42% dos médicos americanos estão em burnout

18.01.2018

Inquérito reuniu as respostas de mais de 15 mil clínicos
Quarenta e dois por cento dos médicos americanos dizem estar em burnout, enquanto 15% sentem-se deprimidos, segundo o relatório de 2018 da Medscape sobre o assunto.
O inquérito, que reúne as respostas de mais de 15 mil clínicos de 29 especialidades, mostra que metade daqueles que relataram burnout têm este sentimento regularmente.

Os médicos mais felizes no trabalho são os oftalmologistas, ortopedistas, cirurgiões plásticos e patologistas. Já os menos felizes trabalham nas áreas da diabetes e Endocrinologia, Medicina Geral e Familiar, Cuidados Intensivos, Medicina Interna e Cardiologia.

Os clínicos dos Cuidados Intensivos e os neurologistas foram os que relataram mais burnout (48%), seguidos dos médicos de família (47%). 

Os cirurgiões plásticos são os que menos sentem burnout (23%).

A Medscape perguntou também se os clínicos tinham ambos os sentimentos, burnout e depressão.
E, neste campo, os especialistas em Obstetrícia/Ginecologia estão em primeiro lugar, com 20% a afirmar que sentem ambos.

As mulheres são quem tende a denunciar mais o sentimento de burnout, sendo os médicos entre os 45 e os 54 anos os mais atingidos.

Demasiada burocracia foi o principal fator que contribuiu para o burnout, apontado por 56% dos entrevistados. Passar muito tempo no trabalho e falta de respeito de colegas, administradores ou funcionários foram os segundos e terceiros fatores, respetivamente.

Curiosamente, a atuação governamental, ou um menor vencimento foram aspetos menos importantes, com apenas 15% a 16% dos entrevistados a nomeá-los.

Os médicos mais felizes no trabalho são os oftalmologistas, ortopedistas, cirurgiões plásticos e patologistas. Já os menos felizes trabalham nas áreas da diabetes e Endocrinologia, Medicina Geral e Familiar, Cuidados Intensivos, Medicina Interna e Cardiologia 

Perguntados sobre se a depressão teve algum impacto no atendimento ao doente, cerca de 40% disseram que não afetou sua interação com os pacientes. No entanto, cerca de um terço reconheceu ser menos envolvente, mais exasperado e menos amigável com os pacientes devido à sua depressão.

O relatório, intitulado «Medscape National Physician Burnout & Depression Report 2018», pode ser consultado na íntegra aqui

18tm03M
18 de Janeiro de 2018
1803Pub5f18tm03M

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.09.2018

Abertas as candidaturas ao Prémio Artur Santos Silva da LPCC

Estão abertas, até ao próximo dia 19 de outubro, as candidaturas ao Prémio Nacional de Oncologia da...

24.09.2018

 Governo quer aumentar taxa sobre o açúcar nos refrigerantes

A taxa máxima do imposto sobre o açúcar nos refrigerantes pode aumentar de 16 para 20 euros por cada...

por Teresa Mendes | 21.09.2018

7.ª Reunião da Vigilância Epidemiológica da Gripe em Portugal

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa), em colaboração com a Direção-Geral da Saú...

por Teresa Mendes | 21.09.2018

 «Acesso à saúde é caro e tem de ser pago», alerta Teodora Cardoso

A presidente do Conselho das Finanças Públicas (CFP) alertou esta quinta-feira para a necessidade do...

por Teresa Mendes | 20.09.2018

 Portugueses têm «importantes lacunas no conhecimento sobre a doença cardio...

Um estudo publicado na mais recente edição da Revista Portuguesa de Cardiologia conclui que existem...

por Teresa Mendes | 20.09.2018

Governo autoriza concurso para o Centro Pediátrico do Hospital de São João

O conselho de administração do Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ) foi autorizado pe...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.