Anomalias congénitas estão a ser detetadas cada vez mais cedo

por Teresa Mendes | 16.03.2018

Insa divulga relatório referente a 2014-2015
 As anomalias congénitas (AC) estão a ser detetadas cada vez mais cedo em Portugal. Segundo o relatório do Registo Nacional de AC referente ao período 2014-2015, do Instituto Nacional Doutor Ricardo Jorge (Insa), «cerca de 60% das AC registadas nos bebés portugueses foram detetadas na fase pré-natal, um valor superior ao observado em anos anteriores».

Para os autores do documento, este facto poderá estar relacionado com o trabalho desenvolvido pelos centros de diagnóstico pré-natal e um maior acesso da grávida a estes centros.

O relatório mostra também que a percentagem de nascimentos em mulheres com idade igual ou superior a 40 anos, cerca de 9%, praticamente duplicou quando comparados os dados com os do relatório referente aos anos 2000 a 2010 (5,2%).

Quanto às patologias em si, em 2014 e 2015, as cardiopatias congénitas foram o grupo de AC mais prevalente (86,5 casos/10000 nascimentos), seguido do grupo das anomalias do sistema músculo-esquelético (45,0 casos/10000 nascimentos). 

Segundo o relatório do Registo Nacional de AC referente ao período 2014-2015, do Instituto Nacional Doutor Ricardo Jorge (Insa), «cerca de 60% das AC registadas nos bebés portugueses foram detetadas na fase pré-natal, um valor superior ao observado em anos anteriores» 

Também se evidenciam com frequências elevadas, as anomalias cromossómicas e as AC do sistema urinário (cerca de 35 casos/10000 nascimentos para cada grupo), salientando a equipa que «estes resultados são idênticos à distribuição observada pelo RENAC em anos anteriores. 

A interrupção médica da gravidez é a opção mais escolhida quando, através das técnicas de diagnóstico pré-natal, são detetadas anomalias cromossómicas (73,6%) ou AC do sistema nervoso central (62,2%).

Consulte o relatório em acesso aberto aqui
 
18tm11P
15 de Março de 2018
1811Pub4f18tm11P


Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.04.2019

Pneumonia: Mais de 50% dos doentes de risco não são aconselhados a vacinar-...

A pneumonia mata, em média, 23 pessoas por dia nos hospitais portugueses, mais do dobro da média eur...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

Ministério da Saúde pede sindicância à Ordem dos Enfermeiros

A ministra da Saúde, Marta Temido, pediu à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) para realiz...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

 «Suspeição intolerável» 

 A ministra da Saúde, Marta Temido, considera uma «suspeição intolerável» do bastonário da Ordem dos...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

 SESARAM continua a não registar assiduidade dos seus trabalhadores

Uma auditoria do Tribunal de Contas (TC) revelou, esta terça-feira, que o Serviço de Saúde da Região...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Encontro internacional debate futuro do envelhecimento<br />  

A Academia Nacional de Medicina de Portugal (ANMP), o Science Advice for Policy by European Academie...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Manifesto da EFPIA reforça os benefícios das vacinas

«Construir uma Europa mais Saudável» é o título do manifesto criado pela Vaccines Europe, o grupo es...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.