Portugal é o país que mais recorre às urgências

foto de "DR" | 12.01.2017

Relatório da OCDE diz que taxas moderadoras nos CSP são um dos motivos
A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) considera que a utilização excessiva das urgências é um dos «principais exemplos» das áreas em que os países mais estão a desperdiçar dinheiro no sector da saúde. Portugal surge no topo da lista, com uma média de 70 idas àqueles serviços por cada 100 habitantes.

Este é um dos dados do relatório «Tackling Wasteful Spending on Health» publicado hoje. Contudo, não se trata de um problema exclusivo do nosso país, pois em 14 dos 19 países analisados pela OCDE, o recurso às urgências tem aumentado nos últimos anos.

O segundo lugar é ocupado por Espanha e o terceiro pelo Chile, que mesmo assim não chegam às 60 idas por 100 habitantes. Entre os mais moderados, com dez ou menos idas, estão países como a República Checa, Alemanha, Nova Zelândia e Holanda.

O grupo de investigadores tentou igualmente distinguir os casos em que as pessoas precisavam mesmo daquele tipo de acompanhamento e as situações em que os doentes deveriam ter resolvido o problema noutro local.

Mais de metade dos doentes que recorreram às urgências na Eslovénia e Bélgica não precisavam realmente de um serviço tão diferenciado. Esse valor é de 32% na Austrália e de 31% em Portugal. Já países como os Estados Unidos da América e o Reino Unido não chega aos 12%.

A OCDE alerta que «as taxas moderadoras cobradas nos cuidados de saúde primários (CSP) acabam por levar a que os doentes prefiram dirigir-se a um serviço de urgência, onde encontram uma gama completa de serviços a funcionar 24 horas por dia, sete dias por semana» e avisa Portugal e Grécia que «se o acesso aos centros de saúde fosse gratuito a situação seria diferente».

O relatório da OCDE considera que «se acesso aos centros de saúde fosse gratuito» seria possível aliviar o excessivo recurso aos serviços de urgência 

«Os casos de pobreza e de poucos apoios sociais» são outras das situações que o relatório aponta como estando associadas a uma excessiva procura das urgências em Portugal, bem como a fraca divulgação da rede de centros de saúde abertos até mais tarde ou ao fim-de-semana.

O relatório completo está disponível aqui

17tm02O
12 de Janeiro de 2017
1702Pub5f17tm02O

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 11.12.2019

 Secretário de Estado louva o que de «bom, ótimo e excelente» se faz no HSM

No 65.º aniversário do Hospital de Santa Maria (HSM), o secretário de Estado da Saúde elogiou o que...

11.12.2019

Médicos e administradores defendem estratégia nacional para a Medicina de P...

Portugal precisa de uma estratégia nacional para a Medicina de Precisão, defendem administradores ho...

por Teresa Mendes | 11.12.2019

 E que tal fazer deste Natal… um «Natal Diferente»?

As associações de estudantes da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL) e da Faculdad...

por Teresa Mendes | 11.12.2019

3.º Fórum do Conselho Nacional de Saúde decorre a 16 de dezembro

O Conselho Nacional de Saúde (CNS) organiza, no próximo dia 16 de dezembro, no Auditório António de...

por Teresa Mendes | 10.12.2019

 Ordem lamenta que ministra esconda realidade do Algarve

Em resposta às declarações da ministra da Saúde, que na passada sexta-feira disse, na sequência dos...

por Teresa Mendes | 10.12.2019

 Risco de queda passa a ser avaliado em todos os doentes internados

Por proposta conjunta do Departamento da Qualidade na Saúde, da Ordem dos Médicos e da Ordem dos Enf...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.