Excesso de peso provoca cada vez mais mortes

13.06.2017

Estudo divulgado no New England Journal of Medicine
Mais de dois mil milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de doenças por causa do excesso de peso, que estão a provocar cada vez mais mortes, revela um estudo publicado nesta segunda-feira no New England Journal of Medicine.

Mesmo as pessoas que não são tecnicamente obesas estão a morrer por terem peso a mais, estimando-se em quatro milhões as mortes anualmente relacionadas com excesso de peso.
Destes quatro milhões, 40% estavam abaixo do limiar da obesidade, o que para os autores da investigação, constitui «uma crise de saúde pública perturbante e cada vez maior».
Ao todo, em números de 2015, havia 2,2 mil milhões de crianças e adultos (30% da população mundial) com excesso de peso.

Entre esse total encontravam-se 108 milhões de crianças e 600 milhões de adultos com índice de massa corporal (calculado relacionando peso com altura) acima de 30, o limiar da obesidade.

«Desvalorizar o excesso de peso e de massa corporal é arriscar doenças cardiovasculares, diabetes, cancro e outros problemas potencialmente fatais», afirmou um dos autores, Christopher Murray, da Universidade de Washington, nos Estados Unidos.

A investigação analisou possíveis ligações entre índice de massa corporal elevado e cancros no esófago, cólon e reto, fígado, vesícula e trato biliar, pâncreas, mama, útero, ovários, rins e tiroide.

As conclusões do estudo, que analisou dados de 195 países e territórios de 1980 a 2015, foram ontem apresentadas no Fórum da Alimentação de Estocolmo, que visa a criação de um regime alimentar mais sustentável.

Mais de dois mil milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de doenças por causa do excesso de peso, que estão a provocar cada vez mais mortes, revela um estudo publicado nesta segunda-feira no New England Journal of Medicine

O principal autor do trabalho, Ashkhan Afshin, afirmou mesmo que «o excesso de peso é um dos piores problemas de saúde pública», adiantando que os investigadores vão trabalhar com as Nações Unidas para tentar arranjar soluções para o problema, que está a aumentar apesar das várias intervenções realizadas.

17tm25H
13 de Junho de 2017
1715Pub3f17tm25H

Publicada originalmente em www.univadis.pt
 

E AINDA

12.12.2017

Cerimónia de Homenagem a Maria Odette Santos-Ferreira

A Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa (FFUL) vai homenagear Maria Odette Santos-Ferreira...

12.12.2017

Excesso de peso na adolescência aumenta risco cardiovascular no futuro

Um estudo, que mostrou que o excesso de peso na adolescência aumenta o risco cardiovascular em adult...

por Teresa Mendes | 12.12.2017

Criado grupo com 27 elementos para avaliar a deslocalização do Infarmed

São 27 as personalidades, entre médicos, farmacêuticos, professores universitários e economistas, qu...

11.12.2017

OMS lança Observatório Global de Demências 

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que os atuais 50 milhões de doentes com demências aument...

11.12.2017

Infarmed celebra 25 anos 

A Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) vai assinalar o seu 25.º aniversário numa cerimónia...

11.12.2017

Bastonário apela a «revisão urgente das carreiras médicas»

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM), Miguel Guimarães, apela ao Ministério da Saúde que faça uma...

11.12.2017

 Governo vai avaliar situação da associação Raríssimas

O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social vai «avaliar a situação» da Raríssimas e...

07.12.2017

Professores da FMUL vencem Prémios Neurociências Santa Casa 2017

Os prémios Neurociências Santa Casa 2017 destacaram dois professores da Faculdade de Medicina da Uni...

07.12.2017

«Queremos ser claramente a melhor central de compras na Europa»

«Queremos ser claramente a melhor central de compras na Europa», afirmou Henrique Martins, president...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.