Governo renova PPP de Cascais com receio de atrasos no novo concurso

por Teresa Mendes | 18.01.2018

Presidente da ARSLVT ouvido na CPS da AR
 
 O receio pelos atrasos que um novo concurso possa provocar foram os motivos apresentados pelo presidente da ARSLVT, Luís Pisco, aos deputados, para que o contrato de gestão do Hospital de Cascais seja, afinal, renovado até 2020. A informação foi dada pelo responsável esta quarta-feira na Comissão Parlamentar de Saúde (CPS).

Para além de Luís Pisco, também o coordenador das Parcerias Público Privadas (PPP), João Matos, foi ouvido sobre o prolongamento, em novembro, do contrato da parceria entre o Estado e o Grupo Lusíadas Saúde para a gestão do Hospital de Cascais.

A decisão do Governo acabou por ser o lançamento de um novo concurso internacional, mas «a complexidade do processo pode provocar alguns atrasos», pelo que, «por segurança», foi decidido «renovar até ao máximo de dois anos» o acordo com o parceiro, disse Luís Pisco, acrescentando que «esta renovação até ao máximo de dois anos só é válida caso não seja possível ter o concurso pronto para funcionar no início do próximo ano e apenas durante o tempo em que isso não aconteça».

«É apenas uma segurança para que, se houver algum tipo de atraso, não haja problemas assistenciais», reforçou o responsável.

A deputada do PCP Carla Cruz salientou que os comunistas, que pediram estas audições, «rejeitam claramente esta opção» de PPP, considerando que são «uma má opção de gestão» e «uma má opção de prestação de cuidados de saúde». 

Também Moisés Ferreira, do BE, observou que as PPP «um passo perigoso» para o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e defendeu que «o que está a acontecer em Cascais é a mercantilização da saúde», existindo valências que este hospital não presta, como doenças mentais, Oncologia e doentes com HIV.

O receio pelos atrasos que um novo concurso possa provocar foram os motivos apresentados pelo presidente da ARSLVT, Luís Pisco, aos deputados, para que o contrato de gestão do Hospital de Cascais seja, afinal, renovado até 2020 

Luís Pisco acabou por admitir que, «sendo este (PPP) o mais antigo, é aquele que tem maiores problemas», garantindo que «está tudo a ser identificado para o novo contrato».

João Matos, coordenador das PPP, explicou que o Hospital de Cascais «não podia tratar doentes com HIV porque, quando foi feito o protocolo, não tinha serviço de Infeciologia» e que «Psiquiatria e Oncologia são situações novas que são posteriores ao contrato».

18tm03N
18 de Janeiro de 2018
1803Pub5f18tm03N

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.06.2019

Rui Ivo volta a ser presidente do Infarmed

Rui Ivo é nomeado, pela segunda vez, presidente da direção do Infarmed.<br /> A nomeação do Conselh...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 Médicos estão cada vez mais receosos quando têm que denunciar insuficiênci...

Os profissionais de saúde têm «cada vez mais receio» de denunciar situações de insuficiências ou mau...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 IPO Lisboa apela à dádiva de sangue

No âmbito do Dia Mundial do Dador de Sangue, que se celebra esta sexta-feira, dia 14 de junho, o Ser...

14.06.2019

Taxas moderadoras nos centros de saúde com fim à vista

A proposta do Bloco de Esquerda que dita o fim das taxas moderadoras nos centros de saúde vai ser vo...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Médicos com alojamento assegurado para reforço de cuidados de saúde no verã...

 A Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve vai assegurar residência aos médicos que queiram...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Argumentos que pretendem proibir PPP na saúde «não são razoáveis»

Numa altura em que foi adiada a votação do artigo sobre as PPP da Lei de Bases da Saúde para o próxi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.