AINE e risco de hospitalização por insuficiência cardíaca

02.11.2016

O efeito é dose-dependente
O risco de hospitalização por insuficiência cardíaca (IC) associado à utilização de AINE varia entre cada um destes, e o efeito é dose-dependente, sugere um estudo de Andrea et al., publicado no British Medical Journal [BMJ. 2016;354(i4857)]. 

O estudo, de caso-controlo híbrido, utilizou bases de dados de cinco populações de quatro países europeus (Holanda, Itália, Alemanha e Reino Unido), e recrutou indivíduos adultos (18 ou mais anos) que iniciaram tratamento com AINE entre 2000 e 2010. No total, verificaram-se 92 163 casos de hospitalização por IC, emparelhados com 8 246 403 controlos, de acordo com idade, sexo e ano de entrada na coorte.

Foi avaliada a associação entre o risco de hospitalização por IC e a utilização de 27 AINE, incluindo 23 AINE tradicionais e quatro inibidores seletivos da COX-2.
 
A utilização de qualquer AINE nos 14 dias precedentes associou-se a um aumento de 19% do risco de hospitalização por IC, em comparação com a utilização passada (superior a 183 dias).

O risco de hospitalização aumentou com sete AINE tradicionais (diclofenac, ibuprofeno, indometacina, cetorolac, naproxeno, nimesulida e piroxicam) e dois coxibes (etoricoxib e rofecoxib).

A probabilidade variou entre 1,16 para o naproxeno e 1,83 para o cetorolac. O risco de hospitalização por IC duplicou com diclofenac, etoricoxib, indometacina, piroxicam e rofecoxib utilizados em muito alta dose (2 vezes a dose diária, ou mais).

Foi avaliada a associação entre o risco de hospitalização por IC e a utilização de 27 AINE, incluindo 23 AINE tradicionais e quatro inibidores seletivos da COX-2 

Mesmo doses médias de indometacina e etoricoxib estiveram associadas a risco aumentado.
 
Não houve evidência de que o celecoxibe aumente o risco de hospitalização por IC nas doses habitualmente utilizadas.

16JPO45B
02 de Novembro de 2016
1645Pub4f16JPO45B

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.05.2019

Apenas um quarto dos médicos consegue conciliar carreira com vida familiar

A grande maioria dos médicos que trabalha no Serviço Nacional de Saúde (73%) não consegue conciliar...

22.05.2019

 Infarmed conclui processos de financiamento para 22 novos fármacos

 A conclusão de processos de financiamento relativos a novos medicamentos (novas substâncias ativas...

22.05.2019

Fundadores do Observatório de Saúde António Arnaut  defendem transparência

O coordenador do Observatório de Saúde António Arnaut (OSAA) defendeu esta terça-feira, em Coimbra,...

por Teresa Mendes | 22.05.2019

 Encargos com as PPP da saúde aumentaram quase 30%

Os encargos líquidos com parcerias público-privadas (PPP) subiram 5% nos primeiros seis meses de 201...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

Taxas de cesariana e de mortalidade materna e perinatal são os temas mais p...

Diogo Ayres de Campos, diretor do Serviço de Obstetrícia do Hospital de Santa Maria (Centro Hospital...

21.05.2019

Porto quer ser «Cidade Sem Sida» até 2020

 A Câmara Municipal do Porto e 22 instituições assinaram esta segunda-feira, dia 20 de maio, o proto...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.