Jorge Simões contradiz Miguel Guimarães

10.11.2017

«É falso» que tenha afirmado que o SNS precisa de profissionais não médicos para realizar atos médic
O presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Jorge Simões, quebrou o silêncio e, num comunicado, afiança que nunca iniciou qualquer discussão técnica sobre o tema das competências profissionais, considerando que o bastonário da Ordem dos Médicos devia discutir o assunto a nível interno.

Numa informação enviada à Lusa, Jorge Simões diz que a reação de Miguel Guimarães o «surpreendeu» e que «é falso» que tenha afirmado que o Serviço Nacional de Saúde precisa de profissionais não médicos para realizar atos médicos.

«É falso que eu tenha iniciado no CNS, ou fora dele, qualquer discussão técnica sobre o tema das competências profissionais», refere no comunicado.

Segundo o presidente do CNS, as ideias que transmitiu «já fazem o seu percurso há décadas» em Portugal, dando vários exemplos que identificavam o «skill-mix como um dos grandes desafios para as instituições e serviços de saúde».

Jorge Simões justifica ainda que o Tribunal de Contas, numa auditoria em 2014, salientou «os ganhos potenciais da valorização do tempo médico, canalizando-o para a realização de consultas, libertando os profissionais médicos de tarefas administrativas e de outras tarefas em que possam ser substituídos por outros profissionais de saúde».

O responsável considera ainda, uma vez que Miguel Guimarães faz parte do CNS, que «o assunto devia ter sido discutido a nível interno».

Num comunicado, Jorge Simões diz que a reação de Miguel Guimarães o «surpreendeu» e que «é falso» que tenha afirmado que o Serviço Nacional de Saúde precisa de profissionais não médicos para realizar atos médicos 

«Seria curial um contacto no sentido de pedir explicações, ou no sentido de pedir a convocação de uma reunião do CNS para tratar deste assunto, ou qualquer outra iniciativa que não fragilizasse um órgão que está agora a dar os primeiros passos», defendeu.

17tm47R
10 de Novembro de 2017
1747Pub6f17tm47R

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Elga Freire | 14.10.2018

 Cuidados Paliativos beneficiam doentes crónicos em fases precoces

 Opinião de Elga Freire<br /> <br /> Com o aumento da longevidade, as populações ficam mais envelh...

16.10.2018

Francisco Ramos e Raquel de Melo são os novos secretários de Estado de Mart...

A remodelação do Governo será total no Ministério da Saúde. Para a equipa da nova ministra da Saúde,...

por Teresa Mendes | 16.10.2018

 Mais 523 milhões de euros para a Saúde em 2019

O Ministério da Saúde vai dispor de mais 523,3 milhões de euros para gastar em 2019, num total de 10...

16.10.2018

Estudo revela «enormes diferenças regionais» nas cirurgias à coluna

No Dia Mundial da Coluna, que se assinala esta terça-feira, 16 de outubro, um estudo revela que exis...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

 Abertas as candidatura aos «Prémios Maratona da Saúde em Investigação Biom...

Estão abertas as candidaturas aos «Prémios Maratona da Saúde em Investigação Biomédica», uma iniciat...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

Programa ajuda médicos e população a tomar decisões criteriosas em saúde

 Os profissionais de saúde e a população portuguesa já podem contar com o programa «Choosing Wisely...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

Doentes críticos em risco no Hospital Fernando Fonseca 

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) alerta para a «situação de carência extrema de médicos no...

por Teresa Mendes | 13.10.2018

Dívida dos hospitais às farmacêuticas atinge o valor mais alto de 2018

A dívida total dos hospitais públicos aos laboratórios farmacêuticos atingiu em agosto o valor mais...

11.10.2018

Primeiros testes rápidos são «marco histórico no combate à epidemia» do VIH

«Continuamos em Portugal a diagnosticar os doentes muito tardiamente», alertou o secretário de Estad...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.