Financiamento na área da saúde mental muda em 2018

11.10.2017

Unidades vão passar a receber por doente e não por número de consultas ou internamentos
O financiamento dos hospitais na área da saúde mental vai mudar no próximo ano, passando as unidades de saúde a receber por doente e não por número de consultas ou de internamentos, anunciou o Ministério da Saúde nesta terça-feira.

Na cerimónia que assinalou o Dia Mundial da Saúde Mental, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, afirmou que esta nova forma de o Serviço Nacional de Saúde pagar aos hospitais «permite tratar mais facilmente os doentes na comunidade ou no domicílio, desinstitucionalizando-os, sem que as unidades de saúde percam o financiamento».

Fernando Araújo sublinhou igualmente que esta é uma forma de motivar os hospitais a tratar os doentes sem os institucionalizar. Número de suicídios estabiliza Um dos indicadores mais relevantes do Relatório do Programa Nacional para a Saúde Mental referente a 2016, que foi apresentado na sessão, prende-se com a estabilização do número de suicídios, situando-se em cerca de mil casos por ano, sublinhou o diretor-geral da Saúde, Francisco George.

«O suicídio estabilizou. Em cada 100 mil habitantes mantém-se a probabilidade de dez se suicidarem», afirmou o dirigente.

Este número continua a ser mais significativo no Alentejo e a taxa de mortalidade por suicídio tem maior incidência na faixa etária igual ou superior a 65 anos.

Segundo o relatório, o suicídio verifica-se sobretudo em pessoas com doenças mentais graves, na sua maioria tratáveis e integra o grupo de mortes potencialmente evitáveis.

O financiamento dos hospitais na área da saúde mental vai mudar no próximo ano, passando as unidades de saúde a receber por doente e não por número de consultas ou de internamentos, anunciou Fernando Araújo 

Quanto ao consumo de psicofármacos em Portugal, o diretor-geral da Saúde notou que houve uma descida nos medicamentos para a ansiedade, uma estabilização dos fármacos para as psicoses e um aumento do consumo de antidepressivos.

Os portugueses compraram cerca de 20 milhões de embalagens de psicofármacos no ano passado, o que corresponde a um gasto de 216 milhões de euros.

Todas as informações estão disponíveis aqui

17tm43J
11 de Outubro de 2017
1743Pub4f17tm43J

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.09.2018

Abertas as candidaturas ao Prémio Artur Santos Silva da LPCC

Estão abertas, até ao próximo dia 19 de outubro, as candidaturas ao Prémio Nacional de Oncologia da...

por Teresa Mendes | 21.09.2018

7.ª Reunião da Vigilância Epidemiológica da Gripe em Portugal

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa), em colaboração com a Direção-Geral da Saú...

por Teresa Mendes | 21.09.2018

 «Acesso à saúde é caro e tem de ser pago», alerta Teodora Cardoso

A presidente do Conselho das Finanças Públicas (CFP) alertou esta quinta-feira para a necessidade do...

por Teresa Mendes | 20.09.2018

 Portugueses têm «importantes lacunas no conhecimento sobre a doença cardio...

Um estudo publicado na mais recente edição da Revista Portuguesa de Cardiologia conclui que existem...

20.09.2018

 CE aprova Keytruda® em combinação com pemetrexedo e quimioterapia como 1.ª...

A MSD anunciou que a Comissão Europeia (CE) aprovou pembrolizumab (Keytruda®) em combinação com peme...

por Teresa Mendes | 20.09.2018

Governo autoriza concurso para o Centro Pediátrico do Hospital de São João

O conselho de administração do Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ) foi autorizado pe...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.