Rácio de endividamento do SNS atingiu os 95%

por Teresa Mendes | 08.02.2018

Auditoria à Conta Consolidada do Ministério da Saúde
A Conta Consolidada do Serviço Nacional de Saúde (SNS) «ainda não atingiu um estádio que assegure que as demonstrações financeiras consolidadas expressam, de forma verdadeira e apropriada, a situação económico-financeira do Ministério da Saúde», diz o Tribunal de Contas numa auditoria aos anos de 2015 e 2016.

De acordo com o relatório, publicado esta quinta-feira, esta situação justifica-se pelo facto de «o equilíbrio das demonstrações financeiras ser assegurado através de ‘plug accounts’ (incorporam diferenças de conciliação materialmente relevantes entre entidades do perímetro)».

Segundo o TC, no final de 2016, os Fundos Próprios do Ministério da Saúde totalizam 851,2 milhões de euros, dos quais cerca de metade (51%, 436,7 milhões) são da ADSE. 

«Face a 2014 (1.340,4 milhões), nota-se uma diminuição dos Fundos Próprios do Ministério da Saúde de 489,2 milhões (-36,5%), não obstante o impacto positivo da integração da ADSE no perímetro de consolidação de contas do Ministério da Saúde em 2015», sublinham os auditores, revelando ainda que, em sentido contrário, «o Passivo do Ministério da Saúde aumentou, em particular as dívidas a fornecedores e outros credores do Ministério da Saúde que subiram 38,9%, passando de 1761,5 milhões em 2014 para 2446,6 milhões em 2016 (+ 685,1 milhões)».

«A situação económico-financeira do Serviço Nacional de Saúde degradou-se de 2014 para 2016, tendo o rácio de endividamento atingido os 95% no final de 2016, refletindo a dependência do SNS das dívidas a fornecedores», alerta o TC 

Em suma, conclui o documento, «a situação económico-financeira do Serviço Nacional de Saúde degradou-se de 2014 para 2016, tendo o rácio de endividamento atingido os 95% no final de 2016, refletindo a dependência do SNS das dívidas a fornecedores».

A auditoria pode ser consultada na íntegra, aqui

18tm06Q
08 de Fevereiro de 2018
1806Pub5f18tm06Q

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

14.08.2018

Centro Hospitalar de Leiria está a trabalhar «no limite»

O presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar de Leiria (CHL), Helder Roque, alerto...

por Teresa Mendes | 14.08.2018

 Hipertensão é o principal problema de saúde dos utentes da ARSLVT

A hipertensão é o principal problema de saúde dos utentes dos cuidados de saúde primários da Adminis...

por Teresa Mendes | 14.08.2018

Doentes continuam sem acesso à nutrição parentérica no ambulatório

A nutrição parentérica ou entérica continua a não estar acessível aos doentes que dela precisam nos...

14.08.2018

Horas de sono a mais aumentam risco cardiovascular

Dormir menos do que sete horas diárias ou mais do que as oito recomendadas pode aumentar o risco de...

por Teresa Mendes | 13.08.2018

Especialistas portugueses integram missão contra o Ébola

Três especialistas portugueses vão integrar uma missão internacional de prevenção e resposta rápida...

por Teresa Mendes | 13.08.2018

Concurso de colocação dos médicos recém-especialistas é uma «falácia»

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) considera o concurso de colocação dos médicos recém-especial...

13.08.2018

IPO de Lisboa regista aumento de quase 30% da produção científica

 O Anuário da Atividade Científica 2017 do Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa já pode...

13.08.2018

Recolha de resíduos de medicamentos aumentou 8%

A Valormed recolheu 560 toneladas de resíduos de medicamentos no primeiro semestre de 2018, mais 8%...

10.08.2018

CHVNGE realiza cirurgia inovadora que evita remoção total do pulmão

O Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia e Espinho (CHVNGE) realizou, pela primeira vez em Portugal,...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.