Portugueses são os que mais receiam o aparecimento de uma doença grave

11.11.2016

Estudo sobre as preocupações relacionadas com o envelhecimento
A dificuldade em tomar conta de si mesmo fisicamente (49%), a perda de mobilidade e as falhas de memória (ambas com 48%) são as três maiores preocupações dos portugueses quando questionados sobre o envelhecimento. Um estudo realizado pela GfK indica ainda que é em Portugal que mais se receia o aparecimento de uma doença grave (47%) quando comparado com os restantes países analisados. 

Segundo o trabalho, que englobou 18 países de todo o mundo, em Portugal, de uma forma global, as preocupações são as mesmas entre homens e mulheres, embora os resultados obtidos com as respostas das mulheres sejam mais expressivos. No que diz respeito às faixas etárias, perder mobilidade é uma preocupação que vai aumentando com a idade (15-30 anos: 42%; 30-50 anos: 47%; 50-60 anos: 49%; e +60 anos: 52%).

Já a média global de todos os países indica que o top 3 das preocupações relacionadas com o envelhecimento são a perda de visão (38%), falhas de memória (38%) e a falta de energia (36%).

A investigação destaca igualmente algumas particularidades nos vários países por estarem mais preocupados com condições físicas específicas em comparação com outros.
A Rússia é o único país onde «perder os dentes» é uma das cinco preocupações mais populares, enquanto no Japão e na Coreia «o aparecimento de rugas ou flacidez da pele» está nos cinco primeiros. O Japão também revela que «perder o tónus muscular» é uma das suas principais preocupações.

No que diz respeito às diferenças entre homens e mulheres também se verificam algumas divergências. Ambos os sexos têm o mesmo top cinco de preocupações físicas no que diz respeito ao envelhecimento, embora a ordem de preocupação seja ligeiramente diferente. Os homens preocupam-se com o facto de virem a «perder o desejo sexual» (22% versus 11%), enquanto as mulheres estão apreensivas com o «aparecimento de rugas e flacidez» (32% versus 11%).

A dificuldade em tomar conta de si mesmo fisicamente (49%), a perda de mobilidade e as falhas de memória (ambas com 48%) são as três maiores preocupações dos portugueses quando questionados sobre o envelhecimento 

Os países incluídos no estudo que está disponível aqui são (http://www.gfk.com/global-studies/global-studies-aging-concerns/) Argentina, Austrália, Bélgica, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Itália, Japão, México, Países Baixos, Portugal, Rússia, Coreia do Sul, Espanha, Reino Unido e EUA.


16tm45u
11 de Novembro de 2016
1645Pub6f16tm45U

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.05.2019

Apenas um quarto dos médicos consegue conciliar carreira com vida familiar

A grande maioria dos médicos que trabalha no Serviço Nacional de Saúde (73%) não consegue conciliar...

22.05.2019

 Infarmed conclui processos de financiamento para 22 novos fármacos

 A conclusão de processos de financiamento relativos a novos medicamentos (novas substâncias ativas...

22.05.2019

Fundadores do Observatório de Saúde António Arnaut  defendem transparência

O coordenador do Observatório de Saúde António Arnaut (OSAA) defendeu esta terça-feira, em Coimbra,...

por Teresa Mendes | 22.05.2019

 Encargos com as PPP da saúde aumentaram quase 30%

Os encargos líquidos com parcerias público-privadas (PPP) subiram 5% nos primeiros seis meses de 201...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

Taxas de cesariana e de mortalidade materna e perinatal são os temas mais p...

Diogo Ayres de Campos, diretor do Serviço de Obstetrícia do Hospital de Santa Maria (Centro Hospital...

21.05.2019

Porto quer ser «Cidade Sem Sida» até 2020

 A Câmara Municipal do Porto e 22 instituições assinaram esta segunda-feira, dia 20 de maio, o proto...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.