Idade de ouro está prestes a chegar para a Medicina Geral e Familiar

por Teresa Mendes | foto de "DR" | 16.03.2018

Dirigentes esperançosos no 35.º Encontro Nacional da APMGF
«Acredito que a idade de ouro para a nossa especialidade possa chegar. Acredito porque vejo a quantidade de jovens colegas muito bem preparados, que são uma lufada de ar fresco, que representam um novo elã.
Mas esta nova era não vai cair de paraquedas. Só vai acontecer se fizermos por isso», sublinhou Victor Ramos na conferência de abertura do 35.º Encontro Nacional da APMGF.

Perante a audiência presente esta quarta-feira no Centro de Congressos do Algarve, em Vilamoura, o médico de família, docente na Escola Nacional de Saúde Pública e vencedor do Prémio Miller Guerra 2017, revelou alguns dos pontos mais importantes de um trabalho de auscultação que fez com 125 profissionais de saúde conhecedores dos cuidados de saúde primários, no sentido de sintetizar os eixos estratégicos mais importantes a desenvolver no novo ciclo da MGF, que decorrerá até 2030. 

No âmbito deste trabalho – que deverá ser potenciado e sistematizado nos próximos meses, dando posteriormente origem a um documento programático – Victor Ramos conseguiu identificar 15 a 20 prioridades major e 60 focos críticos. 

Também o presidente da APMGF, Rui Nogueira, afirmou na cerimónia de abertura do evento que acredita que uma idade de ouro está prestes a chegar para a Medicina Geral e Familiar (MGF), considerando que «tal acontecerá mais cedo do que muitos pensam».

«Nos próximos quatro anos vamos ter de renovar metade da força de trabalho na nossa especialidade. Este período permitir-nos-á rearrumar as unidades e equipas de saúde, se tivermos o apoio de todos os colegas e as indicações precisas e certas para o fazer», disse aos presentes.
Mas, para que tal se concretize a APMGF acredita que é fundamental reavaliar e reponderar a lista de utentes dos médicos de família, razão pela qual tem insistido na sua proposta de uma nova métrica. 

«Acredito que a idade de ouro para a nossa especialidade possa chegar. Acredito porque vejo a quantidade de jovens colegas muito bem preparados, que são uma lufada de ar fresco, que representam um novo elã», disse Victor Ramos na conferência de abertura 

«Temos de começar a ter em atenção o contexto sociogeográfico do exercício da MGF, sob pena de definitivamente não podermos desenvolver a nossa missão com dignidade», advertiu ainda o dirigente.

O encontro, este ano com o lema «Um novo ciclo da MGF», prolonga-se até sábado, dia 17 de março.

18tm11Q
16 de Março de 2018
1811Pub6f18tm11Q

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.05.2019

 Número de pessoas que morre sem cuidados paliativos pode duplicar em 2060

 O número de pessoas que morre sem acesso a cuidados paliativos pode duplicar em 2060.<br /> Segund...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

Unidades de saúde mental forense não prisionais vão ter equipa clínica mult...

As unidades de saúde mental forense não prisionais vão passar a ter formalmente uma equipa clínica m...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

Ordem cria Gabinete Nacional de Apoio ao Médico

Os médicos em burnout podem recorrer, a partir de hoje, dia 24 de maio, a um gabinete de apoio criad...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

Palco será dado a quem vive a realidade da dor crónica de perto

O próximo dia 31 de maio será um dia de reflexão, onde o palco será dado a quem vive a realidade da...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

O  ciclo de vida do medicamento explicado aos jovens

O Infarmed produziu um vídeo dirigido aos jovens, onde explica as etapas do ciclo de vida do medicam...

22.05.2019

Fundadores do Observatório de Saúde António Arnaut  defendem transparência

O coordenador do Observatório de Saúde António Arnaut (OSAA) defendeu esta terça-feira, em Coimbra,...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.