Insa aplica método inovador de identificação de causas genéticas de anomalias congénitas graves

14.06.2017

Tecnologia de ponta de sequenciação pangenómica abrange o genoma inteiro
O Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (Insa) está a desenvolver a aplicação de um novo método para identificação de causas genéticas de anomalias congénitas, utilizando uma tecnologia de ponta denominada de sequenciação pangenómica, ou seja, que abrange o genoma inteiro.

Segundo um comunicado do organismo, esta abordagem inovadora permite, por exemplo, «detetar alterações cromossómicas, até agora desconhecidas, e que estão na origem de graves doenças raras, o que contribuirá para um melhor diagnóstico clínico e aconselhamento dos familiares dos doentes», como por exemplo, formas congénitas de cegueira, malformações dos membros ou alterações do desenvolvimento psicomotor.

Intitulado «Citogenética de Próxima Geração Irrompe nos Cuidados de Saúde e Contribui para Anotação do Genoma Humano», este projeto de investigação translacional em doenças genómicas e rearranjos cromossómicos tem vindo a ser desenvolvido, ao longo do último ano, pelo Departamento de Genética Humana (DGH) do Insa, através do seu Grupo de Doenças Genómicas. 

O trabalho realizado até agora permitiu introduzir na citogenética clínica pré e pós-natal uma tecnologia de ponta que pode identificar alterações cromossómicas, até agora desconhecidas, com consequências graves para a saúde dos indivíduos.

A nova abordagem, transferida para Portugal por uma equipa de investigação do DGH, liderada por Dezso David, resulta também numa redução de cerca de 80 por cento do tempo atualmente necessário para identificação destas alterações genómicas. 

Outra das vantagens da nova abordagem tem a ver com «a melhoria do valor preditivo do teste genético no que respeita à previsão das consequências clínicas dos rearranjos cromossómicos detetados no período pré e pós-natal».

«A introdução desta abordagem na citogenética clínica clássica permitirá, a curto prazo, a criação de uma citogenética de alto rendimento, dita “de próxima geração” que resultará em notáveis avanços no diagnóstico clínico», sublinha Dezso David, investigador responsável do projeto. 

«Os resultados atuais indicam que várias alterações estruturais potencialmente patogénicas não são identificadas pelas metodologias tradicionais», salienta ainda o investigador do Insa.

As anomalias do desenvolvimento no Homem são problemas de saúde devastadores que, nos países desenvolvidos, contribuem com quase metade da mortalidade infantil em recém-nascidos de termo.
Os indivíduos sobreviventes apresentam anomalias congénitas que lhes causam uma incapacidade permanente, tendo um profundo impacto em saúde pública.

«Até agora, permanecem desconhecidas as causas genéticas e a arquitetura genómica da esmagadora maioria destas situações. Os resultados expetáveis deste projeto de colaboração luso-americana permitem antever a transformação da genética médica em genética médica personalizada, o diagnóstico, tratamento e prevenção destas doenças raras à luz destes resultados moleculares e, sem dúvida, a melhoria dos cuidados de saúde prestados aos doentes e seus familiares», conclui Dezso David.

«A introdução desta abordagem na citogenética clínica clássica permitirá, a curto prazo, a criação de uma citogenética de alto rendimento, dita “de próxima geração” que resultará em notáveis avanços no diagnóstico clínico», sublinha Dezso David 

Cofinanciado pelo Insa e pela Fundação da Ciência e da Tecnologia, no quadro do Programa Harvard Medical School – Portugal, este projeto de investigação visa a identificação das causas e dos mecanismos de doenças do desenvolvimento, por exemplo, formas congénitas de cegueira, malformações dos membros ou alterações do desenvolvimento psicomotor, e outras. 

O trabalho resulta de uma estreita colaboração entre o Insa, o(s) grupo(s) da Harvard Medical School e centros académicos clínicos de Lisboa, Porto e Coimbra.

17tm25L
14 de Junho de 2017
1715Pub4f17tm25L

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

12.12.2017

Cerimónia de Homenagem a Maria Odette Santos-Ferreira

A Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa (FFUL) vai homenagear Maria Odette Santos-Ferreira...

12.12.2017

Excesso de peso na adolescência aumenta risco cardiovascular no futuro

Um estudo, que mostrou que o excesso de peso na adolescência aumenta o risco cardiovascular em adult...

por Teresa Mendes | 12.12.2017

Criado grupo com 27 elementos para avaliar a deslocalização do Infarmed

São 27 as personalidades, entre médicos, farmacêuticos, professores universitários e economistas, qu...

11.12.2017

OMS lança Observatório Global de Demências 

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que os atuais 50 milhões de doentes com demências aument...

11.12.2017

Infarmed celebra 25 anos 

A Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) vai assinalar o seu 25.º aniversário numa cerimónia...

11.12.2017

Bastonário apela a «revisão urgente das carreiras médicas»

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM), Miguel Guimarães, apela ao Ministério da Saúde que faça uma...

11.12.2017

 Governo vai avaliar situação da associação Raríssimas

O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social vai «avaliar a situação» da Raríssimas e...

07.12.2017

Professores da FMUL vencem Prémios Neurociências Santa Casa 2017

Os prémios Neurociências Santa Casa 2017 destacaram dois professores da Faculdade de Medicina da Uni...

07.12.2017

«Queremos ser claramente a melhor central de compras na Europa»

«Queremos ser claramente a melhor central de compras na Europa», afirmou Henrique Martins, president...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.