Excesso de peso provoca cada vez mais mortes

13.06.2017

Estudo divulgado no New England Journal of Medicine
Mais de dois mil milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de doenças por causa do excesso de peso, que estão a provocar cada vez mais mortes, revela um estudo publicado nesta segunda-feira no New England Journal of Medicine.

Mesmo as pessoas que não são tecnicamente obesas estão a morrer por terem peso a mais, estimando-se em quatro milhões as mortes anualmente relacionadas com excesso de peso.
Destes quatro milhões, 40% estavam abaixo do limiar da obesidade, o que para os autores da investigação, constitui «uma crise de saúde pública perturbante e cada vez maior».
Ao todo, em números de 2015, havia 2,2 mil milhões de crianças e adultos (30% da população mundial) com excesso de peso.

Entre esse total encontravam-se 108 milhões de crianças e 600 milhões de adultos com índice de massa corporal (calculado relacionando peso com altura) acima de 30, o limiar da obesidade.

«Desvalorizar o excesso de peso e de massa corporal é arriscar doenças cardiovasculares, diabetes, cancro e outros problemas potencialmente fatais», afirmou um dos autores, Christopher Murray, da Universidade de Washington, nos Estados Unidos.

A investigação analisou possíveis ligações entre índice de massa corporal elevado e cancros no esófago, cólon e reto, fígado, vesícula e trato biliar, pâncreas, mama, útero, ovários, rins e tiroide.

As conclusões do estudo, que analisou dados de 195 países e territórios de 1980 a 2015, foram ontem apresentadas no Fórum da Alimentação de Estocolmo, que visa a criação de um regime alimentar mais sustentável.

Mais de dois mil milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de doenças por causa do excesso de peso, que estão a provocar cada vez mais mortes, revela um estudo publicado nesta segunda-feira no New England Journal of Medicine

O principal autor do trabalho, Ashkhan Afshin, afirmou mesmo que «o excesso de peso é um dos piores problemas de saúde pública», adiantando que os investigadores vão trabalhar com as Nações Unidas para tentar arranjar soluções para o problema, que está a aumentar apesar das várias intervenções realizadas.

17tm25H
13 de Junho de 2017
1715Pub3f17tm25H

Publicada originalmente em www.univadis.pt
 

E AINDA

17.10.2017

Sal no pão vai diminuir gradualmente até 2018

Entre 2018 e 2021 vai haver uma diminuição gradual do sal no pão.<br /> Este é pelo menos o objetiv...

17.10.2017

Fumo branco na negociação com os enfermeiros

Foi fumo branco que saiu da mais recente reunião do Governo com os enfermeiros.<br /> O braço de fe...

16.10.2017

Empresas de dispositivos impedidas de aumentar preços

Em 2018, a Indústria Farmacêutica terá de continuar o seu esforço de contribuição para a redução dos...

16.10.2017

Depois do açúcar, surgem as taxas para o sal

Os alimentos como batatas fritas, bolachas ou cereais que tenham um elevado teor de sal vão passar a...

16.10.2017

Dívida dos hospitais à IF volta a agravar-se em agosto

 Em agosto, a dívida global dos hospitais públicos à indústria farmacêutica (IF) ultrapassou os três...

13.10.2017

CNEV presta tributo a João Lobo Antunes

 O Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida vai prestar um tributo a João Lobo Antunes, a...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.