Obra relata o papel fundamental dos médicos para a evolução da sociedade portuguesa dos últimos 100 anos

10.11.2017

«Médicos e Sociedade - Para uma História da Medicina em Portugal no século XX»
O livro «Médicos e Sociedade – Para uma História da Medicina em Portugal no século XX», coordenado pelo médico António Barros Veloso, pelo historiador Henrique Leitão e por Damas Mora foi apresentado esta quinta-feira, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

A edição, apoiada pela José de Mello Saúde, inclui contributos de 40 autores médicos que retratam a evolução da medicina e da saúde no país entre 1900 e 2000, entre os quais João Lobo Antunes (sobre o Prémio Nobel Egas Moniz e a origem da Neurocirurgia em Portugal), Francisco George (a pneumónica), João Moreira dos Santos (as perseguições políticas aos médicos pelo Estado Novo), Walter Osswald (as relações entre médicos e indústria farmacêutica), e José Pena (Transplantes), entre outros.

Destinado não apenas a médicos e historiadores, mas ao público em geral, «esta obra, demonstra, ao longo de quase meia centena de textos, como também os médicos foram protagonistas da História de Portugal do último século, tendo planeado e dirigido hospitais, organizado campanhas de prevenção, ao mesmo tempo que traziam para o país as mais recentes inovações da medicina moderna», salienta um comunicado à Imprensa.
 
«Muitos chegaram a afrontar o poder político, tendo tido um papel destacado no derrube da Monarquia ou na oposição ao Estado Novo, ao mesmo tempo que contribuíram para a cultura, em áreas tão diversas como as artes plásticas, a literatura e a arqueologia, em que deixaram obras de grande qualidade», acrescenta a informação.

Como explica o internista António Barros Veloso, o objetivo deste livro, editado e executado pela By the Book, «é tentar perceber o que aconteceu no período de 100 anos que decorreu entre 1900 e 2000: que avanços, que recuos, que êxitos, que fracassos fizeram evoluir a medicina e a saúde em Portugal, a partir de uma fase de atraso que era evidente, até uma situação comparável à dos países mais desenvolvidos». Isto, «sem esquecer, evidentemente os médicos, as figuras que protagonizaram esta mudança, não para as homenagear, mas para tentar compreender a sua intuição, o seu génio, a sua ambição e também as suas fraquezas, os seus aspetos mesquinhos, assim como as resistências que tiveram de vencer». 

No prefácio do livro, o historiador e Prémio Pessoa, Henrique Leitão salienta que a obra «oferece ao público em geral um olhar sobre a História da Medicina no nosso país durante o século XX. Trata-se de um olhar muito determinado pela perspetiva dos próprios médicos que, deliberadamente, foram escolhidos como os principais agentes desta história».

Esta obra, demonstra, ao longo de quase meia centena de textos, como também os médicos foram protagonistas da História de Portugal do último século, tendo planeado e dirigido hospitais, organizado campanhas de prevenção, ao mesmo tempo que traziam para o país as mais recentes inovações da medicina moderna 

Salvador de Mello salienta «o orgulho» da José de Mello Saúde em associar-se a este livro e escreve que este «é uma homenagem à História da Medicina em Portugal e àqueles que dela fizeram ou fazem parte».

O preview do livro pode ser visto aqui

17tm47S
10 de Novembro de 2017
1747Pub6f17tm47S

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

17.11.2017

Aumentou o consumo de antibióticos em Portugal

O consumo de antibióticos voltou a aumentar em Portugal em 2016 pelo terceiro ano consecutivo.<br />...

17.11.2017

ANEM reúne mais de 5000 assinaturas e leva qualidade de formação ao Parlame...

Mais de 150 estudantes de Medicina entregaram no Parlamento, esta quinta-feira, dia da Prova Naciona...

17.11.2017

Tabaco mata uma em cada quatro pessoas entre os 50 e os 59 anos

O consumo de produtos do tabaco rendeu ao Estado 1.515,1 milhões de euros em 2016, mais 24,9% do que...

16.11.2017

Profissionais das dependências em «situação de ingovernabilidade»

Numa altura em que a decisão da reativação do Instituto da Droga e da Toxicodependência (IDT) foi ad...

16.11.2017

Disponíveis 2271 vagas para o Internato Médico 2018

A Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) publicou hoje no Diário da República o mapa de va...

16.11.2017

Especialistas reclamam mais investimento no cancro do pâncreas

No dia em que se assinala o Dia Mundial do Cancro do Pâncreas (16 de novembro), a World Pancreatic C...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.