«A descentralização do SNS é urgente», diz Prémio Nacional de Saúde

por Teresa Mendes | foto de André Pereira | 09.04.2018

Galardão entregue a João Queiroz e Melo pelo ministro da Saúde
«A descentralização do Serviço Nacional de Saúde é urgente. As inúmeras assimetrias dificilmente serão ultrapassadas sem que se devolvam às regiões, de forma gradual, a responsabilidade para decidirem o seu destino.» Este foi um dos apelos deixados à tutela pelo Prémio Nacional de Saúde 2017, o médico João Queiroz e Melo.

Nas comemorações do Dia Mundial da Saúde, neste sábado, em Lisboa, o galardoado pelo seu pioneirismo na transplantação cardíaca, considerou que chegou a hora de a «meritocracia» fazer «parte integrante da política do SNS, lembrando ainda que embora não seja possível reformular 130 mil trabalhadores, «podem e devem ser promovidas “ilhas experimentais” sectoriais que demonstrem que é possível mudar».

O Prémio Nacional de Saúde criticou igualmente a falta de entendimento entre os vários profissionais do SNS. «As equipas devem ter grande profissionalismo, o que implica lideranças claras integrando todos os profissionais, e enorme diálogo entre os diferentes estratos. Não mais é possível ter estruturas de saúde, como existem no presente, em que há ausência de diálogo entre as diferentes profissões, e frequentemente hostilidade», afirmou João Queiroz e Melo.

Fazendo uma análise entre o que se passava em 1968, quando começou a sua atividade, e os dias de hoje, o premiado observou que «após 50 anos, não conseguimos mudar a forma como os integramos nas instituições. O multiemprego é uma realidade nefasta para muitas especialidades e não vejo grande diferença entre o que se passava em 1968, quando comecei, e agora em 2018». 

«A descentralização do Serviço Nacional de Saúde é urgente. As inúmeras assimetrias dificilmente serão ultrapassadas sem que se devolvam às regiões, de forma gradual, a responsabilidade para decidirem o seu destino», afirmou o Prémio Nacional de Saúde 2017, João Queiroz e Melo 

Segundo Queiroz e Melo, «a eficiência e dedicação de um médico são indispensáveis para o pleno sucesso, mas não temos sido capazes de fixar os médicos aos hospitais, e desde 2005 que foram criadas condições para os afastar». 

«Restabelecer a confiança mútua é urgente e fundamental para possibilitar mais profissionalismo e dedicação, numa sã concorrência entre o sector publico e o privado», apelou o cirurgião cardiotorácico, que foi responsável pelo primeiro transplante de um coração em Portugal, em 1986.

18tm15B
09 de Abril de 2018
1815Pub6f18tm15B

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Zózimo Zorrinho | 10.07.2020

 «Alerta Doença Venosa»

Está em curso uma campanha de divulgação sob designação de «Alerta Doença Venosa», promovida pela  S...

por Zózimo Zorrinho | 10.07.2020

«Pandemia por SARS COV 2  e as respostas terapêuticas em estudo»

A pandemia por SARS COV 2  e as respostas terapêuticas em estudo bem como a garantia de segurança do...

por Zózimo Zorrinho | 02.07.2020

Filme «Saúde Digestiva by SPG»

A Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia (SPG) está a divulgar o filme «Saúde Digestiva by SPG».<b...

por Zózimo Zorrinho | 01.07.2020

Ministra da Saúde reconhece limitações na área da Saúde  Pública

A ministra da Saúde reconheceu esta quarta-feira limitações na área da saúde pública na Região de Li...

por Teresa Mendes | 30.06.2020

Miguel Pavão é o novo bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas 

 Miguel Pavão é novo bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas (OMD), sucedendo a Orlando Monteiro d...

por Teresa Mendes | 29.06.2020

Estudo mostra em humanos como as células adiposas humanas são afetadas pela...

O conhecimento da forma como o tecido adiposo humano é afetado pela idade tem sido definido por nume...

por Teresa Mendes | 29.06.2020

Fnam teme colapso dos serviços de saúde durante previsível nova vaga de SAR...

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) está preocupada com a ausência de medidas concretas e urgent...

por Teresa Mendes | 26.06.2020

Portugal adquire dois milhões de vacinas contra a gripe

Portugal já garantiu a aquisição de dois milhões de vacinas contra a gripe, revelou esta quarta-feir...

por Teresa Mendes | 26.06.2020

Médicos de saúde pública defendem contratação «urgente» de mais profissiona...

O presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública (ANMSP) defendeu esta quinta-feira...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.