«Novos fármacos para todos e não apenas para alguns»

foto de "DR" | 14.12.2016

Secretário de Estado da Saúde, Manuel Delgado, na Reunião «Missing Innovation – Solutions for unmet
«Não nos resignaremos a ter que adotar políticas seletivas quanto à inovação, de acordo com a dimensão da população afetada ou o seu impacte na Saúde Pública.
Pretendemos continuar a incorporar novos fármacos com valor acrescentado para todos e não apenas para alguns», disse o secretário de Estado da Saúde, Manuel Delgado, ao encerrar a conferência «Missing Innovation – Solutions for unmet therapeutic needs», promovida pela Revista Portuguesa de Farmacoterapia, no passado dia 13, em Lisboa.

«Este ano, iremos terminar dezembro com cerca de 40 novas moléculas aprovadas, o número mais elevado da última década», anunciou o secretário de Estado.



Manuel Delgado considerou que a inovação terapêutica coloca aos Estados e em particular aos sistemas de Saúde «dois desafios essenciais, o da sustentabilidade e o da capacidade técnica de avaliação do valor acrescentado».
O primeiro tem sobretudo a ver com a rigidez dos orçamentos públicos perante a elasticidade da procura e das novas oportunidades de resposta, de onde a contenção ou adiamento da despesa, através da definição de prioridades, limites da utilização de serviços e racionamento, «medidas adotadas em muitos países», mas que «não tem sido soluções consequentes, tendo em conta a capacidade reivindicativa das populações, a velocidade com que a informação e o conhecimento se consolidam e a globalização da vida social», afirmou o governante para depois referir que os modelos de partilha de risco com a Indústria Farmacêutica e a avaliação pelos resultados «reúnem hoje mais aderentes no mundo académico e na decisão politica».

Manuel Delgado considerou que a inovação terapêutica coloca aos Estados e em particular aos sistemas de Saúde «dois desafios essenciais, o da sustentabilidade e o da capacidade técnica de avaliação do valor acrescentado»

Estes modelos, frisou Manuel Delgado, «pressupõem novas metodologias e novos critérios de medida, mais exigentes e também mais contingentes».

Neste âmbito, salientou que «as diferenças entre terapêuticas facilmente avaliáveis quanto aos resultados finais esperados, e outras em que apenas poderemos avaliar melhorias no estado de saúde, conforto dos doentes ou contenção do avanço da doença são abissais e dificultam-nos o caminho».
Mas, concluiu, «ao fim e ao cabo, o direito à vida e à qualidade de vida são sempre uma questão individual.
E é aqui que nos devemos situar nas nossas decisões éticas e politicas».

16JPO50A
14 de Dezembro de 2016
1650Ant4f16JPO50A

E AINDA

19.06.2019

Texto da nova Lei de Bases da Saúde fica sem referências às PPP

O grupo de trabalho que discute a nova Lei de Bases da Saúde no Parlamento chumbou esta terça-feira...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Na saúde não chega fazer muito... tem que se fazer bem»

«O sistema de saúde é complexo e não pode ser objeto de intervenções pouco pensadas, sujeitas a imed...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pinto conta com mais de 100 candi...

São mais de 100 as candidaturas recebidas pelo comité da 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pi...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Beyond Cervical Cancer» é o mote do «HPV Clinical Cases»

A MSD Portugal está a promover o «HPV Clinical Cases», uma iniciativa que tem como objetivo «reunir,...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

Aumento da mortalidade materna e infantil são reflexo da falta de especiali...

A Ordem dos Médicos (OM) defende a necessidade de alterar urgentemente a forma e os prazos dos concu...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

 Candidaturas ao Prémio Nacional de Saúde 2019 abertas até 30 de junho

Decorrem, até 30 de junho, as candidaturas Prémio Nacional de Saúde 2019.<br /> Este galardão atrib...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.