Governo anuncia investimento de 20 milhões de euros em investigação clínica até 2023

por Teresa Mendes | 15.02.2018

Criação de uma agência especializada em Oncologia em cima da mesa
O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, anunciou um investimento de cerca de 20 milhões de euros em investigação clínica, até 2023.

«A ideia é fazer-se uma agência de financiamento, como têm surgido noutros pontos da Europa, reunindo o esforço público e privado, partilhados igualmente», afirmou esta quarta-feira na primeira edição da Gago Conference, no Porto.

Este é, aliás, um assunto que será hoje debatido no Conselho de Ministros, que será dedicado à Ciência.
«Estamos aqui a antecipar, com um conjunto de cientistas, com o comissário europeu [Carlos Moedas] e líderes europeus, como é que Portugal pode acompanhar o grande desafio de, até 2030, três em cada quatro doentes de cancro tenham perspetivas de vida longa», disse Manuel Heitor.

A criação de uma agência especializada em Oncologia foi outro dos assuntos abordados, com o ministro a considerar que «é preciso investir, reunir um esforço público e privado, e é isso que tem sido debatido nos últimos seis meses, para se criar um mecanismo novo em Portugal de financiar e de avaliar os chamados centros académicos clínicos».

Lembrando que «há um ano, o Governo criou, com as escolas médicas, os centros de investigação biomédica e unidades de cuidados de saúde, o Conselho Nacional dos Centros Académicos Clínicos», o responsável anunciou que «agora, vamos dar mais um passo na formalização desses centros académicos e na orientação para a criação de uma agência que possa avaliar e financiar e, assim, podermos aproximar-nos da Europa».

Esta nova agência justifica-se porque «esta área clínica [de Oncologia] tem mecanismos próprios de avaliação e de financiamento, é uma especificidade tão característica da própria atividade de investigação que muitos países, nomeadamente do Centro e Norte da Europa, já especializaram os mecanismos de financiamento e avaliação na área, criando agências» para o efeito, explicou o governante.

«É esse o passo que estamos a dar, de especializar o nosso sistema de financiamento e avaliação na área clínica», concluiu Manuel Heitor, acrescentando que o Governo quer aproximar Portugal da Europa, seguindo as melhores práticas, e «este é um passo decisivo para melhorar a relação entre o sistema científico e o Serviço Nacional de Saúde (SNS)».

«A ideia é fazer-se uma agência de financiamento, como têm surgido noutros pontos da Europa, reunindo o esforço público e privado, partilhados igualmente», afirmou Manuel Heitor na primeira edição da Gago Conference 

Outra novidade anunciada é o facto de Portugal passar a integrar o «Cancer Core Europe», a mais importante rede europeia de investigação em cancro, que agrega 24 grupos de investigação, através do Porto.Comprehensive Cancer Center – o consórcio entre o I3S e o Insituto Português de Oncologia do Porto.


18tm07P
15 de Fevereiro de 2018
1807Pub5f18tm07P

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

12.12.2018

 Infarmed disponibiliza relatório anual sobre estatísticas do medicamento

A Autoridade Nacional do Medicamento divulgou esta terça-feira o seu relatório anual «Estatística do...

por Teresa Mendes | 12.12.2018

Conselho das Finanças Públicas alerta para «restrições efetivas no acesso»...

«Considerando que Portugal possui um sistema nacional de saúde com cobertura automática e integral d...

12.12.2018

Ordem dos Médicos pede «exceção» para operar crianças 

A Ordem dos Médicos (OM) defendeu esta terça-feira, no final de uma reunião com os diretores clínico...

por Teresa Mendes | 11.12.2018

Equipa dedicadas nos serviços de Urgência avançam em 2019

O conceito de Centro de Responsabilidade Integrada (CRI) será estendido aos serviços de Urgência hos...

por Teresa Mendes | 11.12.2018

Ordem dos Enfermeiros abandona Convenção Nacional de Saúde

A Ordem dos Enfermeiros (OE) decidiu abandonar a Convenção Nacional de Saúde (CNS) por considerar qu...

11.12.2018

 Marta Temido defende reflexão profunda para «sair da fase da estagnação»

Passados dez anos sobre a reforma dos cuidados de saúde primários (CSP), a ministra da Saúde defende...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.