Jorge Simões contradiz Miguel Guimarães

10.11.2017

«É falso» que tenha afirmado que o SNS precisa de profissionais não médicos para realizar atos médic
O presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Jorge Simões, quebrou o silêncio e, num comunicado, afiança que nunca iniciou qualquer discussão técnica sobre o tema das competências profissionais, considerando que o bastonário da Ordem dos Médicos devia discutir o assunto a nível interno.

Numa informação enviada à Lusa, Jorge Simões diz que a reação de Miguel Guimarães o «surpreendeu» e que «é falso» que tenha afirmado que o Serviço Nacional de Saúde precisa de profissionais não médicos para realizar atos médicos.

«É falso que eu tenha iniciado no CNS, ou fora dele, qualquer discussão técnica sobre o tema das competências profissionais», refere no comunicado.

Segundo o presidente do CNS, as ideias que transmitiu «já fazem o seu percurso há décadas» em Portugal, dando vários exemplos que identificavam o «skill-mix como um dos grandes desafios para as instituições e serviços de saúde».

Jorge Simões justifica ainda que o Tribunal de Contas, numa auditoria em 2014, salientou «os ganhos potenciais da valorização do tempo médico, canalizando-o para a realização de consultas, libertando os profissionais médicos de tarefas administrativas e de outras tarefas em que possam ser substituídos por outros profissionais de saúde».

O responsável considera ainda, uma vez que Miguel Guimarães faz parte do CNS, que «o assunto devia ter sido discutido a nível interno».

Num comunicado, Jorge Simões diz que a reação de Miguel Guimarães o «surpreendeu» e que «é falso» que tenha afirmado que o Serviço Nacional de Saúde precisa de profissionais não médicos para realizar atos médicos 

«Seria curial um contacto no sentido de pedir explicações, ou no sentido de pedir a convocação de uma reunião do CNS para tratar deste assunto, ou qualquer outra iniciativa que não fragilizasse um órgão que está agora a dar os primeiros passos», defendeu.

17tm47R
10 de Novembro de 2017
1747Pub6f17tm47R

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

17.01.2018

Mais de 100 testemunhos para assinalar os 25 anos do Infarmed

O Infarmed elaborou, numa edição especial, que assinala os seus 25 anos, uma revista com mais de 100...

17.01.2018

Médicos ameaçam com nova greve nacional no final março

Dois meses é o novo prazo dado pelos sindicatos ao Ministério da Saúde para que este apresente propo...

por Teresa Mendes | 17.01.2018

Portugal quer apoiar Cabo Verde na construção de novo centro de hemodiálise

«Portugal manifesta abertura, quer seja ao nível da ajuda ao financiamento, mas também ao nível técn...

por Teresa Mendes | 17.01.2018

 Ingestão regular de malaguetas pode reduzir mortalidade 

Uma investigação do Larner College of Medicine, da Universidade de Vermont, nos Estados Unidos, conc...

16.01.2018

«Ministério da Saúde continua a desinvestir nos recursos humanos»

O presidente do Conselho Regional do Sul (CRS) da Ordem dos Médicos reivindicou esta segunda-feira,...

16.01.2018

Infarmed aprova comparticipação de Keytruda® em primeira linha

<br /> O Infarmed aprovou a comparticipação de pembrolizumab, terapêutica de Imuno-Oncologia anti-P...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.