Um em 10 portugueses não tem dinheiro para comprar os medicamentos

foto de "DR" | 13.11.2017

Relatório «Health at a Glance 2017» da OCDE
Em 2016, um em cada 10 portugueses não conseguiu comprar os medicamentos prescritos pelo médico por motivos financeiros, de acordo com o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) «Health at a Glance 2017», que traça uma visão geral da saúde dos 35 países da OCDE.

Já em 2015, o documento mostra que em Portugal cada habitante teve em média 4,1 consultas médicas anuais, um número muito abaixo da média da OCDE, que é de 6,9 consultas por habitante num ano. 

Quanto à despesa das famílias nas despesas de saúde, o relatório revela subiu o número de pessoas com seguro privado de saúde, havendo um quarto dos portugueses com seguro em 2015, quando dez anos antes era cerca de 20% da população.

Também as despesas diretas com saúde nas famílias portuguesas estão acima da média europeia (3%), situando-se nos 3,8% do total da despesa familiar, segundo dados de 2015.

Bastonário retifica número de médicos citados no relatório

O relatório da OCDE traça ainda um retrato da quantidade de profissionais de saúde, surgindo Portugal e a Grécia com um número de médicos per capita relativamente elevado.

Contudo, o documento sublinha que os dados fornecidos por Portugal integram a totalidade de médicos com cédula profissional e não os médicos que efetivamente exercem, o que leva a uma sobrestimação dos dados.
Com essa ressalva, Portugal surge com 4,6 médicos por mil habitantes em 2015, enquanto o número de enfermeiros é de 6,3 por mil habitantes.

Entretanto, o bastonário da Ordem dos Médicos (OM) anunciou hoje que vai escrever à OCDE para que os médicos contabilizados nos relatórios que referem países como Portugal «distingam a quantidade de clínicos que exercem no setor público e no setor privado».

Na opinião de Miguel Guimarães, «trata-se de uma questão de transparência e de dissipar dúvidas sobre a falta de médicos no serviço público de saúde».

Em 2016, um em cada 10 portugueses não conseguiu comprar os medicamentos prescritos pelo médico por motivos financeiros, de acordo com o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE)

Segundo os dados da OM, Portugal tem atualmente no Serviço Nacional de Saúde (SNS) uma média de 2,8 médicos por mil habitantes, sendo que se forem retirados os médicos internos, ainda em formação, são 1,9 médicos especialistas por mil habitantes.

O relatório está disponível aqui 

17tm48C
13 de Novembro de 2017
1748Pub2f17tm48C

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 20.07.2018

Maioria dos médicos manifesta apoio aos chefes demissionários do Hospital d...

São já 157 os médicos da Urgência do Hospital de São José, em Lisboa, que assinaram uma carta em apo...

20.07.2018

Médicos sem especialidade podem vir a reforçar INEM

Os médicos que não conseguiram a especialidade por falta de vaga podem vir a reforçar o Instituto Na...

20.07.2018

Trinta e cinco recém-especialistas da região Centro denunciam contexto insu...

Um grupo de 35 recém-especialistas de Medicina Geral e Familiar (MGF) da região Centro alerta para a...

por Teresa Mendes | 19.07.2018

Secretária de Estado da Saúde «lança» projeto Exames Sem Papel

A partir de agosto será feita a massificação da desmaterialização do processo de requisição de meios...

19.07.2018

  Pacotes vão ter menos açúcar em 2020

A partir janeiro de 2020 vão deixar de ser produzidas doses individuais de açúcar que excedam os qua...

por Teresa Mendes | 19.07.2018

Doentes com acesso a canábis medicinal nas farmácias a partir de agosto

A Assembleia da República (AR) publicou esta quarta-feira, a Lei que regula a utilização de medicame...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.