Hospitais do SNS devem atualizar equipamentos informáticos de 4 em 4 anos

por Teresa Mendes | 13.09.2017

Circular normativa emitida pela SPMS
A Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) alerta os hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) para a «responsabilidade individual de cada entidade, inclusive da SPMS», em «promover e adotar todas as boas práticas» no que diz respeito à segurança informática.

Numa circular, este organismo adverte que «o risco de segurança informática do conjunto das entidades do Ministério da Saúde é equivalente ao risco de segurança da entidade menos protegida», recordando que até ao momento foram emitidas quatro circulares normativas que reforçam «a necessidade imperiosa do seu cumprimento».

O documento normativo, assinado pelo presidente da SPMS, Henrique Martins, e publicado hoje, recomenda, entre várias medidas, que os hospitais «devem garantir a atualização da infraestrutura de suporte - servidores, armazenamento, ativos de rede, entre outros - em tempo útil, não permitindo que atinjam graus de obsolescência que coloquem em risco todo o sistema de informação», considerando que «um equipamento informático, por exemplo um servidor ou storage, atingiu o seu fim de vida útil a partir do 4.ª ano de utilização».

Apesar de se demonstrar sensível aos desafios orçamentais dos hospitais e de reconhecer que é por esse motivo que são prolongados os ciclos de vida dos equipamentos, a SPMS alerta que «se o adiamento se prolongar, os equipamentos ficam desfasados em relação aos níveis de desempenho e eficiência desejáveis, acrescentando custos diretos e indiretos em toda a infraestrutura».

O documento determina igualmente que é da competência de cada hospital «garantir que toda a infraestrutura de suporte aos sistemas de informação se encontram no seu perfeito estado de funcionamento e que os mesmos são suportados por contratos de manutenção e suporte».

A Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) alerta os hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) para a «responsabilidade individual de cada entidade, inclusive da SPMS», em «promover e adotar todas as boas práticas» no que diz respeito à segurança informática 

Para a SPMS, os contratos celebrados devem também prever «manutenção corretiva, upgrades de versão de firmware, correções de bugs, patchs de segurança, e uma ou duas visitas anuais de verificação geral do sistema».

A circular pode ser consultada na íntegra aqui

17tm39L
13 de Setembro de 2017
1739Pub4f17tm39L

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 20.07.2018

Maioria dos médicos manifesta apoio aos chefes demissionários do Hospital d...

São já 157 os médicos da Urgência do Hospital de São José, em Lisboa, que assinaram uma carta em apo...

20.07.2018

Médicos sem especialidade podem vir a reforçar INEM

Os médicos que não conseguiram a especialidade por falta de vaga podem vir a reforçar o Instituto Na...

20.07.2018

Trinta e cinco recém-especialistas da região Centro denunciam contexto insu...

Um grupo de 35 recém-especialistas de Medicina Geral e Familiar (MGF) da região Centro alerta para a...

por Teresa Mendes | 19.07.2018

Secretária de Estado da Saúde «lança» projeto Exames Sem Papel

A partir de agosto será feita a massificação da desmaterialização do processo de requisição de meios...

19.07.2018

  Pacotes vão ter menos açúcar em 2020

A partir janeiro de 2020 vão deixar de ser produzidas doses individuais de açúcar que excedam os qua...

por Teresa Mendes | 19.07.2018

Doentes com acesso a canábis medicinal nas farmácias a partir de agosto

A Assembleia da República (AR) publicou esta quarta-feira, a Lei que regula a utilização de medicame...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.