Jorge Simões contradiz Miguel Guimarães

10.11.2017

«É falso» que tenha afirmado que o SNS precisa de profissionais não médicos para realizar atos médic
O presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Jorge Simões, quebrou o silêncio e, num comunicado, afiança que nunca iniciou qualquer discussão técnica sobre o tema das competências profissionais, considerando que o bastonário da Ordem dos Médicos devia discutir o assunto a nível interno.

Numa informação enviada à Lusa, Jorge Simões diz que a reação de Miguel Guimarães o «surpreendeu» e que «é falso» que tenha afirmado que o Serviço Nacional de Saúde precisa de profissionais não médicos para realizar atos médicos.

«É falso que eu tenha iniciado no CNS, ou fora dele, qualquer discussão técnica sobre o tema das competências profissionais», refere no comunicado.

Segundo o presidente do CNS, as ideias que transmitiu «já fazem o seu percurso há décadas» em Portugal, dando vários exemplos que identificavam o «skill-mix como um dos grandes desafios para as instituições e serviços de saúde».

Jorge Simões justifica ainda que o Tribunal de Contas, numa auditoria em 2014, salientou «os ganhos potenciais da valorização do tempo médico, canalizando-o para a realização de consultas, libertando os profissionais médicos de tarefas administrativas e de outras tarefas em que possam ser substituídos por outros profissionais de saúde».

O responsável considera ainda, uma vez que Miguel Guimarães faz parte do CNS, que «o assunto devia ter sido discutido a nível interno».

Num comunicado, Jorge Simões diz que a reação de Miguel Guimarães o «surpreendeu» e que «é falso» que tenha afirmado que o Serviço Nacional de Saúde precisa de profissionais não médicos para realizar atos médicos 

«Seria curial um contacto no sentido de pedir explicações, ou no sentido de pedir a convocação de uma reunião do CNS para tratar deste assunto, ou qualquer outra iniciativa que não fragilizasse um órgão que está agora a dar os primeiros passos», defendeu.

17tm47R
10 de Novembro de 2017
1747Pub6f17tm47R

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

17.11.2017

Aumentou o consumo de antibióticos em Portugal

O consumo de antibióticos voltou a aumentar em Portugal em 2016 pelo terceiro ano consecutivo.<br />...

17.11.2017

ANEM reúne mais de 5000 assinaturas e leva qualidade de formação ao Parlame...

Mais de 150 estudantes de Medicina entregaram no Parlamento, esta quinta-feira, dia da Prova Naciona...

17.11.2017

Tabaco mata uma em cada quatro pessoas entre os 50 e os 59 anos

O consumo de produtos do tabaco rendeu ao Estado 1.515,1 milhões de euros em 2016, mais 24,9% do que...

17.11.2017

GAT disponibiliza teste de VIH e hepatites virais em 30 locais

«Testar. Tratar. Prevenir» é o tema da Semana Europeia do Teste VIH-Hepatites, que começa hoje, dia...

16.11.2017

Profissionais das dependências em «situação de ingovernabilidade»

Numa altura em que a decisão da reativação do Instituto da Droga e da Toxicodependência (IDT) foi ad...

16.11.2017

Disponíveis 2271 vagas para o Internato Médico 2018

A Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) publicou hoje no Diário da República o mapa de va...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.