CNECV contra a exposição das Diretivas Antecipadas de Vontade no internamento hospitalar

foto de "DR" | 22.03.2017

Parecer responde a dúvida do Centro Hospitalar Lisboa Ocidental
Apesar da exigência pelas entidades de acreditação da qualidade da exposição da informação sobre as Diretivas Antecipadas de Vontade na consulta externa e nos internamentos hospitalares, o Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida (CNECV) defende que a informação «não deve ser imposta» e que «deve prevalecer o respeito pelas pessoas em situação particular de vulnerabilidade».

Num relatório de parecer, que surge na sequência de um pedido da presidente do Departamento da Qualidade do Centro Hospitalar Lisboa Ocidental, o CNECV salienta que «um sistema de garantia da qualidade, sendo relevante em saúde e tendo, ele próprio, um valor ético fundamental, deve respeitar os princípios éticos inerentes à prática assistencial, nomeadamente, e quanto à matéria em apreço, o respeito pela vulnerabilidade das pessoas».

A questão que deu origem ao parecer foi formulada nos seguintes termos: «Ainda assim poderia admitir-se como informação geral acessível nas salas de espera de consultas externas; mas será aceitável esta mesma abordagem no momento já de sofrimento intenso em que um doente se submete ao internamento? Será correta esta abordagem, neste momento?»

O Conselho reforça que a obrigação de informar os cidadãos sobre o exercício do direito de registar as Diretivas Antecipadas de Vontade «compete, em primeiro lugar, às organizações de saúde na dependência do Ministério da Saúde, por meios considerados adequados e proporcionados, com respeito pela não imposição de informação a pessoas em situação de particular vulnerabilidade, como são os doentes em internamento hospitalar».

Apesar da exigência pelas entidades de acreditação da qualidade da exposição da informação sobre as Diretivas Antecipadas de Vontade na consulta externa e nos internamentos hospitalares, o Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida defende que «deve prevalecer o respeito pelas pessoas em situação particular de vulnerabilidade» 

O documento salienta ainda que o dever dos profissionais de saúde de informar os doentes «situa-se prioritariamente no domínio da relação terapêutica individual estabelecida» e que, como tal, «a transmissão da informação que envolva diretivas antecipadas de vontade não pode ficar dependente da imposição de uma normativa institucional».

O parecer está disponível para consulta aqui

17tm12J
22 de Março de 2017
1712Pub4f17tm12J

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

16.07.2019

«A equidade cada vez depende mais do código postal», adverte bastonário

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM), Miguel Guimarães, defendeu esta segunda-feira mais investime...

16.07.2019

 Ministra reconhece «assimetria muito grande» na distribuição de médicos no...

A ministra da Saúde reconheceu esta segunda-feira na Sertã, distrito de Castelo Branco, que continua...

16.07.2019

Ministra da Saúde defende quadro permanente de anestesistas na MAC

 A ministra da Saúde afirmou esta segunda-feira que não vai desistir de dotar a Maternidade Alfredo...

por Teresa Mendes | 16.07.2019

Hospital de Bragança passa a disponibilizar hospitalização domiciliária

O Hospital de Bragança, inserido na Unidade Local de Saúde (ULS) do Nordeste, vai passar a disponibi...

por Teresa Mendes | 15.07.2019

 Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral 2019 está em discussão pública

 A Direção-Geral da Saúde (DGS) colocou em discussão pública, até ao próximo dia 1 de agosto, o Prog...

por Teresa Mendes | 15.07.2019

 Apifarma lança «Prémio Cidadania em Saúde»

No âmbito das comemorações dos seus 80 anos, a Apifarma instituiu o «Prémio Cidadania em Saúde», que...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.