O sistema imunitário também «engorda»

10.10.2017

Investigação publicada na Nature Medicine
Investigadores do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) descobriram uma nova população de células do sistema imunitário que contribui para a obesidade, abrindo uma nova janela para o tratamento da patologia.

As células em causa destroem a norepinefrina, libertado pelos neurónios do sistema simpático e que induz a redução de massa gorda.

A estas células específicas a equipa liderada por Ana Domingos, do Laboratório de Obesidade do IGC, deu o nome de macrófagos SAMs.

Os macrófagos, como se sabe, são células que, quando funcionam normalmente, protegem o organismo de infeções. Ganharam, no entanto, a designação de SAMs, por estarem em contacto com os neurónios simpáticos, interferindo no processo de perda de massa adiposa. 

À Lusa, Ana Domingos comparou estes macrófagos a um aspirador que suga a norepinefrina com um tubo de sucção, a proteína SIc6a2, e que depois a destrói como se fosse uma incineradora.

A proteína foi identificada depois de feita uma análise genética aos macrófagos, por comparação com outras células muito parecidas, adiantou.

Numa experiência com ratinhos, a equipa de investigadores verificou que os roedores obesos, por manipulação genética ou alimentados com uma dieta rica em gorduras, tinham mais macrófagos SAMs do que os que possuíam peso normal.

Posteriormente, confirmou, a partir de análises a amostras de tecido nervoso humano, que o mesmo tipo de células imunes e o mecanismo a elas associado de eliminação do neurotransmissor responsável pela redução da gordura também existem nas pessoas, perspetivando novos tratamentos para a obesidade.

Segundo Ana Domingos, citada em comunicado do IGC, a proteína SIc6a2, que transporta a norepinefrina libertada pelos neurónios para os macrófagos, constitui, por isso, um novo alvo terapêutico, direcionado a estas células, «e que poderá superar os efeitos secundários nocivos de vários medicamentos».

Os cientistas estão a testar até que ponto as anfetaminas, drogas com efeitos nocivos no cérebro, podem ser benéficas numa zona mais periférica, no tecido nervoso, uma vez que bloqueiam a ação desta proteína.

Investigadores do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) descobriram uma nova população de células do sistema imunitário que contribui para a obesidade, abrindo uma nova janela para o tratamento da patologia

Os resultados da investigação, realizada pelo Instituto Gulbenkian de Ciência em colaboração com instituições italianas, alemãs e norte-americanas e os hospitais de Santa Maria e Curry Cabral, em Lisboa, foram publicados na revista científica Nature Medicine e podem ser consultados aqui 

17tm43H
10 de Outubro de 2017
1743Pub3f17tm43H

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

13.12.2017

«Ver o interior do corpo: a Física em Auxílio da Medicina» 

O cientista Carlos Fiolhais é o convidado da primeira sessão clínica do Centro Hospitalar e Universi...

13.12.2017

Manuel Delgado sai do Governo e Paula Brito e Costa da Raríssimas

Rosa Augusta Valente de Matos Zorrinho, de 53 anos, até agora na presidência da Administração Region...

13.12.2017

Cancro da mama: Grupos parlamentares apoiam oito recomendações da Sociedade...

Os grupos parlamentares do PSD, PS e CDS-PP assinaram esta terça-feira um documento com oito recomen...

12.12.2017

Excesso de peso na adolescência aumenta risco cardiovascular no futuro

Um estudo, que mostrou que o excesso de peso na adolescência aumenta o risco cardiovascular em adult...

por Teresa Mendes | 12.12.2017

Criado grupo com 27 elementos para avaliar a deslocalização do Infarmed

São 27 as personalidades, entre médicos, farmacêuticos, professores universitários e economistas, qu...

11.12.2017

OMS lança Observatório Global de Demências 

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que os atuais 50 milhões de doentes com demências aument...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.