Médicos não são «super-heróis»

10.08.2017

Bastonário defende que profissão deveria ser considerada de desgaste rápido
 O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, considera que estes profissionais não recebem um salário adequado e defende que a partir de certa idade deviam ter direito a um regime especial.

Em entrevista ao jornal Público, o responsável afirma que a profissão de médico deveria ser considerada de desgaste rápido à semelhança do que acontece em outros países europeus.
«As pessoas têm a ideia de que os médicos são super-homens e não são.
A esperança média de vida dos médicos é menor do que a da média da população em sete ou oito anos. Os médicos trabalham muitas horas, alimentam-se mal, não têm uma vida muito saudável», sublinha, defendendo por isso a criação de um regime especial para a classe.

O bastonário cita ainda um estudo recente realizado em Portugal pela própria Ordem dos Médicos que mostra que 66% dos profissionais têm pelo menos um dos três principais indicadores da síndrome de esgotamento profissional.

Por outro lado, o responsável diz que a tabela salarial paga aos médicos do Serviço Nacional de Saúde «não corresponde minimamente à responsabilidade que os médicos têm».

Relativamente ao eventual apoio da OM a uma nova greve da classe, Miguel Guimarães admite essa possibilidade. «Essa questão vai ter que ser colocada ao Conselho Nacional da Ordem e é natural que a Ordem venha a apoiar os médicos que façam greve. (...)
Temos sinalizado várias deficiências graves, todas as semanas há problemas que tento resolver internamente, mas é preciso dizer às pessoas o que se está a passar», disse.

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, considera que estes profissionais não recebem um salário adequado e defende que a partir de certa idade deviam ter direito a um regime especial

Quanto à proposta de alargar a idade dos médicos a trabalhar nos serviços de Urgência, o dirigente acusa o ministro da Saúde de não ser sério.
«Numa altura em que os médicos são brutalmente explorados e pressionados (...), em que a responsabilidade não para de aumentar, dizer que podem trabalhar na urgência até idades mais avançadas é uma proposta inaceitável», considera comenta.

17tm33N
10 de Agosto de 2017
1733Pub5f17tm33N

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

15.01.2018

Enfermeiros com CIT vão ter regras iguais às da Função Pública a partir de...

Os cerca de 11 mil enfermeiros com Contrato Individual de Trabalho (CIT) vão cumprir, a partir de ju...

15.01.2018

Cerca de 200 médicos especialistas já desistiram de esperar por concursos

Pelo menos 200 dos cerca de 700 médicos que concluíram a especialidade em abril e outubro já saíram...

15.01.2018

Infarmed aprovou 60 medicamentos inovadores em 2017

No dia em que se assinala o 25.º aniversário do Infarmed, o organismo informa que, em 2017, aprovou...

12.01.2018

Canábis: Projetos baixam à CPS sem votação

Os projetos de lei para a utilização terapêutica da canábis do BE e do PAN, em discussão esta quinta...

12.01.2018

«Onde está o Wally, senhor primeiro-ministro?»

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) critica o primeiro-ministro por não saber qual o número real...

por Teresa Mendes | 12.01.2018

Estado passa a comparticipar novos sensores de glicose em 85%

Entra hoje em vigor a portaria que estabelece um custo máximo de 53 euros e uma comparticipação de 8...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.