Tudo na mesma nas negociações com o Ministério da Saúde

09.03.2018

Fnam mantém greve, mas SIM ainda não decidiu se vai aderir
A reunião dos dois sindicatos médicos com o Ministério da Saúde esta quinta-feira não trouxe nada de novo em relação aos avanços das negociações, mantendo a Federação Nacional dos Médicos a greve agendada para os dias 10, 11 e 12 de abril. Já o Sindicato Independente dos Médicos continua a acreditar na via negocial, remetendo uma decisão para o seu congresso que se realiza na próxima semana.

«O ministério foi evasivo e tirando a proposta da redução das 200 horas extraordinárias anuais para as 150, nada mais houve. É muito pouco quando as questões mais importantes para os médicos são a revisão da carreira e da grelha salarial, a resolução dos problemas do internato médico, a questão dos concursos que têm de ser transparentes.

Não nos souberam dizer quantos médicos entraram [nos hospitais] fora do concurso nacional. Houve uma proposta de diminuição de utentes por médico de família, mas muito pouco substantiva», disse o presidente da Federação Nacional dos Médicos (Fnam), João Proença, à saída do encontro.

Pouco tempo antes de reunir no ministério, a Fnam emitiu um comunicado 

a criticar o documento que a tutela enviou a 5 de março, com os tópicos para serem discutidos na reunião desta quinta-feira, dizendo que este confirmava «a vontade e decisão política de continuar a não apostar nos médicos e no desenvolvimento qualitativo da carreira médica». 

A reunião dos dois sindicatos médicos com o Ministério da Saúde esta quinta-feira não trouxe nada de novo em relação aos avanços das negociações, mantendo a Federação Nacional dos Médicos a greve agendada. O Sindicato Independente dos Médicos continua a acreditar na via negocial 

Apesar do desentendimento, a greve dos médicos marcada para abril pode ainda ser reversível, pois além de uma nova reunião negocial com o Ministério da Saúde já marcada para o próximo dia 28 de março, haverá, antes disso, no dia 19 de março, novo Fórum Médico que irá centrar-se na greve, na situação do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e no impasse nas negociações.

18tm10U
09 de Março de 2018
1810Pub6f18tm10U

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.12.2018

USF Ilumina dá médico de família a 7200 utentes de S. Domingos de Rana

Foi hoje inaugurada a USF Ilumina, em São Domingos de Rana, numa cerimónia em que participaram o pre...

por Teresa Mendes | 14.12.2018

 Nova Lei de Bases da Saúde abre a porta à exclusividade no SNS

A proposta da Lei de Bases da Saúde, aprovada esta quinta-feira no Conselho de Ministros, abre a por...

por Teresa Mendes | 14.12.2018

 Enfermeiros pagos para continuar a fazer greve

O movimento de enfermeiros que recolhe fundos para a greve prolongada em blocos operatórios angariou...

por Teresa Mendes | 14.12.2018

Doenças respiratórias: Madeira tem maior taxa de mortalidade da Europa

O 13.º relatório do Observatório Nacional de Doenças Respiratórias (ONDR) mostra que as doenças resp...

13.12.2018

Marta Temido diz que «não abundam pediatras no país»

 O bastonário da Ordem dos médicos (OM) apelou esta quarta-feira à ministra da Saúde para que resolv...

13.12.2018

 “Grupo dos 44” quer voltar a ser ouvido sobre Lei de Bases da Saúde

Os 44 subscritores dos «Princípios Orientadores da Saúde para uma Lei de Bases da Saúde» querem ser...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.