IM 2017: 613 médicos ficaram sem acesso à especialidade

21.06.2017

«Precaridade e a emigração são as únicas opções dadas pela tutela», lamenta a ANEM 

 
Terminado o concurso de acesso à formação específica do Internato Médico (IM) 2017, e pelo terceiro ano consecutivo, mais 347 jovens médicos viram a sua formação interrompida por falta de vaga, aos quais acrescem 266 que, tendo desistido do concurso, se irão também somar aos candidatos do próximo ano. 

«Para todos estes, a precaridade e a emigração são as únicas opções dadas pela tutela», lamenta a Associação Nacional de Estudantes de Medicina num comunicado que faz o balanço do concurso (http://anem.pt/noticias/concurso-ingresso-no-internato-medico-im2017).

Entretanto, ouvido hoje na Comissão Parlamentar de Saúde, o ministro Adalberto Campos Fernandes garantiu aos deputados que os mais de 100 médicos que em 2015, pela primeira vez, ficaram sem vaga numa especialidade e que só estavam autorizados a trabalhar no Serviço Nacional de Saúde (SNS) até final de junho, vão ser autorizados a continuar no serviço público. 

Recorde-se que a audição do responsável foi requerida pelo PCP, na sequência da previsão de que cerca de 700 médicos ficariam sem acesso a uma vaga na especialidade no concurso deste ano. 

Terminado o concurso de acesso à formação específica do Internato Médico (IM) 2017, e pelo terceiro ano consecutivo, mais 347 jovens médicos viram a sua formação interrompida por falta de vaga, aos quais acrescem 266 que, tendo desistido do concurso, se irão também somar aos candidatos do próximo ano

O ministro reconheceu a existência de um «problema estrutural» na formação médica, mostrando-se disponível para «com os diferentes partidos encontrar uma solução».

Contudo, o dirigente lembrou que a abertura de vagas está sempre dependente das capacidades formativas também identificadas pela Ordem dos Médicos.

17tm26K
21 de Junho de 2017
1726Pub4f17tm26K

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 06.12.2019

 Sarampo matou mais de 140 mil pessoas no mundo em 2018

Em 2018, o sarampo foi responsável pela morte de mais de 140.000 pessoas, segundo novas estimativas...

por Teresa Mendes | 06.12.2019

«Não existem cigarros eletrónicos nem produtos de tabaco seguros»

«Não existem cigarros eletrónicos nem produtos de tabaco seguros, nomeadamente tabaco aquecido. Apre...

por Teresa Mendes | 05.12.2019

 Médicos de Medicina Interna são insuficientes para manter o SU dos HUC

Vinte médicos especialistas em Medicina Interna enviaram declaração de responsabilidade à Ordem dos...

por Teresa Mendes | 05.12.2019

Curso de Medicina na Católica chumbado pela Agência de Acreditação

A Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES) chumbou a abertura de um curso de Med...

por Teresa Mendes | 05.12.2019

ADSE passa a ser tutelada pelo Ministério da Administração Pública

A ADSE já não é da tutela do Ministério da Saúde. Segundo o regime da organização e funcionamento do...

por Teresa Mendes | 05.12.2019

 Reduzir o colesterol mais cedo pode diminuir risco cardiovascular mais tar...

Reduzir os níveis de colesterol com medicamentos em pessoas com menos de 45 anos pode reduzir o risc...

por Teresa Mendes | 04.12.2019

Esperança de vida em Portugal é maior do que na média dos países da EU

A esperança de vida em Portugal «aumentou substancialmente na última década», nomeadamente com a red...

por Teresa Mendes | 04.12.2019

Ministra inaugurou centro de saúde em Ventosa, Torres Vedras

A ministra da Saúde, Marta Temido, inaugurou esta terça-feira, o centro de saúde de São Mamede da Ve...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.