Células estaminais podem recuperar doentes com AVC

31.01.2018

Estudo observacional vai passar a ensaio clínico
Investigadores de Coimbra vão utilizar células estaminais para recuperar doentes que sofreram acidentes vasculares cerebrais (AVC) isquémicos agudos, segundo um estudo que vai passar a ensaio clínico no segundo semestre deste ano.

O estudo observacional, iniciado há quatro anos, e que envolveu a unidade de AVC do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), Centro de Neurociências e Biologia Celular de Coimbra, Hospital Rovisco Pais (Tocha) e os laboratórios Crioestaminal, concluiu que as células progenitoras endoteliais contribuem para reconstituir os vasos lesados.

«O que fizemos [no estudo] foi demonstrar que existem células estaminais que estão associadas ao desenvolvimento de novos vasos, que nós todos temos no sangue, em concentrações muito pequenas, produzidas pela medula óssea, que nos permitem fazer novos vasos sempre que precisamos», explicou à agência Lusa o coordenador João Sargento Freitas, da unidade de AVC do CHUC.

Segundo o neurologista, «vai-se retirar células do doente diretamente da medula óssea, separar-se as células que fazem vasos e injetá-las por cateter diretamente na zona do AVC».

Para o médico e investigador, pretende-se com esta nova hipótese de tratamento, alternativa às atuais, «recriar novos vasos para voltar a dar sangue à zona que foi lesada».

Na prática, acrescenta, o método passa por «otimizar os recursos de cada um, colocando o maior número de células que se conseguir no sítio onde elas são precisas (local do AVC)».

Esta é uma técnica inovadora em todo o mundo, que vai ser testada em 30 doentes, durante um ano, a partir do segundo semestre, e que tem financiamento garantido de cerca de um milhão de euros, através do programa comunitário Compete 2020.

«Os dados preliminares são promissores e realmente indicam que têm potencial e um impacto clínico importante em doentes, mas agora queremos, como em qualquer passo de investigação, validar e demonstrar a sua eficácia no ensaio clínico», frisou o coordenador do estudo.

Esta é uma técnica inovadora em todo o mundo, que vai ser testada em 30 doentes, durante um ano, a partir do segundo semestre, e que tem financiamento garantido de cerca de um milhão de euros, através do programa comunitário Compete 2020 

Salientando que foram os «resultados do estudo que alavancaram o ensaio clínico», o neurologista do CHUC considera que o objetivo final é demonstrar a investigação clínica para que depois o tratamento a doentes de AVC seja disseminado por outros centros, «confirmando-se a eficácia que estamos à espera».

18tm05K
31 de Janeiro de 2018
1805Pub4f17tm05K

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 23.08.2019

Definido o perfil dos alimentos e bebidas com publicidade restrita

O perfil nutricional dos alimentos e bebidas que passam a ter restrições à publicidade a menores de...

por Teresa Mendes | 23.08.2019

16.º Encontro Nacional de Atualização em Infeciologia

A Associação de Apoio às Reuniões de Infeciologia (AARI) vai realizar a 16.ª edição do Encontro Naci...

por Teresa Mendes | 23.08.2019

 Ministério das Finanças impede compra de 75 novas ambulâncias para o INEM

O Ministério das Finanças impediu o INEM de comprar 75 novas ambulâncias para equipar os postos de e...

por Teresa Mendes | 22.08.2019

3.ª edição do workshop «O doente no centro da imunoterapia»

 A MSD realiza, no próximo dia 12 de outubro, na Sala Tejo do Altice Arena, em Lisboa, a 3.ª edição...

por Teresa Mendes | 22.08.2019

«A Idade do Amanhã – Desafios Éticos da Longevidade»

«A Idade do Amanhã – Desafios Éticos da Longevidade» O Conselho Nacional de Ética para as Ciências d...

por Teresa Mendes | 22.08.2019

 USF Extramuros inaugurada

Foi inaugurada, esta quinta-feira, a Unidade de Saúde Familiar (USF) Extramuros, em S. João da Talha...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.