Coimbra, o «hospital novo», dos anos 80, está velho e a precisar de reforma

27.12.2017

Alguém percebe de arquitectura hospitalar?
Opinião de Carlos Mesquita
 
Soubemos, há cerca de quatro meses, que o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) surgia numa lista oficial com um capital estatutário duas a quatro vezes inferior aos dos centros hospitalares de Lisboa e Porto, ainda que, cada um deles, de menor dimensão.

Independentemente das razões para tal, a verdade é que isso é, pura e simplesmente, inaceitável.

Há mínimos que não devem ser ultrapassados e não podemos continuar a assistir, impávidos e serenos, ao abandono e à subalternização (muito por culpa própria, acredito) do centro do país, de que este é, apenas, mais um triste exemplo.

Outros poderão ser o desordenamento florestal e os incêndios, o estado das ferrovias e das estradas, a falta de estruturas aeroportuárias ou o empurrar, administrativa e financeiramente, para o norte, os concelhos da margem esquerda do Douro e, para o sul, os da margem direita do Tejo.
 
Reportando-me ao CHUC e ao seu bloco central (Hospitais da Universidade de Coimbra, HUC), aquilo a que se tem vindo a assistir é a uma verdadeira avalanche de doentes, principalmente na Urgência, com grande número de internamentos fora de portas e tudo o que, negativamente, isso pode implicar.
 
As dificuldades hoteleiras (aliadas a uma crónica falta de enfermeiros, que se chega a traduzir num ratio por doente quatro vezes menor quando este passa dos cuidados intermédios para uma enfermaria normal) são cada vez mais perceptíveis.

Para além da má qualidade do mobiliário, há, em função do espaço disponível, um excessivo número de camas (ao contrário do que possa pensar quem continuar a olhar para os HUC como o “elefante branco” dos anos 80).

Estará redondamente enganado quem não (quiser) perceber o verdadeiro perigo, em termos de higiene e infeção hospitalar, que são quartos com três doentes a poderem cumprimentar-se e ajudar-se de uma cama para a outra (pior, ainda, nas horas de visita), para além de tudo o que isso possa significar em termos de desrespeito pelo direito à privacidade.

Sei bem que o problema não é só nosso mas serão estas, de resto, as principais razões da ida, para os hospitais privados, dos poucos que podem dar-se a esse luxo.
 
Bastará ver televisão para poder comparar. É muito raro, nas várias séries americanas que têm a prática médica como tema de base, ver doentes em espaços que não sejam individuais; o que se vê é cada doente com o seu quarto, variando os recursos materiais e humanos disponíveis, à medida das necessidades; mesmo em ambiente de cuidado intensivo, é normal o acompanhamento por familiares e amigos.
 
No mínimo, a menos que o espaço físico dos serviços seja significativamente aumentado (tentando reaproveitar, por exemplo, o que andou a ser encerrado), devíamos reduzir num terço a nossa capacidade de internamento e tentar não receber ou transferir para outras unidades os doentes que não pudermos internar condignamente.
 
Caso contrário, pagaremos caro (pelos nossos brandos costumes e falta de radicalidade).

*Cirurgião dos HUC-CHUC

17JMA49a
21 de Novembro de 2017
1749Pub3f17JMA49a

E AINDA

por Zózimo Zorrinho | 02.07.2020

 Impacto da COVID-19 nos Sistemas de Saúde dos PALOP 

 «Conhecer, Organizar, Vencer, Investigar e Diagnosticar» é o lema do ciclo de WebSeminars, organiza...

por Zózimo Zorrinho | 02.07.2020

Filme «Saúde Digestiva by SPG»

A Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia (SPG) está a divulgar o filme «Saúde Digestiva by SPG».<b...

por Zózimo Zorrinho | 01.07.2020

Ministra da Saúde reconhece limitações na área da Saúde  Pública

A ministra da Saúde reconheceu esta quarta-feira limitações na área da saúde pública na Região de Li...

por Zózimo Zorrinho | 01.07.2020

​ Candidaturas ao Prémio Saúde Sustentável 2020 já estão abertas

Estão abertas, a partir de hoje, as candidaturas para a nona edição do Prémio Saúde Sustentável.  Es...

por Teresa Mendes | 30.06.2020

Miguel Pavão é o novo bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas 

 Miguel Pavão é novo bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas (OMD), sucedendo a Orlando Monteiro d...

por Teresa Mendes | 29.06.2020

Estudo mostra em humanos como as células adiposas humanas são afetadas pela...

O conhecimento da forma como o tecido adiposo humano é afetado pela idade tem sido definido por nume...

por Teresa Mendes | 29.06.2020

Fnam teme colapso dos serviços de saúde durante previsível nova vaga de SAR...

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) está preocupada com a ausência de medidas concretas e urgent...

por Teresa Mendes | 26.06.2020

Portugal adquire dois milhões de vacinas contra a gripe

Portugal já garantiu a aquisição de dois milhões de vacinas contra a gripe, revelou esta quarta-feir...

por Teresa Mendes | 26.06.2020

Médicos de saúde pública defendem contratação «urgente» de mais profissiona...

O presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública (ANMSP) defendeu esta quinta-feira...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.