Fnam mantém decisão de greve após nova reunião com tutela

12.02.2018

«Os pontos imprescindíveis continuam sem qualquer contraproposta»
Da mais recente reunião dos sindicatos médicos com o Ministério da Saúde voltou a não sair fumo branco, antes pelo contrário.

«Não havendo qualquer aproximação do Governo às legítimas expetativas dos trabalhadores médicos, a Fnam mantém a decisão de escalar as formas de luta, já anunciadas previamente», entre as quais nova greve nacional, anuncia aquele sindicato num comunicado.

Segundo a Federação Nacional dos Médicos (Fnam), na reunião da passada quinta-feira, dia 8, estiveram presentes a secretária de Estado da Saúde, Rosa Valente de Matos, e o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, constatando o sindicato que «a substituição de alguns dos elementos da delegação não representou qualquer evolução na posição governamental».

De acordo com um comunicado  daquela estrutura sindical, «os pontos imprescindíveis, como a negociação da carreira médica e da grelha remuneratória, a diminuição da lista de utentes dos médicos de família e os limites do trabalho urgente e extraordinário, continuam sem qualquer contraproposta por parte do Ministério da Saúde».

Em relação aos concursos de colocação de recém-especialistas, atrasados há vários meses, «fomos informados que o concurso à especialidade de Medicina Geral e Familiar estaria previsto para a próxima semana. No entanto, continua sem perspetiva de data de abertura o concurso para os especialistas hospitalares».

«Não havendo qualquer aproximação do Governo às legítimas expetativas dos trabalhadores médicos, a Fnam mantém a decisão de escalar as formas de luta, já anunciadas previamente», entre as quais nova greve nacional, anuncia aquele sindicato num comunicado

Relativamente ao diploma que regulamenta o Internato Médico, a Fnam diz ter manifestado não conhecer qual a versão que teria sido enviada para promulgação, «expressando o seu desacordo sobre a versão conhecida pelos sindicatos.

Ainda segundo a Fnam, a delegação do Ministério da Saúde garantiu que irá apresentar contrapropostas por escrito ainda durante o mês de fevereiro.

18tm07B
12 de Fevereiro de 2018
1807Pub2f18tm07B

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.10.2018

Ordens dos Médicos e dos enfermeiros apreensivas com mudança de ministro

Numa reação à substituição de Adalberto Campos Fernandes por Marta Temido na pasta da Saúde, o basto...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

 Abertas as candidatura aos «Prémios Maratona da Saúde em Investigação Biom...

Estão abertas as candidaturas aos «Prémios Maratona da Saúde em Investigação Biomédica», uma iniciat...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

Programa ajuda médicos e população a tomar decisões criteriosas em saúde

 Os profissionais de saúde e a população portuguesa já podem contar com o programa «Choosing Wisely...

por Teresa Mendes | 15.10.2018

Doentes críticos em risco no Hospital Fernando Fonseca 

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) alerta para a «situação de carência extrema de médicos no...

13.10.2018

Mais de metade dos portugueses sem acesso à Reumatologia nos hospitais públ...

Mais de metade dos portugueses (51,8%) não tem acesso a reumatologista nos hospitais públicos, exist...

por Teresa Mendes | 13.10.2018

Dívida dos hospitais às farmacêuticas atinge o valor mais alto de 2018

A dívida total dos hospitais públicos aos laboratórios farmacêuticos atingiu em agosto o valor mais...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.