Portugal e Espanha juntam-se em projeto contra Alzheimer e cancro

09.08.2017

Programa IBEROS terá a duração de 27 meses
São cerca de 150 investigadores portugueses e espanhóis que integram o projeto IBEROS, que visa criar soluções de biotecnologia focadas no diagnóstico e no tratamento de doenças associadas ao envelhecimento, como o Alzheimer, o Parkinson ou o cancro.

O objetivo principal desta iniciativa, liderada pela Universidade de Vigo, em Espanha, passa por «potenciar a investigação, o desenvolvimento tecnológico e a inovação, dirigida a um envelhecimento saudável», disse à agência Lusa Goreti Sales, coordenadora do BioMark/Sensor Research, centro de investigação do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP), um dos parceiros do projeto.

Constituído por oito universidades da Galiza e do Norte de Portugal, o programa terá a duração de 27 meses, período no qual os envolvidos vão procurar responder a alguns dos principais problemas de saúde decorrentes do avançar da idade, como dificuldades de locomoção, degeneração neurológica e distúrbios no sistema vascular.

De acordo com a investigadora, o BioMark/Sensor Research vai colaborar no contexto dos biomateriais e da nanotecnologia, área na qual se tem vindo a especializar, tendo como foco o desenvolvimento de novos dispositivos para o diagnóstico do cancro, das doenças cardiovasculares e do Alzheimer.

«O desenvolvimento científico e a melhoria dos cuidados de saúde têm feito aumentar a esperança média de vida», tendência que tem «sido acompanhada pelo aumento das patologias associadas à idade», salienta o ISEP, numa nota informativa sobre o projeto.

Embora a bioengenharia seja uma área científica «relativamente recente», tem «um potencial imenso de aplicabilidade na saúde individual e coletiva», disponibilizando próteses e implantes, eletrónica aplicada à monitorização de pacientes, telemedicina ou tratamento de imagens médicas para diagnóstico, lê-se ainda no comunicado.

São cerca de 150 investigadores portugueses e espanhóis que integram o projeto IBEROS, que visa criar soluções de biotecnologia focadas no diagnóstico e no tratamento de doenças associadas ao envelhecimento, como o Alzheimer, o Parkinson ou o cancro

O IBEROS, financiado em cerca de dois milhões de euros pelo Programa Intererreg 2014-2020, que promove a cooperação transfronteiriça entre Portugal e Espanha, conta ainda com a colaboração da Universidade do Minho, da Universidade Católica Portuguesa, do Instituto de Investigações Marítimas de Vigo, do Instituto de Investigação Biomédica da Corunha, da Universidade de Santiago de Compostela e do Instituto de Engenharia Biomédica.

17tm33i
09 de Agosto de 2017
1733Pub4f17tm33i

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.01.2018

Bastonário ameaça retirar idoneidade formativa ao Departamento de Tórax do...

A Ordem dos Médicos anunciou que vai realizar uma auditoria ao Departamento de Tórax do Centro Hospi...

15.01.2018

Enfermeiros com CIT vão ter regras iguais às da Função Pública a partir de...

Os cerca de 11 mil enfermeiros com Contrato Individual de Trabalho (CIT) vão cumprir, a partir de ju...

15.01.2018

Cerca de 200 médicos especialistas já desistiram de esperar por concursos

Pelo menos 200 dos cerca de 700 médicos que concluíram a especialidade em abril e outubro já saíram...

15.01.2018

Infarmed aprovou 60 medicamentos inovadores em 2017

No dia em que se assinala o 25.º aniversário do Infarmed, o organismo informa que, em 2017, aprovou...

12.01.2018

Canábis: Projetos baixam à CPS sem votação

Os projetos de lei para a utilização terapêutica da canábis do BE e do PAN, em discussão esta quinta...

12.01.2018

«Onde está o Wally, senhor primeiro-ministro?»

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) critica o primeiro-ministro por não saber qual o número real...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.