Parlamento Europeu quer acabar com a mudança da hora

por Teresa Mendes | 09.02.2018

Alterações provocam disrupções no biorritmo humano
O Parlamento Europeu (PE) apelou à Comissão Europeia para que seja reconsiderada a mudança da hora, uma prática que tem décadas de existência e que, segundo os deputados, pode ser prejudicial para a saúde humana.
A resolução nesse sentido foi aprovada esta quinta-feira pelo PE, que recomenda também a adoção de um regime horário unificado na Europa.

O objetivo passa, de acordo com a notícia avançada pela agência Bloomberg, por «evitar diferentes práticas nos países europeus que coloquem em causa o mercado único dos serviços de transporte, comunicações e comércio» e evitar problemas de saúde.

Recorde-se que normalmente os relógios são adiantados uma hora em março, voltando a ser atrasados em outubro, uma prática que tem muitos anos de existência e que tem como objetivo maximizar o aproveitamento da luz do dia.

Esta recomendação do PE, que não é vinculativa, tem por base um estudo publicado em outubro de 2017, que conclui que apesar do horário de verão ser benéfico para a indústria dos transportes, aumentar o potencial das atividades de lazer fora de casa e reduzir o consumo de energia, o mesmo «está associado a disrupções no biorritmo humano».

A Comissão Europeia ainda não respondeu de forma formal, mas já deu indicações de que não é favorável a esta alteração. A comissária dos Transportes, Violeta Bulc, disse no PE que também «os benefícios para a saúde humana que resultam de um maior aproveitamento da luz do dia têm de ser tidos em conta», reforçando que «não existe grande interesse das capitais europeias em acabarem com o horário de verão».

O Parlamento Europeu (PE) apelou à Comissão Europeia para que seja reconsiderada a mudança da hora, uma prática que tem décadas de existência e que, segundo os deputados, pode ser prejudicial para a saúde humana

Mesmo que a Comissão Europeia avance com uma proposta de alteração, esta terá de ser aprovada pela maioria dos países e dos deputados do PE, num processo que demorará pelo menos um ano.

18tm06T
09 de Fevereiro de 2018
1806Pub6f18tm06T

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.01.2019

Mortalidade infantil subiu 26% em 2018

A mortalidade infantil sofreu uma inversão de tendência e aumentou 26% em 2018, segundo dados provis...

por Teresa Mendes | 22.01.2019

Serviços de Urgência já estão a recusar doentes

Nas últimas semanas, alguns Serviços de Urgência (SU) tiveram que recusar doentes devido à sobrelota...

por Teresa Mendes | 22.01.2019

Alergia da expressão cutânea em debate

Vai decorrer, no próximo dia 23 de fevereiro, no Palácio da Lousã Boutique Hotel, a 6.ª Reunião Temá...

por Teresa Mendes | 22.01.2019

Internamentos por bronquiolites em crianças está a aumentar

A bronquiolite é responsável por dois em cada dez internamentos de crianças com menos de dois anos,...

21.01.2019

Resistência à vacinação entre as 10 maiores ameaças à saúde em 2019

A Organização Mundial da Saúde (OMS) elaborou um Top 10 dos assuntos mais preocupantes em 2019 e que...

por Teresa Mendes | 21.01.2019

 Candidaturas abertas ao Prémio Nacional de Diabetologia

Estão abertas as candidaturas, até ao próximo dia 1 de fevereiro, ao Prémio Nacional de Diabetologia...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.