Enfarte agudo do miocárdio: dois terços dos portugueses desconhecem sintomas

01.02.2018

Mortalidade de 11 pessoas em Portugal por dia
Mais de dois terços da população portuguesa desconhece os sintomas do enfarte agudo do miocárdio e cerca de 50% dos doentes recorrem a unidades de saúde que não têm capacidade para realizar o tratamento adequado, alertam os médicos cardiologistas da Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC).

Esta é uma situação que pode ser prevenida ao ligar para o 112, explica João Brum Silveira, presidente da APIC que, este ano, vai «concentrar todos esforços se na valorização dos sintomas de enfarte agudo do miocárdio, por parte do doente, e no alerta para que na presença desses liguem de imediato para o número de emergência médica, para que seja encaminhado para um hospital que tenha a assistência médica mais adequada».

Este dirigente que também era coordenador da iniciativa «Stent Save a Life – Não perca tempo, Salve uma Vida», promovida em Portugal pela APIC, passou agora o testemunho a Pedro Farto e Abreu, responsável da Cardiologia de Intervenção do Hospital Fernando Fonseca desde o seu início.

«Assumo este novo desafio com um grande sentido de responsabilidade. Portugal tem sido indicado como um exemplo europeu na implementação desta iniciativa e assim desejamos continuar. Fruto de um trabalho em equipa, esperamos com o “Stent Save a Life” melhorar a prestação de cuidados médicos ao doente com enfarte e o seu acesso ao tratamento mais adequado», salienta Pedro Farto e Abreu num comunicado.

Mais de dois terços da população portuguesa desconhece os sintomas do enfarte agudo do miocárdio e cerca de 50% dos doentes recorrem a unidades de saúde que não têm capacidade para realizar o tratamento adequado, alertam os médicos cardiologistas da Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular 

Recorde-se que todos os anos morrem mais de quatro mil portugueses vítimas de um enfarte agudo do miocárdio, ou seja, cerca de 11 por dia.

18tm05N
01 de Fevereiro de 2018
1805Pub5f17tm05N

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

14.08.2018

Centro Hospitalar de Leiria está a trabalhar «no limite»

O presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar de Leiria (CHL), Helder Roque, alerto...

por Teresa Mendes | 14.08.2018

 Hipertensão é o principal problema de saúde dos utentes da ARSLVT

A hipertensão é o principal problema de saúde dos utentes dos cuidados de saúde primários da Adminis...

por Teresa Mendes | 14.08.2018

Doentes continuam sem acesso à nutrição parentérica no ambulatório

A nutrição parentérica ou entérica continua a não estar acessível aos doentes que dela precisam nos...

14.08.2018

Horas de sono a mais aumentam risco cardiovascular

Dormir menos do que sete horas diárias ou mais do que as oito recomendadas pode aumentar o risco de...

por Teresa Mendes | 13.08.2018

Especialistas portugueses integram missão contra o Ébola

Três especialistas portugueses vão integrar uma missão internacional de prevenção e resposta rápida...

por Teresa Mendes | 13.08.2018

Concurso de colocação dos médicos recém-especialistas é uma «falácia»

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) considera o concurso de colocação dos médicos recém-especial...

13.08.2018

IPO de Lisboa regista aumento de quase 30% da produção científica

 O Anuário da Atividade Científica 2017 do Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa já pode...

13.08.2018

Recolha de resíduos de medicamentos aumentou 8%

A Valormed recolheu 560 toneladas de resíduos de medicamentos no primeiro semestre de 2018, mais 8%...

10.08.2018

CHVNGE realiza cirurgia inovadora que evita remoção total do pulmão

O Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia e Espinho (CHVNGE) realizou, pela primeira vez em Portugal,...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.