Voto Electrónico nas eleições da Ordem dos Médicos 

16.11.2016

Uma exigência, em nome de redução de custos e de aproximação ao eleitorado
Opinião de Jaime Teixeira Mendes

 Em Julho de 2016, apresentei em Conselho Nacional Executivo uma proposta de adopção do voto electrónico para as próximas eleições de 19 de Janeiro de 2017. Face às dificuldades técnicas ali argumentadas  a proposta foi retirada pelo  que não foi adoptado o método.

A adopção do voto electrónico na Ordem dos Médicos levaria a uma redução de custos e da aproximação do eleitorado, cada vez mais fragmentado pela emigração médica.

Para o Conselho Regional do Sul em funções, os valores gastos em processos eleitorais na OM são injustificáveis, quando há alternativas menos dispendiosas e mais próximas do eleitorado, que poderiam levar a taxas de participação  muito superiores às actuais. 

Recorde-se que, em 2013, numa eleição com apenas um candidato a Bastonário, a Ordem dos Médicos gastou €115.923,04 no processo eleitoral. 

Dois anos depois, nas eleições para os Colégios, gastou €58.807,00.  Dois processos eleitorais em 2017 Em 2017, serão dois os processos eleitorais, para a Ordem e para os Colégios, esperando-se valores superiores nas despesas, dado que falamos em eleições muito concorridas para a Ordem, com várias listas por órgão. 

Lamento que este acto eleitoral seja uma oportunidade perdida, primando pela ausência de respostas eficientes para o voto dos médicos que emigraram, que quebram assim os laços com a Ordem à qual continuam a pertencer. 

Lamento que este acto eleitoral seja uma oportunidade perdida, primando pela ausência de respostas eficientes para o voto dos médicos que emigraram 

Saliento que várias outras ordens profissionais com elevados números de emigração, como os Engenheiros e Enfermeiros, optaram pelo voto electrónico, fazendo inclusive coincidir os actos eleitorais para Bastonário e Colégios, promovendo assim a contenção de custos sem qualquer redução de direitos. 

A Ordem dos Médicos já podia estar a trilhar o mesmo caminho, poupando recursos e apostando numa participação eleitoral mais significativa.

Lisboa, 15 de Novembro de 2016

*Actual Presidente do CRS OM
Candidato a novo mandato ao CRS OM


NR: Entretítulo e destaques da Redação

16JMA46z
1646Pub3f16JMA46Z

E AINDA

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 «Assistimos hoje ao assassinato premeditado do modelo USF»

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) decidiu abandonar as reuniões da Comissão Técnica Naciona...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 «Premium Cataract Surgery 2020» debate técnicas cirúrgicas inovadoras

A Universidade do Minho organiza, no próximo dia 18 de janeiro de 2020, a conferência «Premium Catar...

13.12.2019

 Tecnologia criada no Porto ajuda médicos a identificar nódulos pulmonares

Investigadores do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TE...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 Marta Temido anuncia reforço de 800 milhões de euros para a Saúde em 2020

Foram várias as entidades que se congratularam publicamente pelo reforço de verbas para o Serviço Na...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

55% dos doentes com doença crónica tem baixos níveis de literacia em saúde

«55% da população com doença crónica tem níveis inadequados de literacia em saúde», uma situação que...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

Lançado Instituto Virtual de Fibromialgia

Foi lançado o Instituto Virtual de Fibromialgia, MyFibromyalgia®, uma ferramenta de intervenção clín...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.