Uma em cada cinco farmácias portugueses está falida

foto de "DR" | 13.06.2017

ANF diz estar em perigo «a cobertura farmacêutica nacional»

 
Uma em cada cinco farmácias portuguesas está em situação de penhora ou insolvência, o que representa quase 600 estabelecimentos, de acordo com os dados oficiais da Associação Nacional de Farmácias (ANF).

O barómetro do Centro de Estudos e Avaliação em Saúde feito para a ANF, ao qual a agência Lusa teve acesso, analisa a situação das farmácias desde final de 2012 até abril deste ano, englobando ao todo mais de 2900 estabelecimentos.

Em quatro anos e meio, registou-se um aumento de 247% no número de insolvências, o que significa que se passou de 61 farmácias com registo como insolvente em 2012 para 212 em abril de 2017, ou seja, um acréscimo de 151 farmácias.

Nesta análise são consideradas insolventes as farmácias que apresentaram ou requereram insolvência e as que estão em processo especial de revitalização.
Também o número de penhoras aumentou nos últimos quatro anos e meio (110%), passando de 180 em dezembro de 2012 para 379 em abril deste ano.

Tendo em conta o total de farmácias da rede nacional, há 20,1% de unidades com ações de insolvência ou penhora.

Nos últimos cinco anos, as farmácias em insolvência ou penhora subiram 145%.
Só nos primeiros quatro meses deste ano, sete farmácias entraram em insolvência e 16 foram alvo de penhoras.

Uma em cada cinco farmácias portuguesas está em situação de insolvência ou penhora, o que representa quase 600 estabelecimentos, de acordo com os dados oficiais da Associação Nacional de Farmácias (ANF) 

Numa análise distrital, o barómetro mostra que quase todos os distritos de Portugal têm mais de 10% das suas farmácias com ações de insolvência ou penhora.

Portalegre surge como o distrito com maior percentagem, com mais de 32% de farmácias naquelas condições. Segue-se a Guarda (27%), Setúbal (26,9%), Beja (26,8%) e Lisboa (25.9%).

Faro, Santarém e Viseu registam também mais de 20% de farmácias em ações de insolvência ou penhora.

Évora é o único distrito com menos de 10% de farmácias naquelas condições.
As «dificuldades económicas do setor colocam em causa a cobertura farmacêutica nacional, a rede de saúde de proximidade à população e o acesso ao medicamento», salienta a ANF num comunicado.

17tm25F
13 de Junho de 2017
1715Pub3f17tm25F

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

13.12.2017

«Ver o interior do corpo: a Física em Auxílio da Medicina» 

O cientista Carlos Fiolhais é o convidado da primeira sessão clínica do Centro Hospitalar e Universi...

13.12.2017

Manuel Delgado sai do Governo e Paula Brito e Costa da Raríssimas

Rosa Augusta Valente de Matos Zorrinho, de 53 anos, até agora na presidência da Administração Region...

13.12.2017

Cancro da mama: Grupos parlamentares apoiam oito recomendações da Sociedade...

Os grupos parlamentares do PSD, PS e CDS-PP assinaram esta terça-feira um documento com oito recomen...

12.12.2017

Excesso de peso na adolescência aumenta risco cardiovascular no futuro

Um estudo, que mostrou que o excesso de peso na adolescência aumenta o risco cardiovascular em adult...

por Teresa Mendes | 12.12.2017

Criado grupo com 27 elementos para avaliar a deslocalização do Infarmed

São 27 as personalidades, entre médicos, farmacêuticos, professores universitários e economistas, qu...

11.12.2017

OMS lança Observatório Global de Demências 

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que os atuais 50 milhões de doentes com demências aument...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.