Governo renova PPP de Cascais com receio de atrasos no novo concurso

por Teresa Mendes | 18.01.2018

Presidente da ARSLVT ouvido na CPS da AR
 
 O receio pelos atrasos que um novo concurso possa provocar foram os motivos apresentados pelo presidente da ARSLVT, Luís Pisco, aos deputados, para que o contrato de gestão do Hospital de Cascais seja, afinal, renovado até 2020. A informação foi dada pelo responsável esta quarta-feira na Comissão Parlamentar de Saúde (CPS).

Para além de Luís Pisco, também o coordenador das Parcerias Público Privadas (PPP), João Matos, foi ouvido sobre o prolongamento, em novembro, do contrato da parceria entre o Estado e o Grupo Lusíadas Saúde para a gestão do Hospital de Cascais.

A decisão do Governo acabou por ser o lançamento de um novo concurso internacional, mas «a complexidade do processo pode provocar alguns atrasos», pelo que, «por segurança», foi decidido «renovar até ao máximo de dois anos» o acordo com o parceiro, disse Luís Pisco, acrescentando que «esta renovação até ao máximo de dois anos só é válida caso não seja possível ter o concurso pronto para funcionar no início do próximo ano e apenas durante o tempo em que isso não aconteça».

«É apenas uma segurança para que, se houver algum tipo de atraso, não haja problemas assistenciais», reforçou o responsável.

A deputada do PCP Carla Cruz salientou que os comunistas, que pediram estas audições, «rejeitam claramente esta opção» de PPP, considerando que são «uma má opção de gestão» e «uma má opção de prestação de cuidados de saúde». 

Também Moisés Ferreira, do BE, observou que as PPP «um passo perigoso» para o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e defendeu que «o que está a acontecer em Cascais é a mercantilização da saúde», existindo valências que este hospital não presta, como doenças mentais, Oncologia e doentes com HIV.

O receio pelos atrasos que um novo concurso possa provocar foram os motivos apresentados pelo presidente da ARSLVT, Luís Pisco, aos deputados, para que o contrato de gestão do Hospital de Cascais seja, afinal, renovado até 2020 

Luís Pisco acabou por admitir que, «sendo este (PPP) o mais antigo, é aquele que tem maiores problemas», garantindo que «está tudo a ser identificado para o novo contrato».

João Matos, coordenador das PPP, explicou que o Hospital de Cascais «não podia tratar doentes com HIV porque, quando foi feito o protocolo, não tinha serviço de Infeciologia» e que «Psiquiatria e Oncologia são situações novas que são posteriores ao contrato».

18tm03N
18 de Janeiro de 2018
1803Pub5f18tm03N

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 21.03.2019

Infarmed aprova utilização de canábis para sete indicações terapêuticas

São sete as indicações terapêuticas para a utilização de medicamentos à base de canábis medicinal au...

por Teresa Mendes | 21.03.2019

Contratação simplificada: Técnicos de diagnóstico e terapêutica também fica...

Não são só os médicos que se sentem discriminados por não serem contemplados no processo de contrata...

21.03.2019

 Médicos alertam para rutura na Neonatologia da Maternidade Bissaya Barreto

O Sindicato dos Médicos da Zona Centro (SMZC) alertou esta quarta-feira para a rutura iminente no se...

21.03.2019

 Tutela estuda alargamento do cheque dentista a crianças menores de seis an...

O Ministério da Saúde está a estudar o alargamento dos cheques dentista a crianças menores de seis a...

20.03.2019

 APMGF teme que consultas por telemóvel aumentem as desigualdades

O presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) critica a nova ferramenta...

20.03.2019

OM quer reunião urgente com ministra após «nível de desprezo» inédito

A Ordem dos Médicos (OM) pediu esta terça-feira uma reunião com caráter de urgência à ministra da Sa...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.