Médicos não são «super-heróis»

10.08.2017

Bastonário defende que profissão deveria ser considerada de desgaste rápido
 O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, considera que estes profissionais não recebem um salário adequado e defende que a partir de certa idade deviam ter direito a um regime especial.

Em entrevista ao jornal Público, o responsável afirma que a profissão de médico deveria ser considerada de desgaste rápido à semelhança do que acontece em outros países europeus.
«As pessoas têm a ideia de que os médicos são super-homens e não são.
A esperança média de vida dos médicos é menor do que a da média da população em sete ou oito anos. Os médicos trabalham muitas horas, alimentam-se mal, não têm uma vida muito saudável», sublinha, defendendo por isso a criação de um regime especial para a classe.

O bastonário cita ainda um estudo recente realizado em Portugal pela própria Ordem dos Médicos que mostra que 66% dos profissionais têm pelo menos um dos três principais indicadores da síndrome de esgotamento profissional.

Por outro lado, o responsável diz que a tabela salarial paga aos médicos do Serviço Nacional de Saúde «não corresponde minimamente à responsabilidade que os médicos têm».

Relativamente ao eventual apoio da OM a uma nova greve da classe, Miguel Guimarães admite essa possibilidade. «Essa questão vai ter que ser colocada ao Conselho Nacional da Ordem e é natural que a Ordem venha a apoiar os médicos que façam greve. (...)
Temos sinalizado várias deficiências graves, todas as semanas há problemas que tento resolver internamente, mas é preciso dizer às pessoas o que se está a passar», disse.

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, considera que estes profissionais não recebem um salário adequado e defende que a partir de certa idade deviam ter direito a um regime especial

Quanto à proposta de alargar a idade dos médicos a trabalhar nos serviços de Urgência, o dirigente acusa o ministro da Saúde de não ser sério.
«Numa altura em que os médicos são brutalmente explorados e pressionados (...), em que a responsabilidade não para de aumentar, dizer que podem trabalhar na urgência até idades mais avançadas é uma proposta inaceitável», considera comenta.

17tm33N
10 de Agosto de 2017
1733Pub5f17tm33N

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 20.07.2018

Maioria dos médicos manifesta apoio aos chefes demissionários do Hospital d...

São já 157 os médicos da Urgência do Hospital de São José, em Lisboa, que assinaram uma carta em apo...

20.07.2018

Médicos sem especialidade podem vir a reforçar INEM

Os médicos que não conseguiram a especialidade por falta de vaga podem vir a reforçar o Instituto Na...

20.07.2018

Trinta e cinco recém-especialistas da região Centro denunciam contexto insu...

Um grupo de 35 recém-especialistas de Medicina Geral e Familiar (MGF) da região Centro alerta para a...

por Teresa Mendes | 19.07.2018

Secretária de Estado da Saúde «lança» projeto Exames Sem Papel

A partir de agosto será feita a massificação da desmaterialização do processo de requisição de meios...

19.07.2018

  Pacotes vão ter menos açúcar em 2020

A partir janeiro de 2020 vão deixar de ser produzidas doses individuais de açúcar que excedam os qua...

por Teresa Mendes | 19.07.2018

Doentes com acesso a canábis medicinal nas farmácias a partir de agosto

A Assembleia da República (AR) publicou esta quarta-feira, a Lei que regula a utilização de medicame...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.