65% do total do trabalho prestado por tarefeiros é realizado nas urgências

por Teresa Mendes | 09.10.2017

Dados do Relatório Social do Ministério da Saúde e do SNS de 2016
Em 2016 o Ministério da Saúde gastou 97,8 milhões de euros com a contratação de atividade médica em regime de prestação de serviços.
Cerca de 65% do total do trabalho prestado por tarefeiros foi realizado nas urgências dos hospitais. Estes são dados do Relatório Social do Ministério da Saúde e do Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 2016.

De acordo com o documento, as unidades de saúde também procuram trabalho médico nas empresas de prestação e serviços para assegurar a área da Medicina Geral e Familiar (13%), seguindo-se a Medicina Interna (9%), Anestesiologia (5%) e Ginecologia/Obstetrícia (4%).

A região em que se verificou o maior volume de trabalho médico tarefeiro foi a de Lisboa e Vale do Tejo (39%), seguindo-se a região Norte (26%), a região Centro (15%), a região do Alentejo (14%) e a região do Algarve (6%).

No que concerne às entidades que mais recorrem a este tipo de prestação de trabalho, as que apresentam o maior volume de horas de atividade em regime de prestação de serviços foram o Centro Hospitalar do Oeste, o Centro Hospitalar do Médio Tejo, o Centro Hospitalar do Algarve, o Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca e a Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano.

Em 2016 o Ministério da Saúde gastou  97,8 milhões de euros com a contratação de atividade médica em regime de prestação de serviços

Já no que diz respeito à tipologia de contrato, o documento adianta que cerca de 65% desta atividade é assegurada através de empresas e 25% por prestadores a título individual.

Mais informações

17tm43A
09 de Outubro de 2017
1743Pub2f17tm43A

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.09.2018

Abertas as candidaturas ao Prémio Artur Santos Silva da LPCC

Estão abertas, até ao próximo dia 19 de outubro, as candidaturas ao Prémio Nacional de Oncologia da...

por Teresa Mendes | 21.09.2018

7.ª Reunião da Vigilância Epidemiológica da Gripe em Portugal

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa), em colaboração com a Direção-Geral da Saú...

por Teresa Mendes | 21.09.2018

 «Acesso à saúde é caro e tem de ser pago», alerta Teodora Cardoso

A presidente do Conselho das Finanças Públicas (CFP) alertou esta quinta-feira para a necessidade do...

por Teresa Mendes | 20.09.2018

 Portugueses têm «importantes lacunas no conhecimento sobre a doença cardio...

Um estudo publicado na mais recente edição da Revista Portuguesa de Cardiologia conclui que existem...

20.09.2018

 CE aprova Keytruda® em combinação com pemetrexedo e quimioterapia como 1.ª...

A MSD anunciou que a Comissão Europeia (CE) aprovou pembrolizumab (Keytruda®) em combinação com peme...

por Teresa Mendes | 20.09.2018

Governo autoriza concurso para o Centro Pediátrico do Hospital de São João

O conselho de administração do Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ) foi autorizado pe...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.