Rotura na Urgência pediátrica de Évora «é mais uma face do desinvestimento no SNS»

13.03.2018

Ordem responsabiliza ministro da Saúde pela situação dos médicos e doentes
O bastonário da Ordem dos Médicos (OM) considera que o risco de rutura da Urgência pediátrica do Hospital do Espírito Santo, em Évora, devido à falta de médicos especialistas «é mais uma das muitas faces visíveis do desinvestimento a que tem sido sujeito o Serviço Nacional de Saúde (SNS) na última década».

Num comunicado divulgado hoje, Miguel Guimarães informa que «a OM vai responsabilizar o ministro da Saúde pela segurança clínica dos doentes e dos médicos», instando o Governo a «resolver rapidamente a situação» e pedindo ainda a intervenção dos deputados da Assembleia da República. 

O dirigente reage assim ao documento que lhe foi remetido, assinado pelos médicos pediatras daquele hospital, que dá conta do «descontentamento com as condições de trabalho e de assistência que são atualmente praticadas no Serviço de Urgência pediátrica».

«A Ordem dos Médicos tem vindo a alertar que em muitas unidades de saúde as escalas de serviço só são garantidas graças ao esforço – muitas vezes com prejuízo pessoal - e dedicação exemplar dos médicos», frisa Miguel Guimarães, acrescentando que «a denúncia pública dos médicos do Hospital de Évora, que foi também remetida à OM, é o resultado da exaustão em que muitos destes colegas se encontram».

Para o bastonário «é de lamentar que no recente concurso para a colocação de jovens médicos especialistas apenas esteja prevista uma vaga para Cirurgia pediátrica no Hospital do Espírito Santo, e que não esteja contemplada qualquer vaga para a especialidade de Pediatria». 

«Quando se sabe que um terço do quadro médico deste hospital já não faz serviço de Urgência por ter atingido o limite da idade que lhes permite essa dispensa ou por estarem integrados na Urgência da Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais, não se percebe que o Ministério da Saúde não tenha procurado reforçar uma unidade claramente carenciada», lê-se ainda no comunicado.

Miguel Guimarães informa que «a OM vai responsabilizar o ministro da Saúde pela segurança clínica dos doentes e dos médicos», instando o Governo a «resolver rapidamente a situação» e pedindo ainda a intervenção dos deputados da Assembleia da República 

Quanto à proposta do presidente da Administração Regional de Saúde do Alentejo, José Robalo, que disse esta segunda-feira que o hospital vai «tentar» contratar mais pediatras em regime de prestação de serviços para impedir a rotura da Urgência pediátrica, Miguel Guimarães frisa que esta «apenas pode ser encarada como uma solução temporária enquanto não são contratados especialistas para os quadros do hospital».

18tm11F
13 de Março de 2018
1811Pub3f18tm11F

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Fnam pede intervenção do CNS para reformular organização dos hospitais 

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) apela ao presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS) para...

15.02.2019

 Ministério da Saúde vai abrir novas convenções na área da hemodiálise

O Ministério da Saúde vai abrir novas convenções com prestadores para a área da hemodiálise, esperan...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

 Ciência Viva abre candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde»

Estão abertas as candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde», uma iniciativa da Ciência Viva - Agênci...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Publicado o primeiro manual de apoio à pessoa com doença rara

As pessoas com doença rara têm, pela primeira vez, acesso a um manual de apoio, que compila informaç...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

Desde 2013 que o SNS não fazia tão poucas cirurgias

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) registou um aumento da atividade assistencial em 2018, quer no núm...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

O BREXIT explicado às empresas do setor da Saúde

Para esclarecer a questão do BREXIT às empresas portuguesas do setor da Saúde, a AICEP organiza, em...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.