Portugueses são os que mais receiam o aparecimento de uma doença grave

11.11.2016

Estudo sobre as preocupações relacionadas com o envelhecimento
A dificuldade em tomar conta de si mesmo fisicamente (49%), a perda de mobilidade e as falhas de memória (ambas com 48%) são as três maiores preocupações dos portugueses quando questionados sobre o envelhecimento. Um estudo realizado pela GfK indica ainda que é em Portugal que mais se receia o aparecimento de uma doença grave (47%) quando comparado com os restantes países analisados. 

Segundo o trabalho, que englobou 18 países de todo o mundo, em Portugal, de uma forma global, as preocupações são as mesmas entre homens e mulheres, embora os resultados obtidos com as respostas das mulheres sejam mais expressivos. No que diz respeito às faixas etárias, perder mobilidade é uma preocupação que vai aumentando com a idade (15-30 anos: 42%; 30-50 anos: 47%; 50-60 anos: 49%; e +60 anos: 52%).

Já a média global de todos os países indica que o top 3 das preocupações relacionadas com o envelhecimento são a perda de visão (38%), falhas de memória (38%) e a falta de energia (36%).

A investigação destaca igualmente algumas particularidades nos vários países por estarem mais preocupados com condições físicas específicas em comparação com outros.
A Rússia é o único país onde «perder os dentes» é uma das cinco preocupações mais populares, enquanto no Japão e na Coreia «o aparecimento de rugas ou flacidez da pele» está nos cinco primeiros. O Japão também revela que «perder o tónus muscular» é uma das suas principais preocupações.

No que diz respeito às diferenças entre homens e mulheres também se verificam algumas divergências. Ambos os sexos têm o mesmo top cinco de preocupações físicas no que diz respeito ao envelhecimento, embora a ordem de preocupação seja ligeiramente diferente. Os homens preocupam-se com o facto de virem a «perder o desejo sexual» (22% versus 11%), enquanto as mulheres estão apreensivas com o «aparecimento de rugas e flacidez» (32% versus 11%).

A dificuldade em tomar conta de si mesmo fisicamente (49%), a perda de mobilidade e as falhas de memória (ambas com 48%) são as três maiores preocupações dos portugueses quando questionados sobre o envelhecimento 

Os países incluídos no estudo que está disponível aqui são (http://www.gfk.com/global-studies/global-studies-aging-concerns/) Argentina, Austrália, Bélgica, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Itália, Japão, México, Países Baixos, Portugal, Rússia, Coreia do Sul, Espanha, Reino Unido e EUA.


16tm45u
11 de Novembro de 2016
1645Pub6f16tm45U

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Economista Márcia Roque é a nova presidente da ACSS

O Conselho de Ministros (CM) desta quinta-feira nomeou a economista Márcia Roque para presidente do...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

 Portugal tem o maior rácio de médicos de MGF por habitante da UE

Portugal é o país da União Europeia (UE) com a maior taxa de especialistas de Medicina Geral e Famil...

18.01.2019

CHUC lança projeto «H2 – Humanizar o Hospital»

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) lança, no próximo dia 24, o projeto «H2 - Huma...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Daniel Ferro substitui Carlos Martins à frente do CHULN

Daniel Ferro, atual presidente do conselho de administração do Hospital Garcia de Orta, vai substitu...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Centro Hospitalar do Oeste está «refém de prestadores de serviço»

O Centro Hospitalar do Oeste (CHO) é a terceira unidade de saúde do país com maior volume de horas c...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Cancro digestivo mata uma pessoa a cada hora em Portugal

O cancro digestivo mata uma pessoa por hora em Portugal, uma doença que tem vindo a aumentar nos últ...

por Teresa Mendes | 16.01.2019

Governo quer melhorar os Serviços de Urgência

O Governo criou um grupo de trabalho para estudar os diferentes modelos organizativos no funcionamen...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.