Urgência de Pediatria do Hospital do Litoral Alentejano sem pediatras

09.03.2018

Ordem critica situação «absurda e perigosa»
No serviço de urgência pediátrica do Hospital do Litoral Alentejano (HLA) o atendimento não é feito por pediatras.

O hospital tem «uma urgência intitulada de pediatria que não tem pediatras», denunciou o presidente do Conselho Regional do Sul da Ordem dos Médicos (OM), após visitar esta quinta-feira, as instalações hospitalares, no concelho de Santiago do Cacém, distrito de Setúbal.

Alexandre Valentim Lourenço manifestou preocupação com o caso e disse aos jornalistas, no final da visita e pouco depois de ter reunido com a direção clínica e com os médicos, que a situação era «absurda e perigosa», uma vez que os pais levam as crianças partindo do princípio que vão ter um pediatra e depois isso não acontece.

«A população vem a uma urgência de Pediatria, com crianças em situação de doença aguda, e acaba por ser vista por médicos que têm menos diferenciação, muitas vezes, daquela que os médicos que estão nos centros de saúde», disse, considerando a situação um «contrassenso», que «devia ser proibido».

No HLA, integrado na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA) e que dá resposta aos concelhos de Alcácer do Sal, Grândola, Santiago do Cacém, Sines e Odemira, existe apenas um pediatra, que está quase na idade de reforma e que não faz urgência, referiu.

«Por isso, em situações agudas de crianças, este hospital não responde, ou transfere ou as crianças ou estas são vistas por médicos que não têm a diferenciação», acrescentou Alexandre Valentim Lourenço, apontando que «muitos dos profissionais» que asseguram a urgência pediátrica nem médicos de família são.
 
«Enviar para um hospital que tem um médico menos diferenciado, muitas vezes, do que o médico que está no Centro de Saúde é um contrassenso», insistiu, defendendo que a urgência pediátrica é «uma área prioritária para o hospital».

«Eu nunca vi até agora um serviço de Pediatria sem pediatras, isto é a primeira vez que eu vejo», asseverou Alexandre Lourenço, avisando que «a Ordem não pode permitir» a situação 

«Eu nunca vi até agora um serviço de Pediatria sem pediatras, isto é a primeira vez que eu vejo», asseverou, avisando que «a Ordem não pode permitir» a situação.

«Caso se mantenha desta forma, teremos que desencadear processos internos de avaliação hospitalar que possam resolver esta situação», asseverou.


18tm10R
09 de Março de 2018
1810Pub6f18tm10R

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

19.06.2019

Texto da nova Lei de Bases da Saúde fica sem referências às PPP

O grupo de trabalho que discute a nova Lei de Bases da Saúde no Parlamento chumbou esta terça-feira...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Na saúde não chega fazer muito... tem que se fazer bem»

«O sistema de saúde é complexo e não pode ser objeto de intervenções pouco pensadas, sujeitas a imed...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pinto conta com mais de 100 candi...

São mais de 100 as candidaturas recebidas pelo comité da 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pi...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Beyond Cervical Cancer» é o mote do «HPV Clinical Cases»

A MSD Portugal está a promover o «HPV Clinical Cases», uma iniciativa que tem como objetivo «reunir,...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

 Candidaturas ao Prémio Nacional de Saúde 2019 abertas até 30 de junho

Decorrem, até 30 de junho, as candidaturas Prémio Nacional de Saúde 2019.<br /> Este galardão atrib...

por Teresa Mendes | 17.06.2019

CE alerta para a diminuição do investimento na Saúde em Portugal

Um relatório da Comissão Europeia (CE) sobre a sustentabilidade financeira dos sistemas de saúde, di...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.