Depois dos médicos, também os enfermeiros ameaçam com nova greve

26.01.2018

«Vamos intervir porque não podemos esperar»
Os sindicatos médicos deram dois meses para que Ministério da Saúde apresente propostas, prometendo avançar com uma greve de três dias no final de março se não houver respostas.
Os enfermeiros juntam-se agora ao protesto e ameaçarem com nova paralisação já em fevereiro caso a revisão da carreira especial de enfermagem não seja iniciada «de imediato».

«Foi assinado um Memorando de Entendimento entre o Ministério da Saúde e o Sindicato dos Enfermeiros e Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem que dizia claramente que teria que ser efetuada no início de 2018 a revisão de carreira da enfermagem e tal não está a acontecer», disse à agência Lusa Emanuel Boieiro, vogal da direção da Federação Nacional dos Sindicatos dos Enfermeiros (Fense), inclui os dois sindicatos.

O Memorando de Entendimento, assinado em outubro de 2017, previa a revisão da carreira especial de enfermagem no início de 2018, «mas 25 dias depois do início do ano ainda nem está estabelecido um cronograma negocial das matérias que se vão rever», adiantou o enfermeiro Emanuel Boieiro.

«Nós queremos rever a carreira e já tínhamos chegado a um entendimento que era necessário e urgente fazê-lo», frisou o dirigente, adiantando que «os dois sindicatos estão a reunir a os seus órgãos» e a «ponderar iniciar formas de luta que incluem a greve, já durante o mês de fevereiro».

Os enfermeiros juntam-se aos médicos no protesto e ameaçam com nova paralisação já em fevereiro caso a revisão da carreira especial de enfermagem não seja iniciada «de imediato» 

«O que está decidido é que vamos intervir porque não podemos esperar», sublinhou.

Recorde-se que o instrumento de regulamentação coletiva transitória e parcial até à revisão da carreira assenta em três pontos essenciais: igualar as regras para os enfermeiros que têm contratos de trabalho em funções públicas, no que diz respeitos à avaliação de desempenho, aos concursos e às 35 horas por semana a partir de julho.


18tm04T
26 de Janeiro de 2018
1804Pub6f17tm04T

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 07.12.2018

Transportar «a bandeira da lusofonia»

 João Morais foi recentemente eleito presidente da Federação das Sociedades de Cardiologia de Língua...

por Teresa Mendes | 07.12.2018

 Se for preciso, o HSM vai operar mesmo «com a discordância dos piquetes de...

Desde o início da greve dos enfermeiros, há duas semanas, que o Hospital de Santa Maria não consegui...

por Teresa Mendes | 07.12.2018

 Estudo aponta para «forte desinvestimento» nos cuidados de saúde primários

O número de Unidades de Saúde Familiar (USF) a iniciar atividade este ano foi o mais baixo de sempre...

por Teresa Mendes | 07.12.2018

Crianças com epilepsia e convulsões têm maior risco de desenvolver distúrbi...

Crianças com epilepsia e convulsões febris - com e sem epilepsia concomitante - correm um maior risc...

06.12.2018

 «Consciência de Médico – profissionalismo e humanismo» em debate em janeir...

A Associação de Saúde Infantil de Coimbra (ASIC) promove, nos dias 18 e 19 de janeiro de 2019, o con...

por Teresa Mendes | 06.12.2018

Dívida dos hospitais aos laboratórios diminuiu em outubro

Em outubro, a dívida dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) à Indústria Farmacêutica regis...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.