Parlamento Europeu quer acabar com a mudança da hora

por Teresa Mendes | 09.02.2018

Alterações provocam disrupções no biorritmo humano
O Parlamento Europeu (PE) apelou à Comissão Europeia para que seja reconsiderada a mudança da hora, uma prática que tem décadas de existência e que, segundo os deputados, pode ser prejudicial para a saúde humana.
A resolução nesse sentido foi aprovada esta quinta-feira pelo PE, que recomenda também a adoção de um regime horário unificado na Europa.

O objetivo passa, de acordo com a notícia avançada pela agência Bloomberg, por «evitar diferentes práticas nos países europeus que coloquem em causa o mercado único dos serviços de transporte, comunicações e comércio» e evitar problemas de saúde.

Recorde-se que normalmente os relógios são adiantados uma hora em março, voltando a ser atrasados em outubro, uma prática que tem muitos anos de existência e que tem como objetivo maximizar o aproveitamento da luz do dia.

Esta recomendação do PE, que não é vinculativa, tem por base um estudo publicado em outubro de 2017, que conclui que apesar do horário de verão ser benéfico para a indústria dos transportes, aumentar o potencial das atividades de lazer fora de casa e reduzir o consumo de energia, o mesmo «está associado a disrupções no biorritmo humano».

A Comissão Europeia ainda não respondeu de forma formal, mas já deu indicações de que não é favorável a esta alteração. A comissária dos Transportes, Violeta Bulc, disse no PE que também «os benefícios para a saúde humana que resultam de um maior aproveitamento da luz do dia têm de ser tidos em conta», reforçando que «não existe grande interesse das capitais europeias em acabarem com o horário de verão».

O Parlamento Europeu (PE) apelou à Comissão Europeia para que seja reconsiderada a mudança da hora, uma prática que tem décadas de existência e que, segundo os deputados, pode ser prejudicial para a saúde humana

Mesmo que a Comissão Europeia avance com uma proposta de alteração, esta terá de ser aprovada pela maioria dos países e dos deputados do PE, num processo que demorará pelo menos um ano.

18tm06T
09 de Fevereiro de 2018
1806Pub6f18tm06T

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.10.2018

Ordens dos Médicos e dos enfermeiros apreensivas com mudança de ministro

Numa reação à substituição de Adalberto Campos Fernandes por Marta Temido na pasta da Saúde, o basto...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

 Abertas as candidatura aos «Prémios Maratona da Saúde em Investigação Biom...

Estão abertas as candidaturas aos «Prémios Maratona da Saúde em Investigação Biomédica», uma iniciat...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

Programa ajuda médicos e população a tomar decisões criteriosas em saúde

 Os profissionais de saúde e a população portuguesa já podem contar com o programa «Choosing Wisely...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

Doentes críticos em risco no Hospital Fernando Fonseca 

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) alerta para a «situação de carência extrema de médicos no...

13.10.2018

Mais de metade dos portugueses sem acesso à Reumatologia nos hospitais públ...

Mais de metade dos portugueses (51,8%) não tem acesso a reumatologista nos hospitais públicos, exist...

por Teresa Mendes | 13.10.2018

Dívida dos hospitais às farmacêuticas atinge o valor mais alto de 2018

A dívida total dos hospitais públicos aos laboratórios farmacêuticos atingiu em agosto o valor mais...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.