«Médicos têm sido esbulhados no pagamento do trabalho noturno!»

30.11.2017

Maioria das unidades de saúde não está a pagar as horas na sua totalidade 
 
O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) denuncia que a maioria das unidades de saúde não está a pagar as horas noturnas na sua totalidade aos médicos sindicalizados, apresentando uma minuta para solicitar a reposição dos valores em falta. «Os médicos têm sido esbulhados no pagamento do trabalho noturno!», alerta o sindicato num comunicado.

O SIM recorda que estes clínicos têm consagrado nos seus acordos coletivos de trabalho (ACT) que, quando integrados em serviços de urgência, externa e interna, unidades de cuidados intensivos, unidades de cuidados intermédios e prolongamentos de horário nos centros de saúde, «se considera o período de trabalho noturno aquele compreendido entre as 20h00 horas e as 08h00 horas do dia seguinte, e como tal remunerado».

Ora, salienta o sindicato, «se há instituições que têm interpretado bem a legislação laboral, outras há, e são a maioria, que apenas têm pago como trabalho noturno o praticado entre as 20h00 e as 07h00 horas, e algumas mesmo apenas o praticado entre as 22h00 e as 07h00 horas».

Pode ser exigido o pagamento das horas desde a entrada em vigor do ACT a aplicar, ou seja, 14 de setembro de 2009 para quem tiver contrato de contrato de trabalho em funções públicas ou 9 de novembro de 2009 para os médicos vinculados por um contrato individual de trabalho.

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) denuncia que a maioria das unidades de saúde não está a pagar as horas noturnas na sua totalidade aos médicos sindicalizados, apresentando uma minuta para solicitar a reposição dos valores em falta

No caso de a sindicalização ser posterior a essas datas, deverá ser tida em conta a data do conhecimento pela entidade empregadora da referida sindicalização.

O comunicado pode ser consultado aqui

17tm50M
30 de Novembro de 2017
1750Pub5f17tm50M

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

12.12.2017

Cerimónia de Homenagem a Maria Odette Santos-Ferreira

A Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa (FFUL) vai homenagear Maria Odette Santos-Ferreira...

12.12.2017

Excesso de peso na adolescência aumenta risco cardiovascular no futuro

Um estudo, que mostrou que o excesso de peso na adolescência aumenta o risco cardiovascular em adult...

por Teresa Mendes | 12.12.2017

Criado grupo com 27 elementos para avaliar a deslocalização do Infarmed

São 27 as personalidades, entre médicos, farmacêuticos, professores universitários e economistas, qu...

11.12.2017

OMS lança Observatório Global de Demências 

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que os atuais 50 milhões de doentes com demências aument...

11.12.2017

Infarmed celebra 25 anos 

A Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) vai assinalar o seu 25.º aniversário numa cerimónia...

11.12.2017

Bastonário apela a «revisão urgente das carreiras médicas»

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM), Miguel Guimarães, apela ao Ministério da Saúde que faça uma...

11.12.2017

 Governo vai avaliar situação da associação Raríssimas

O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social vai «avaliar a situação» da Raríssimas e...

07.12.2017

Professores da FMUL vencem Prémios Neurociências Santa Casa 2017

Os prémios Neurociências Santa Casa 2017 destacaram dois professores da Faculdade de Medicina da Uni...

07.12.2017

«Queremos ser claramente a melhor central de compras na Europa»

«Queremos ser claramente a melhor central de compras na Europa», afirmou Henrique Martins, president...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.