Consultas nos CSP duram menos de 5 minutos para metade da população mundial

por Teresa Mendes | 14.11.2017

Estudo inclui na equipa internacional a investigadora portuguesa Ana Luísa Neves
As consultas médicas nos cuidados de saúde primários (CSP) duram menos de cinco minutos para a metade da população mundial – a duração média varia entre os 48 segundos no Bangladesh e os 22,5 minutos na Suécia, revela o maior estudo internacional realizado sobre o tema, e que inclui no seu grupo de trabalho a investigadora portuguesa Ana Luísa Neves.

A investigação foi recentemente publicada no BMJ Open Access, num artigo redigido em coautoria pela médica de família portuguesa Ana Luísa Neves (também investigadora no Departamento de Medicina da Comunidade, Informação e Decisão em Saúde da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto), em colaboração com elementos das Universidades de Cambridge, Oxford e Edimburgo e de investigadores de outras instituições britânicas e finlandesas, centrado nas variações internacionais dos tempos de consulta nos CSP.

Intitulada «International variations in primary care physician consultation time: a systematic review of 67 countries», trata-se de uma revisão sistemática que cobre 67 países, demonstrando os dados analisados que apenas três países possuem um tempo médio de consulta igual ou superior a 20 minutos – para além da Suécia, os Estados Unidos e a Bulgária. Portugal apresenta um tempo de 15,2 minutos, com dados referentes a 2014.

Segundo os resultados da investigação, «os tempos de consulta mais curtos foram associados a piores resultados de saúde para os pacientes e um maior risco de burnout para os médicos». 

As consultas médicas nos cuidados de saúde primários (CSP) duram menos de cinco minutos para a metade da população mundial – a duração média varia entre os 48 segundos no Bangladesh e os 22,5 minutos na Suécia, revela o maior estudo internacional realizado sobre o tema 

Para além disso, «as consultas mais curtas foram também associadas a múltiplos fármacos prescritos a um paciente, uso excessivo de antibióticos e má comunicação com os pacientes». 

Os investigadores concluem, aliás, que «o tempo médio de consulta tão reduzido identificado na maioria dos países poderá tendencialmente afetar de forma adversa a saúde dos pacientes, assim como a carga de trabalho e os níveis de stress dos clínicos».

O artigo pode ser consultado aqui


Teresa Mendes

17tm48H
14 de Novembro de 2017
1748Pub3f17tm48H

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.01.2018

Bastonário ameaça retirar idoneidade formativa ao Departamento de Tórax do...

A Ordem dos Médicos anunciou que vai realizar uma auditoria ao Departamento de Tórax do Centro Hospi...

15.01.2018

Enfermeiros com CIT vão ter regras iguais às da Função Pública a partir de...

Os cerca de 11 mil enfermeiros com Contrato Individual de Trabalho (CIT) vão cumprir, a partir de ju...

15.01.2018

Cerca de 200 médicos especialistas já desistiram de esperar por concursos

Pelo menos 200 dos cerca de 700 médicos que concluíram a especialidade em abril e outubro já saíram...

15.01.2018

Infarmed aprovou 60 medicamentos inovadores em 2017

No dia em que se assinala o 25.º aniversário do Infarmed, o organismo informa que, em 2017, aprovou...

12.01.2018

Canábis: Projetos baixam à CPS sem votação

Os projetos de lei para a utilização terapêutica da canábis do BE e do PAN, em discussão esta quinta...

12.01.2018

«Onde está o Wally, senhor primeiro-ministro?»

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) critica o primeiro-ministro por não saber qual o número real...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.