Celecoxib e AINE, mesmo risco cardiovascular

17.10.2016

Estudo SCOT
No estudo SCOT, conduzido nos cuidados primários de três países europeus (Reino Unido, Dinamarca e Holanda), em doentes com osteoartrose e artrite reumatóide e sem doença cardiovascular conhecida, a substituição de AINE (diclofenac ou ibuprofeno) por celecoxib não trouxe qualquer benefício aos doentes.
Os eventos cardiovasculares foram raros e semelhantes entre os dois grupos.

«O nosso estudo sugere que, para doentes sem história de doença cardiovascular, é provavelmente seguro prescrever muitos dos AINE disponíveis», disse a investigadora Isla Mackenzie (Universidade de Dundee, Escócia, Reino Unido), ao heartwire. «A decisão de utilizar estes fármacos dependerá sempre da relação risco-benefício em termos de controlo dos sintomas e possíveis riscos de eventos adversos».

No ensaio clínico (n = 7297), cujos resultados foram publicados online no passado dia 4 pelo European Heart Journal, 249 doentes sofreram 278 eventos cardiovasculares (hospitalização por enfarte do miocárdio não-fatal ou outra síndrome coronária aguda, AVC não-fatal ou morte cardiovascular) – 1,4 por 100 doentes-anos tratados com celecoxib e 1,10 por 100 doentes-anos tratados com AINE (análise por intenção de tratar). Mais de metade dos doentes do grupo celecoxib abandonou o tratamento contra 30,2% do grupo AINE.

«O nosso estudo sugere que, para doentes sem história de doença cardiovascular, é provavelmente seguro prescrever muitos dos AINE disponíveis», disse a investigadora Isla Mackenzie 

No grupo celecoxib, 23,3% referiram falta de eficácia e 17,3% eventos adversos vs 0,7% e 14,1%, respetivamente. Ocorreram mais eventos adversos não-graves no grupo celecoxib (22% vs 16,1% com AINE).
Na análise por protocolo, morreram 35 doentes do grupo celecoxib e 41 do grupo AINE.

Por intenção de tratar, estes números foram de 99 e 111, respetivamente.

«A estratégia de reduzir a prescrição de AINE levou a que muitos doentes passassem a tomar opiáceos.
Nos EUA, isto criou muitos problemas. Os AINE parecem seguros, pelo menos nos doentes sem doença cardiovascular», disse o investigador principal do estudo, Thomas MacDonald (Universidade de Dundee), ao heartwire.

16JPO43B
17 de Outubro de 2016
1642Pub2f16JPO43B

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.04.2019

Pneumonia: Mais de 50% dos doentes de risco não são aconselhados a vacinar-...

A pneumonia mata, em média, 23 pessoas por dia nos hospitais portugueses, mais do dobro da média eur...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

Ministério da Saúde pede sindicância à Ordem dos Enfermeiros

A ministra da Saúde, Marta Temido, pediu à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) para realiz...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

 «Suspeição intolerável» 

 A ministra da Saúde, Marta Temido, considera uma «suspeição intolerável» do bastonário da Ordem dos...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

 SESARAM continua a não registar assiduidade dos seus trabalhadores

Uma auditoria do Tribunal de Contas (TC) revelou, esta terça-feira, que o Serviço de Saúde da Região...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Encontro internacional debate futuro do envelhecimento<br />  

A Academia Nacional de Medicina de Portugal (ANMP), o Science Advice for Policy by European Academie...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Manifesto da EFPIA reforça os benefícios das vacinas

«Construir uma Europa mais Saudável» é o título do manifesto criado pela Vaccines Europe, o grupo es...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.