadora Isla Mackenzie 

No grupo celecoxib, 23,3% referiram falta de eficácia e 17,3% eventos adversos vs 0,7% e 14,1%, respetivamente. Ocorreram mais eventos adversos não-graves no grupo celecoxib (22% vs 16,1% com AINE).
Na análise por protocolo, morreram 35 doentes do grupo celecoxib e 41 do grupo AINE.

Por intenção de tratar, estes números foram de 99 e 111, respetivamente.

«A estratégia de reduzir a prescrição de AINE levou a que muitos doentes passassem a tomar opiáceos.
Nos EUA, isto criou muitos problemas. Os AINE parecem seguros, pelo menos nos doentes sem doença cardiovascular», disse o investigador principal do estudo, Thomas MacDonald (Universidade de Dundee), ao heartwire.

16JPO43B
17 de Outubro de 2016
1642Pub2f16JPO43B

E AINDA

por Teresa Mendes | 26.05.2020

Covid-19: Hospitais de campanha ficam isentos do pagamento da taxa à ERS

O Governo já decidiu: Os hospitais de campanha, criados no âmbito da resposta à epidemia por SARS-Co...

por Teresa Mendes | 26.05.2020

SPEDM defende inclusão da análise à função tiroideia no rastreio da mulher...

O Grupo de Estudos da Tiroide (GET) da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolism...

por Teresa Mendes | 26.05.2020

Fundação Portuguesa de Cardiologia apela à demonstração de afetos virtuais 

 Campanha inserida no mês dedicado à sensibilização para as doenças do coração<br /> Fundação Portu...

25.05.2020

Governo avalia incentivos financeiros para recuperar atos médicos cancelado...

A ministra da Saúde adiantou este sábado que o Governo está a estudar incentivos financeiros que per...

por Teresa Mendes | 25.05.2020

Insa promove estudo sobre saúde mental e bem-estar em tempos de pandemia 

 O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa) está a promover um estudo para avaliar o...

por Teresa Mendes | 25.05.2020

Quase 20% dos doentes com Covid-19 recuperados permanecem internados 

 Quase 20% dos doentes com Covid-19 recuperados permanecem internados por falta de resposta social....

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.