65% do total do trabalho prestado por tarefeiros é realizado nas urgências

por Teresa Mendes | 09.10.2017

Dados do Relatório Social do Ministério da Saúde e do SNS de 2016
Em 2016 o Ministério da Saúde gastou 97,8 milhões de euros com a contratação de atividade médica em regime de prestação de serviços.
Cerca de 65% do total do trabalho prestado por tarefeiros foi realizado nas urgências dos hospitais. Estes são dados do Relatório Social do Ministério da Saúde e do Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 2016.

De acordo com o documento, as unidades de saúde também procuram trabalho médico nas empresas de prestação e serviços para assegurar a área da Medicina Geral e Familiar (13%), seguindo-se a Medicina Interna (9%), Anestesiologia (5%) e Ginecologia/Obstetrícia (4%).

A região em que se verificou o maior volume de trabalho médico tarefeiro foi a de Lisboa e Vale do Tejo (39%), seguindo-se a região Norte (26%), a região Centro (15%), a região do Alentejo (14%) e a região do Algarve (6%).

No que concerne às entidades que mais recorrem a este tipo de prestação de trabalho, as que apresentam o maior volume de horas de atividade em regime de prestação de serviços foram o Centro Hospitalar do Oeste, o Centro Hospitalar do Médio Tejo, o Centro Hospitalar do Algarve, o Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca e a Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano.

Em 2016 o Ministério da Saúde gastou  97,8 milhões de euros com a contratação de atividade médica em regime de prestação de serviços

Já no que diz respeito à tipologia de contrato, o documento adianta que cerca de 65% desta atividade é assegurada através de empresas e 25% por prestadores a título individual.

Mais informações

17tm43A
09 de Outubro de 2017
1743Pub2f17tm43A

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

17.10.2017

Há portugueses que não sabem o que são os cuidados paliativos

Mais de 90% dos portugueses sabem o que são os cuidados paliativos, contudo 6,6% associa o conceito...

17.10.2017

Sal no pão vai diminuir gradualmente até 2018

Entre 2018 e 2021 vai haver uma diminuição gradual do sal no pão.<br /> Este é pelo menos o objetiv...

16.10.2017

Empresas de dispositivos impedidas de aumentar preços

Em 2018, a Indústria Farmacêutica terá de continuar o seu esforço de contribuição para a redução dos...

16.10.2017

Depois do açúcar, surgem as taxas para o sal

Os alimentos como batatas fritas, bolachas ou cereais que tenham um elevado teor de sal vão passar a...

16.10.2017

Dívida dos hospitais à IF volta a agravar-se em agosto

 Em agosto, a dívida global dos hospitais públicos à indústria farmacêutica (IF) ultrapassou os três...

13.10.2017

CNEV presta tributo a João Lobo Antunes

 O Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida vai prestar um tributo a João Lobo Antunes, a...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.