Utentes com patologia respiratória crónica contam com equipa multidisciplinar

05.12.2017

Programa de Reabilitação Respiratória no CHL
Desde o final de novembro que o Centro Hospitalar de Leiria (CHL) disponibiliza um Programa de Reabilitação Respiratória, que visa controlar a doença e melhorar a sintomatologia dos utentes com doenças respiratórias crónicas, graças a uma intervenção multidisciplinar.

Num comunicado, o centro hospitalar salienta que esta nova valência, em funcionamento no Serviço de Medicina Física e Reabilitação no Hospital de Santo André, em Leiria (integrado no CHL), tem uma equipa multidisciplinar, que junta pneumologistas, fisiatras, fisioterapeutas e técnicos de cardiopneumologia, com a consultoria de psiquiatras, nutricionistas e assistentes sociais.

Com o novo programa, os doentes são integrados num tratamento individualizado, que, como explica Filipa Januário, médica do Serviço de Medicina Física e de Reabilitação, «inclui exercícios de reeducação do ato respiratório, fortalecimento muscular e recondicionamento aeróbio, com o objetivo de reduzir os sintomas, promover o estado funcional, aumentar a participação e a independência dos utentes e promover a atividade física durante e após o programa». Uma das doenças muito prevalentes de foro respiratório que se adequam a este programa de reabilitação é a doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC).

Por sua vez, Sónia Silva, médica do Serviço de Pneumologia, refere que «a mais-valia de um Programa de Reabilitação Respiratória na DPOC inclui a melhoria sobre a capacidade de esforço, da dispneia, da fadiga, da qualidade de vida, e a redução da ansiedade e da depressão.

Também mostra benefícios no número e na gravidade de exacerbações da doença, e na consequente utilização dos serviços de saúde, e no prognóstico da doença, internamentos e mortalidade».

Condições de admissão ao programa

O programa inclui uma avaliação do doente candidato na consulta de Pneumologia Geral.
Na área da Pneumologia, é feito o levantamento do historial clínico, bem como exames objetivos e complementares de diagnóstico. Após nova avaliação na consulta de Medicina Física e Reabilitação, e da consultoria das áreas de Psiquiatria, Nutrição e Serviço Social, o utente poderá ser admitido.

Os utentes com doença respiratória crónica podem participar no programa desde que reúnam as seguintes condições: estejam diagnosticados em determinado estádio de evolução da doença, com uma terapêutica farmacológica otimizada, exacerbações ou crises e recurso a assistência hospitalar frequente.
O programa integra sessões de treino, com exercícios de controlo ventilatório, aeróbio, fortalecimento muscular, alongamento muscular e relaxamento.

Os treinos podem ser realizados duas vezes por semana, durante oito semanas, e cada sessão tem a duração de 90 minutos, com lotação entre três e seis doentes. Os treinos decorrem às segundas e quartas-feiras, a partir das 9 horas.

Abrange ainda a concretização de sessões educativas, ministradas pelos Serviços de Pneumologia e de Medicina Física e Reabilitação.

O programa integra sessões de treino, com exercícios de controlo ventilatório, aeróbio, fortalecimento muscular, alongamento muscular e relaxamento 
 
Os conteúdos versam as temáticas de como lidar com a DPOC, cessação tabágica, medicação e estratégias de controlo de dispneia, bem como apresenta uma componente mais prática, com o ensino de exercícios para relaxamento e de estratégias de conservação de energia. Incentivar a prática de exercício durante e após o programa é também objetivo da iniciativa, conclui o centro hospitalar.

17tm51H
05 de Dezembro de 2017
1751Pub3f17tm51H

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 07.12.2018

 Se for preciso, o HSM vai operar mesmo «com a discordância dos piquetes de...

Desde o início da greve dos enfermeiros, há duas semanas, que o Hospital de Santa Maria não consegui...

por Teresa Mendes | 07.12.2018

 Estudo aponta para «forte desinvestimento» nos cuidados de saúde primários

O número de Unidades de Saúde Familiar (USF) a iniciar atividade este ano foi o mais baixo de sempre...

por Teresa Mendes | 07.12.2018

Crianças com epilepsia e convulsões têm maior risco de desenvolver distúrbi...

Crianças com epilepsia e convulsões febris - com e sem epilepsia concomitante - correm um maior risc...

06.12.2018

 «Consciência de Médico – profissionalismo e humanismo» em debate em janeir...

A Associação de Saúde Infantil de Coimbra (ASIC) promove, nos dias 18 e 19 de janeiro de 2019, o con...

por Teresa Mendes | 06.12.2018

Dívida dos hospitais aos laboratórios diminuiu em outubro

Em outubro, a dívida dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) à Indústria Farmacêutica regis...

por Teresa Mendes | 06.12.2018

«Estão a ser afetados doentes de extrema gravidade»

O presidente da Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares (APAH) alertou esta quarta-fe...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.