Utentes com patologia respiratória crónica contam com equipa multidisciplinar

05.12.2017

Programa de Reabilitação Respiratória no CHL
Desde o final de novembro que o Centro Hospitalar de Leiria (CHL) disponibiliza um Programa de Reabilitação Respiratória, que visa controlar a doença e melhorar a sintomatologia dos utentes com doenças respiratórias crónicas, graças a uma intervenção multidisciplinar.

Num comunicado, o centro hospitalar salienta que esta nova valência, em funcionamento no Serviço de Medicina Física e Reabilitação no Hospital de Santo André, em Leiria (integrado no CHL), tem uma equipa multidisciplinar, que junta pneumologistas, fisiatras, fisioterapeutas e técnicos de cardiopneumologia, com a consultoria de psiquiatras, nutricionistas e assistentes sociais.

Com o novo programa, os doentes são integrados num tratamento individualizado, que, como explica Filipa Januário, médica do Serviço de Medicina Física e de Reabilitação, «inclui exercícios de reeducação do ato respiratório, fortalecimento muscular e recondicionamento aeróbio, com o objetivo de reduzir os sintomas, promover o estado funcional, aumentar a participação e a independência dos utentes e promover a atividade física durante e após o programa». Uma das doenças muito prevalentes de foro respiratório que se adequam a este programa de reabilitação é a doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC).

Por sua vez, Sónia Silva, médica do Serviço de Pneumologia, refere que «a mais-valia de um Programa de Reabilitação Respiratória na DPOC inclui a melhoria sobre a capacidade de esforço, da dispneia, da fadiga, da qualidade de vida, e a redução da ansiedade e da depressão.

Também mostra benefícios no número e na gravidade de exacerbações da doença, e na consequente utilização dos serviços de saúde, e no prognóstico da doença, internamentos e mortalidade».

Condições de admissão ao programa

O programa inclui uma avaliação do doente candidato na consulta de Pneumologia Geral.
Na área da Pneumologia, é feito o levantamento do historial clínico, bem como exames objetivos e complementares de diagnóstico. Após nova avaliação na consulta de Medicina Física e Reabilitação, e da consultoria das áreas de Psiquiatria, Nutrição e Serviço Social, o utente poderá ser admitido.

Os utentes com doença respiratória crónica podem participar no programa desde que reúnam as seguintes condições: estejam diagnosticados em determinado estádio de evolução da doença, com uma terapêutica farmacológica otimizada, exacerbações ou crises e recurso a assistência hospitalar frequente.
O programa integra sessões de treino, com exercícios de controlo ventilatório, aeróbio, fortalecimento muscular, alongamento muscular e relaxamento.

Os treinos podem ser realizados duas vezes por semana, durante oito semanas, e cada sessão tem a duração de 90 minutos, com lotação entre três e seis doentes. Os treinos decorrem às segundas e quartas-feiras, a partir das 9 horas.

Abrange ainda a concretização de sessões educativas, ministradas pelos Serviços de Pneumologia e de Medicina Física e Reabilitação.

O programa integra sessões de treino, com exercícios de controlo ventilatório, aeróbio, fortalecimento muscular, alongamento muscular e relaxamento 
 
Os conteúdos versam as temáticas de como lidar com a DPOC, cessação tabágica, medicação e estratégias de controlo de dispneia, bem como apresenta uma componente mais prática, com o ensino de exercícios para relaxamento e de estratégias de conservação de energia. Incentivar a prática de exercício durante e após o programa é também objetivo da iniciativa, conclui o centro hospitalar.

17tm51H
05 de Dezembro de 2017
1751Pub3f17tm51H

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

23.02.2018

Estudo divulga os antidepressivos mais e menos eficazes

Colocando um «ponto final» no cetipcismo em torno dos antidepressivos, um estudo liderado pela Unive...

23.02.2018

Criado e-mail para receber denúncias sobre as deficiências do SNS

A Ordem dos Médicos (OM) entregou esta quinta-feira, na Comissão Parlamentar de Saúde (CPS), uma car...

23.02.2018

Quatro canais de televisão unem-se em campanha do Governo sobre riscos do a...

O humorista Herman José, a atriz Joana Solnado e o ator Lourenço Ortigão aceitaram o desafio de part...

por Teresa Mendes | 22.02.2018

Nomeada nova diretora executiva do Plano Nacional da Saúde

Maria de Fátima Quitério, assistente graduada da carreira médica de saúde pública, do mapa de pessoa...

22.02.2018

Processo para abrir concurso para 700 jovens médicos está nas Finanças

Após ter dito em janeiro que os concursos para os mais de 700 médicos recém-especialistas iam ser ab...

22.02.2018

Hospital Monsanto inaugurado

O Hospital Monsanto foi esta quinta-feira inaugurado, em Alfragide, Lisboa.<br /> A infraestrutura,...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.