João de Deus distinguido como um dos «Mais influentes» do mundo no sector da Saúde

06.12.2017

Médico coordena equipa que vai criar na Europa uma nova academia de liderança clínica
O médico João de Deus, membro do Conselho Nacional da Ordem dos Médicos (OM) e presidente da Associação Europeia dos Médicos Hospitalares, integra a lista das 100 personalidades Mais Influentes da Saúde a nível mundial, organizada pelo Grupo Mídia.
O oftalmologista recebeu a distinção, na categoria Associações e Federações, em Düsseldorf, na Alemanha, informou a OM num comunicado. 

Segundo a informação à Imprensa, em 2018, o especialista em Oftalmologia, que fez ainda parte do Comité Permanente dos Médicos Europeus (CPME) e do Secretariado Nacional do Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e foi membro da direção da OM, será responsável pela coordenação de um projeto pioneiro na Europa, em parceria com UEMS (European Union of Medical Specialists): uma academia de liderança clínica.

Esta primeira edição mundial do «Prémio 100 Mais Influentes da Saúde» foi organizada pelo grupo editorial brasileiro, Grupo Mídia, que detém várias publicações especializadas na área da saúde, e decorreu no maior encontro do setor, em novembro. A distinção visa homenagear os profissionais que mais se destacaram no último ano, em todo o mundo, no setor da Saúde.

«Foi uma honra e uma surpresa receber este prémio. É o reconhecimento, não só do meu contributo, mas também de todo o trabalho da equipa que me acompanha quer na Associação, quer na Ordem dos Médicos», afirmou João de Deus, que se destacou pelo trabalho desenvolvido em duas áreas: a liderança clínica e o “task shifting” (transferência de tarefas médicas para outros profissionais de saúde).

Ao nível da liderança, é coordenador da equipa que vai criar na Europa uma nova academia de liderança clínica, com o objetivo de certificar e formar os médicos nestas competências.
O médico desenvolveu ainda vários estudos sobre “task shifting”, que avaliaram o impacto negativo da transferência de tarefas médicas para outros profissionais.

Para João de Deus, a criação de uma academia europeia «é essencial para reconhecer e valorizar as competências de liderança dos médicos em benefício dos doentes.
Os médicos são os primeiros responsáveis pela prestação de cuidados de saúde eficientes e a qualidade da liderança é fundamental para o bom funcionamento de qualquer sistema de saúde», salienta.

Já a transferência de competências médicas «comporta elevados riscos e tem como consequência comprovada a diminuição da qualidade dos cuidados prestados ao doente», só podendo ser encarada como possibilidade em circunstâncias em que se verifique a ausência de médicos.

«Não se pode pôr em causa a saúde e qualidade de cuidados prestados ao doente. Só mesmo se não existirem médicos num determinado país ou por delegação de competências, mas sempre sob supervisão médica», explica o especialista que é o único português no TOP 10 dos 100 Mais Influentes do setor da Saúde, premiados em 10 categorias: Associações e Federações, Negócios, Indústria, Inovação, Hospitais, Educação e Investigação, Referência, Gestão, Filantropia e Sustentabilidade. 

«Foi uma honra e uma surpresa receber este prémio. É o reconhecimento, não só do meu contributo, mas também de todo o trabalho da equipa que me acompanha quer na Associação, quer na Ordem dos Médicos», afirmou João de Deus 

Entre os 100 Mais Influentes estão nomes como Melinda Gates, copresidente da Fundação Bill & Melinda Gates (na categoria Referência), ou Yoshinori Ohsumi, Nobel da Medicina de 2016 (categoria Educação e Investigação).

Os candidatos foram selecionados através de uma consulta à comunidade médica e a votação final foi conduzida pelo conselho editorial do Grupo Mídia, composto pelo CEO, diretores, editores e jornalistas das publicações especializadas do grupo. 

O Prémio dos 100 Mais Influentes do Brasil já existe há cinco anos e, este ano, estreou-se a nível mundial.

17tm51i
06 de Dezembro de 2017
1751Pub4f17tm51i

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 07.12.2018

Transportar «a bandeira da lusofonia»

 João Morais foi recentemente eleito presidente da Federação das Sociedades de Cardiologia de Língua...

por Teresa Mendes | 07.12.2018

 Se for preciso, o HSM vai operar mesmo «com a discordância dos piquetes de...

Desde o início da greve dos enfermeiros, há duas semanas, que o Hospital de Santa Maria não consegui...

por Teresa Mendes | 07.12.2018

 Estudo aponta para «forte desinvestimento» nos cuidados de saúde primários

O número de Unidades de Saúde Familiar (USF) a iniciar atividade este ano foi o mais baixo de sempre...

por Teresa Mendes | 07.12.2018

Crianças com epilepsia e convulsões têm maior risco de desenvolver distúrbi...

Crianças com epilepsia e convulsões febris - com e sem epilepsia concomitante - correm um maior risc...

06.12.2018

 «Consciência de Médico – profissionalismo e humanismo» em debate em janeir...

A Associação de Saúde Infantil de Coimbra (ASIC) promove, nos dias 18 e 19 de janeiro de 2019, o con...

por Teresa Mendes | 06.12.2018

Dívida dos hospitais aos laboratórios diminuiu em outubro

Em outubro, a dívida dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) à Indústria Farmacêutica regis...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.