Depois dos médicos, também os enfermeiros ameaçam com nova greve

26.01.2018

«Vamos intervir porque não podemos esperar»
Os sindicatos médicos deram dois meses para que Ministério da Saúde apresente propostas, prometendo avançar com uma greve de três dias no final de março se não houver respostas.
Os enfermeiros juntam-se agora ao protesto e ameaçarem com nova paralisação já em fevereiro caso a revisão da carreira especial de enfermagem não seja iniciada «de imediato».

«Foi assinado um Memorando de Entendimento entre o Ministério da Saúde e o Sindicato dos Enfermeiros e Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem que dizia claramente que teria que ser efetuada no início de 2018 a revisão de carreira da enfermagem e tal não está a acontecer», disse à agência Lusa Emanuel Boieiro, vogal da direção da Federação Nacional dos Sindicatos dos Enfermeiros (Fense), inclui os dois sindicatos.

O Memorando de Entendimento, assinado em outubro de 2017, previa a revisão da carreira especial de enfermagem no início de 2018, «mas 25 dias depois do início do ano ainda nem está estabelecido um cronograma negocial das matérias que se vão rever», adiantou o enfermeiro Emanuel Boieiro.

«Nós queremos rever a carreira e já tínhamos chegado a um entendimento que era necessário e urgente fazê-lo», frisou o dirigente, adiantando que «os dois sindicatos estão a reunir a os seus órgãos» e a «ponderar iniciar formas de luta que incluem a greve, já durante o mês de fevereiro».

Os enfermeiros juntam-se aos médicos no protesto e ameaçam com nova paralisação já em fevereiro caso a revisão da carreira especial de enfermagem não seja iniciada «de imediato» 

«O que está decidido é que vamos intervir porque não podemos esperar», sublinhou.

Recorde-se que o instrumento de regulamentação coletiva transitória e parcial até à revisão da carreira assenta em três pontos essenciais: igualar as regras para os enfermeiros que têm contratos de trabalho em funções públicas, no que diz respeitos à avaliação de desempenho, aos concursos e às 35 horas por semana a partir de julho.


18tm04T
26 de Janeiro de 2018
1804Pub6f17tm04T

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Fnam pede intervenção do CNS para reformular organização dos hospitais 

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) apela ao presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS) para...

15.02.2019

 Ministério da Saúde vai abrir novas convenções na área da hemodiálise

O Ministério da Saúde vai abrir novas convenções com prestadores para a área da hemodiálise, esperan...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

 Ciência Viva abre candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde»

Estão abertas as candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde», uma iniciativa da Ciência Viva - Agênci...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Publicado o primeiro manual de apoio à pessoa com doença rara

As pessoas com doença rara têm, pela primeira vez, acesso a um manual de apoio, que compila informaç...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

Desde 2013 que o SNS não fazia tão poucas cirurgias

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) registou um aumento da atividade assistencial em 2018, quer no núm...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

O BREXIT explicado às empresas do setor da Saúde

Para esclarecer a questão do BREXIT às empresas portuguesas do setor da Saúde, a AICEP organiza, em...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.