Morrem entre dez a doze portugueses por dia devido à diabetes

foto de "DR" | 14.11.2017

Crianças vão ter acesso gratuito a bombas de insulina
Em média, morrem entre dez a doze portugueses por dia devido à diabetes, diz o mais recente relatório do Programa Nacional para aquela patologia, apresentado esta terça-feira em Lisboa. No ano passado foram feitas mais de mil amputações de pés, tornozelos ou pernas.

Apesar destes números, mesmo assim a mortalidade tem vindo a diminuir desde 2013, sendo que 2015 foi o ano em que registou a taxa de mortalidade padronizada mais baixa, com 19,4 mortos por 100 mil habitantes. 2016 foi o ano com menor amputações desde que há registo.
Em 2010, foram feitas mais de 1600 e passados seis anos estas caíram para 1037.

O documento revela que a doença afeta mais de um milhão de pessoas em Portugal e que morrem por ano por diabetes entre 2200 a 2500 mulheres e cerca de 1600 a 1900 homens, o que significa mais de 4% das mortes das mulheres e de 3% nos homens, estimando que 44% das pessoas com diabetes esteja por diagnosticar.

Em termos regionais, a diabetes apresenta maior prevalência no Alentejo e na região autónoma dos Açores, sendo o Algarve a região com menor prevalência.

Crianças até aos 18 anos com acesso gratuito a bombas de insulina

No dia em que se assinala o Dia Mundial da Diabetes, o Ministério da Saúde anunciou que todas as crianças até aos 18 anos com diabetes tipo 1 vão ter acesso, de forma gratuita, a bombas de insulina dentro de dois anos.

O objetivo é assegurar a cobertura do tratamento da diabetes tipo 1 até final de 2019 para toda a população em idade pediátrica.

O alargamento do acesso a bombas de insulina vai ser feito por três fases: até final deste ano, todas as crianças até 10 anos terão cobertura assegurada e, até fim de 2018, o mesmo irá acontecer para todas as crianças até 14 anos.

Em média, morrem entre dez a doze portugueses por dia devido à diabetes, diz o mais recente relatório do Programa Nacional para aquela patologia, apresentado esta terça-feira em Lisboa. No ano passado foram feitas mais de mil amputações de pés, tornozelos ou pernas 

Até final de 2019, será alargada a cobertura às bombas de insulina a toda a população pediátrica, até aos 18 anos.

Fonte oficial da tutela explicou que este faseamento se deve, sobretudo, à necessidade de dotar esta população e as famílias de capacidade e formação para utilização das bombas de insulina.

O Ministério da Saúde adianta ainda que, a par deste alargamento, foi realizado um processo de compra centralizado de bombas de insulina que permitiu uma poupança de 600 mil euros, constituindo uma redução de 45% face ao preço base.

17tm48E
14 de Novembro de 2017
1748Pub3f17tm48E

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 20.07.2018

Maioria dos médicos manifesta apoio aos chefes demissionários do Hospital d...

São já 157 os médicos da Urgência do Hospital de São José, em Lisboa, que assinaram uma carta em apo...

20.07.2018

Médicos sem especialidade podem vir a reforçar INEM

Os médicos que não conseguiram a especialidade por falta de vaga podem vir a reforçar o Instituto Na...

20.07.2018

Trinta e cinco recém-especialistas da região Centro denunciam contexto insu...

Um grupo de 35 recém-especialistas de Medicina Geral e Familiar (MGF) da região Centro alerta para a...

por Teresa Mendes | 19.07.2018

Secretária de Estado da Saúde «lança» projeto Exames Sem Papel

A partir de agosto será feita a massificação da desmaterialização do processo de requisição de meios...

por Teresa Mendes | 19.07.2018

Doentes com acesso a canábis medicinal nas farmácias a partir de agosto

A Assembleia da República (AR) publicou esta quarta-feira, a Lei que regula a utilização de medicame...

por Teresa Mendes | 18.07.2018

Doentes paliativos passam a ter direitos consagrados na Lei

As pessoas em contexto de doença avançada e em fim de vida passam a ter direitos consagrados na legi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.